A construção da mulher em múltiplos contextos: metarreflexividade nos paradigmas da performance, da microrresistência e da agência

Autores/as

  • Maria Das Graças Dias Pereira
  • Mayara de Oliveira Nogueira
  • Renata Martins Amaral

DOI:

https://doi.org/10.35956/v.21.n1.2021.p.127-146

Palabras clave:

Género. Interacción. Metareflexividad. Performance. Microrresistencia. Agencia.

Resumen

La relación entre género e interacción en múltiples contextos es el enfoque de este estudio, en una propuesta para una actividad meta-reflexiva, sobre el lenguaje de las mujeres y su papel en la interacción social, en estudios realizados dentro del alcance del grupo de investigación “Lenguaje, cultura y trabajo” (CNPq/PUC-Rio), vinculado a una universidad brasileña. Sus paradigmas teóricos son los de diferencia/dominación, performance, micro resistencia y agencia. Seleccionamos dos de las investigaciones concebidas en el grupo para analizar las manifestaciones del lenguaje basadas en las performances de emoción de una mujer con cáncer de mama y su trayectoria de vida marcadamente activa; y una mujer periférica que usa servicios legales para proteger a su hijo encarcelado inmerecidamente, en micro-movimientos de resistencia a las exclusiones. Los resultados indican que ellas no se guían por el paradigma de diferencia/dominación. Tienden a cuestionar sus realidades y a ser activas en sus prácticas sociales.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Maria Das Graças Dias Pereira

MARIA DAS GRAÇAS DIAS PEREIRA é professora Associada 2 da PUC-Rio no Departamento de Letras, Programa de Pós-Graduação Estudos da Linguagem. Supervisora da Linha de pesquisa Discurso, vida social e práticas profissionais. Líder do Grupo de Pesquisa Linguagem, Cultura e Trabalho - CNPq/ PUC-Rio. Pós-Doutorado - Universidade de Lisboa e ILTEC (2008-2009), Doutorado em Letras - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1993), Mestrado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1981), Graduação em Licenciatura Plena em Letras Português Inglês pela Universidade Católica de Minas Gerais (1976). Desenvolve pesquisas nas áreas da Linguística Aplicada, Análise da Narrativa, Sociolinguística Interacional, Análise da Conversa, Pragmática.

Mayara de Oliveira Nogueira

MAYARA DE OLIVEIRA NOGUEIRA possui pós-doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Espírito Santo (2018-atual). Doutora em Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2018). Mestre em Linguística pela Universidade Federal do Espírito Santo (2013). Graduação em Direito pela Universidade Vila Velha (2011) e em Letras Português pela Universidade Federal do Espírito Santo (2011). Membro do Grupo de Estudos em Alteridade e Política (UFES) e do Grupo de Pesquisa Linguagem, Cultura e Trabalho (PUC-Rio). Interesses: Análise do Discurso, Sociolinguística Interacional, Linguística Aplicada das Profissões, Identidade, Narrativa, Direito do Trabalho e Direito Processual do Trabalho, Direitos Sociais e Direitos Humanos.

Renata Martins Amaral

RENATA MARTINS AMARAL possui pós-doutorado em Letras/Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2020-atual). Doutora em Letras/Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2018), Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2007) e Bacharel e Licenciada Plena em Letras - português/inglês pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003). Integrante do corpo editorial da Revista Percursos Linguísticos, periódico do Departamento de Letras da UFES. Membro do Grupo de Pesquisa CNPq/ PUC-Rio Linguagem, Cultura e Trabalho. Áreas de interesse: Análise do Discurso, Linguística Aplicada, Análise da Conversa e Sociolinguística Interacional. Tem experiência com estudo de narrativas, identidades, multimodalidade, posicionamento narrativo, protagonismo em redes sociais e netnografia.

Citas

Ahearn, L. M. 2000. Agency. Journal of Linguistic Anthropology, 9 (1-2): 12-15.

Ahearn, L. M. 2001. Language and Agency. Anual Review of Anthropology. 30: 109 -137.

Amaral, R. M. 2018. “De lagarta a borboleta”: Protagonismo de mulheres com câncer de mama em redes sociais. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Asad, T. 2000. Agency and pain: An exploration. Culture and Religion, 1(1), 29 – 60.

Austin, J. L. [1962] 1990. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Trad. Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas. [How to do things with words. London: Oxford Univ. Press].

Bastos, L. C. 2008. Diante do sofrimento do outro: narrativas de profissionais de saúde em reuniões de trabalho. Calidoscópio, 6 (2): 76-85.

Brandão, T. O. e Germando, I. M. P. 2009. Experiência, memória e sofrimento em narrativas autobiográficas de mulheres. Psicologia & Sociedade. 21 (1): 5-15.

Bruner, J. 1994. Life as a narrative. Em A. H. Dyson e C. Genishi (eds.). The need for story: cultural diversity in classroom and community. Illinois: NCTE Editorial.

Butler, J. [1990] 2003. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Cameron, D. 1995. Rethinking language and gender studies: some issues for the 1990s”. Em S. Mills (ed.). Language and gender: interdisciplinary perspectives. London: Longman. pp. 31-44.

Cameron, D. [1998] 2005. Why is language a feminist issue? Em D. Cameron (ed.). The feminist critique of language: a reader. London and New York: Routledge. pp. 1-21.

Cameron, D. (ed.). [1998] 2005. The feminist critique of language: a reader. 2nd.[rev.] London and New York: Routledge.

Cameron, D. 2005. Language, gender, and sexuality: Current issues and new directions. Applied

Linguistics, 26(4): 482–502.

Coates, J. 1997. Competing discourses of femininity. Em R. Wodak e H. Kotthoff (eds.) Communicating

gender in context. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins. Cap. 3, pp. 285-314.

Correa, D. A. 2017. Sobre o protagonismo na linguagem escrita e novos modos de interação.

RBLA, 17 (4): 641-66.

Cortez, C. M. 2011. Narrativas de agentes comunitárias de saúde e de moradores de Vila Rosário:

práticas profissionais e discursivas no atendimento à tuberculose. Dissertação (Mestrado em Estudos da

Linguagem). Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Denzin, N. e Lincoln, Y. S. [2003] 2006. 2ed. O planejamento da pesquisa qualitativa. Teorias e

abordagens. Porto Alegre: Artmed.

Duranti, A. 2004. Agency in Language. Em A. Duranti (ed.). A Companion to Linguistic Anthropology.

Malden, MA: Blackwell, pp. 451-473.

Ellis, C. e Bochner, A. P. 2000. Autoethnography, Personal Narrative, Reflexivity: Researcher as Subject.

Em N. K. Denzin e Y. S. Lincoln (eds). Handbook of qualitive research. London: Sage Publication.

Fernandes, M. A. 2011. Famílias e construção da identidade social dos moradores de Vila Rosário.

Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem). Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Giddens, A. [1990] 1991. As conseqüências da modernidade. Trad. de Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP

Gee, J.P. 1990. Social Linguistics and literacies: Ideology in discourses. Bristol, PA: The Falmer Press.

Giora, R. 2002. Theorizing gender. Feminist awareness and language change. Em B. Baron e H. Kotthoff (eds.). Gender in interaction. Perspectives on femininity and masculinity in ethnography and discourse. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins. pp. 329-347.

Harré, R. 1998. The singular self: an introduction to the psychology of personhood. London: Sage.

Henley, N. M. e Kramarae, C. 1991. Gender, power, and miscommunication. Em N. Coupland; H. Giles; J. M. Wiemann (eds.) Miscommunication and problematic talk. Newbury Park/ California: Sage Publications. pp.18-43.

Holmes, J. e Meyerhoff, M. 2003. Different voices, different views: an introduction to current research in language and gender. Em J. Holmes e M. Meyerhoff (eds.). The Handbook of Language and Gender. Maiden, MA: Blackwell Publishing Ltd. pp. 1-18

Kendall, S. e Tannen, D. 2001. Discourse and gender. Em D. Schiffrin e D. Tannen e H. Hamilton (eds.). The Handbook of Discourse Analysis. Malden, Massachusetts: Blakwell Pub., pp. 548-567.

Kitzinger, C. 2002. Doing feminist conversation analysis. Em P. Mcllvenny (ed.). Talking gender and sexuality. Amsterdam: John Benjamins. Chapter 2, pp. 49-77.

Kozinets, R. 2014. Netnografia: Realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso.

Kress, G. 1989. “Speech and speakers: the formation of individuals in discourse and genre”. Em G. Kress. Linguistic processes in sociocultural practice. Oxford: Oxford University Press. Chap. 2, pp. 33-51.

Labov, W. 1997. Some further steps in narrative analysis. Journal of Narrative and Life History, 7(1-4): 395 – 415.

Lakoff, R. 1973. Language and woman’s place. Language in Society, 2(1): 45-80.

Linde, C. 1993. Life Stories. New York: Oxford University Press.

Lívia, A.; Hall, K. 1997. “‘It’s a girl’: Bringing performativity back to linguistics”. Em A. Lívia e K. Hall (eds). Queerly phrased: Language, gender and sexuality. New York: Oxford University Press. pp. 3-18.

Lorde, A. [1980, 1984] 2019. Idade, raça, classe e sexo: as mulheres redefine a diferença. Em A. Lorde. Irmã outsider: ensaios e conferências. Trad. Stephanie Borges. Belo Horizonte: Autêntica. pp. 141-54

Maltz, D. N.; Borker, R. A. 1982. A Cultural approach to male-female miscommunication. Em J.J. Gumperz (ed.). Language and social identity. Cambridge, Cambridge University. pp.196-216.

Marcus, G. E. 1995. Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. In: Annual Review of Anthropology 24:95-117.

Martins Ferreira, D. M. 2017. Do semelhante ao mesmo, do diferente ao semelhante: sujeito, ator, agente e protagonismo na linguagem. RBLA, v. 17, n. 4, pp. 619-640.

Mcllvenny, P. 2002a. Introduction. Em P. Mcllvenny (ed). Talking gender and sexuality. Amsterdam: John Benjamins. Chapter pp. 1-48.

Mcllvenny, P. 2002b. Critical reflections on performativity and the ‘un/doing’ of gender and sexuality in talk. Em P. Mcllvenny (ed). Talking gender and sexuality. Amsterdam: John Benjamins. Chapter 4, pp. 113-149.

Mendes, T. R. S. 2013. Narrativas de experiências de jovens universitários com dislexia: Construções de si e do outro nos contextos da escola e da família. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem).

Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Nogueira, M. O. 2018. Narrativas, prática profissional e ética social: negociação e coconstrução de identidades. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Oliveira, T. L. de. 2006. Teoria Queer e estigma: a construção de performances homoafetivas em narrativas de histórias de vida. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Rio de Janeiro. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Ostermann, A. C. e Fontana, B. (orgs) 2010. Linguagem, gênero, sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial.

Pereira, M. G. D. 2009. A construção de identidades socioculturais: uma mudança de paradigma? Em M. G. D. Pereira; C. R. P. Bastos; T. C. Pereira (orgs). Discursos socioculturais em interação. Rio de Janeiro: Garamond. Cap. 18, P. 541-575.

Pereira, M. G. D. 2011. Resenha/ Review. Em A. C O. Ostermann; B. Fontana (Orgs.) Linguagem, gênero, sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. 166 p. D.E.L.T.A., 27:2:377-387.

Pereira, M. G. D.; Cortez, C. M. 2011. Narrativas como práticas de agentes comunitárias: a fala ‘no’ e ‘sobre’ o trabalho em uma reunião sobre o tratamento da tuberculose. Calidoscópio, 9 (2): 80-95.

Pereira, M. G. D.; Cortez, C. M. 2013. Agência e performance em narrativas sobre o tratamento da tuberculose em Vila Rosário: projeções do “eu” avaliativo e agentivo. Em J. P. Pinto e B. F. Fabrício (orgs). Exclusão social e microrresistências: a centralidade das práticas discursivo-identitárias. Goiânia: Cânone Editorial. p. 204-234.

Pinsk, C. B. 2009. Estudos de Gênero e História Estudos de Gênero e História Social. Estudos Feministas, Florianópolis, 17(1): 296, janeiro-abril.

Pinto, J. P.; Fabrício, B. F. 2013. Exclusão e microrresistências: a centralidade das práticas discursivo- identitárias. Goiânia: Cânone Editorial.

Resende, V. M. 2017. [Disponível na internet em https://www.researchgate.net/publication/ 322835373]. Decolonizar os estudos críticos do discurso: por perspectivas latino-americanas.

Conferência proferida no XII Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Estudos do Discurso - ALED. Aula Magna, Centro de Extensão, em 18 de outubro de 2017. Santiago: Universidad Católica de Chile. [Consulta: 15 de janeiro de 2021].

Ribeiro, B. T.; Pereira, M. G. D. 2002. A noção de contexto na análise do discurso. Veredas, 6 (2): 49-67.

Sacks, H; Schegloff, E. A. e Jefferson, G. 1974. A simplest systematic for the organization of turn-taking for conversation. Language, 50(4):696-735.

Tannen, D. 1990. Different words, different worlds. You just don’t understand: woman and men in conversation. New York: Morrow.

Tannen, D. 1993. The Relativity of linguistic strategies: rethinking power and solidarity in gender and dominance. Em D. Tannen (ed.) Gender and conversational interaction. New York: Oxford University Press. pp. 165-88.

Vivas, M. A. [2005] 2017. “Literatura mulherzinha”: a construção de feminilidades nas tirinhas da série Mulheres Alteradas de Maitena. Curitiba: Apris.

Watson, D. R.; Weinberg, T. S. 1982. Interviews and the interactional construction of accounts of homosexual identity. Social Analysis 11: 56-78.

Wodak, R. 2015. Gender and Language: cultural Concerns. Em J. D. Wright (Editor-in- -chief ). International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences, 2nd edition, v. 9. Oxford: Elsevier. pp. 698–703.

Publicado

2021-07-08

Cómo citar

Dias Pereira, M. D. G., Oliveira Nogueira, M. de, & Martins Amaral, R. (2021). A construção da mulher em múltiplos contextos: metarreflexividade nos paradigmas da performance, da microrresistência e da agência. Revista Latinoamericana De Estudios Del Discurso, 21(1), 127–146. https://doi.org/10.35956/v.21.n1.2021.p.127-146

Número

Sección

Artículos

Artículos similares

<< < 1 2 3 

También puede {advancedSearchLink} para este artículo.