Patrimônio, paisagem e simbolismos no centro histórico de Aquiraz, Ceará, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/patryter.v4i8.31786

Palavras-chave:

Paisagem cultural. patrimônio cultural. formas simbólicas espaciais. percepção urbana. significados urbanos.

Resumo

A pesquisa objetivou analisar a dimensão subjetiva estabelecida a partir dos diversos olhares dos moradores da cidade de Aquiraz, Ceará, sobre sua paisagem patrimonial. Metodologicamente, optamos pela prática da observação participante e realização de entrevistas de caráter semiestruturado, pois a mesma ofereceu melhor embasamento na leitura dos significados presentes na paisagem simbólica da área de estudo. Após a realização dos diálogos com os residentes de Aquiraz e a análise de suas falas, identificamos que os aquirazenses nutrem e mantém pelo núcleo inicial de sua cidade um sentimento de vínculo com o lugar. Os residentes entendem que aquele espaço simboliza o início de sua cultura e de sua identidade, um elo que os liga pela nostalgia, memória e pertencimento ao lugar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Yan de Abreu Gomes Vasconcelos, Universidade Estadual do Ceará, UECE, Brasil

Geógrafo e mestre em Geografia pela UECE.

Referências

Barroso, F. (1999). Igrejas do Ceará: crônicas histórico-descritivas. Fortaleza: F.A. Barroso.

Barroso, G. (2004). À margem da História do Ceará. Fortaleza: Funcet.

Berque, A. (2012). Paisagem-marca, paisagem -matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In R. Corrêa & Z. Rosendahl, Z. (Ed.). Geografia Cultural: uma antologia (pp. 239-244). Rio de Janeiro: Eduerj.

Bonnemaison, J. (2012). Viagem em torno do território. In R. Corrêa & Z. Rosendahl (Ed.). Geografia Cultural: uma antologia (pp. 279-304). Rio de Janeiro: Eduerj.

Cardoso, A. & Albuquerque, M. (2020). Patrimônio ferroviário e urbanizaçao em Pernambuco, Brasil. PatryTer, 3(6), 66-80. https://doi.org/10.26512/patryter.v3i6.26961

Certeau, M. (1998). A Invenção do Cotidiano: Artes de Fazer. Petrópolis: Editora Vozes.

Choay, F. (2006). A Alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade/ Editora UNESP.

Claval, P. (2007). Geografia Cultural. Florianópolis: UFSC.

Conselho Internacional de Monumentos e Sítios [ICOMOS] (1985). Declaração do México. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Declaracao%20do%20Mexico%201985.pdf.

Corrêa, R. (2007). Formas simbólicas e espaço: algumas considerações. Geographia, 9(17), 7-18. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2007.v9i17.a13530

Cosgrove, D. (2012). A geografia está em toda a parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In R. Corrêa & Z. Rosendahl (Ed.). Geografia Cultural: uma antologia (pp. 219-238). Rio de Janeiro: Eduerj.

Costa, E. (2008). Refuncionalização de patrimônio cultural e a nova racionalidade da organização sócioespacial em núcleos urbanos tombados. Estudos Geográficos, 6(2), 53-73. https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/estgeo/article/view/496/2942

Costa, E. (2012a). Intervenções em centros urbanos no período da globalização. Revista Cidades, 9(16), 43-58. https://revista.fct.unesp.br/index.php/revistacidades/article/view/2374/2118

Costa, E. (2012b). Patrimônio e território urbano em cartas patrimoniais do século XX. Finisterra, 93, 5-28. http://www.scielo.mec.pt/pdf/fin/n93/n93a01.pdf

Costa, O. (2003). Memória e Paisagem: em busca do simbólico dos lugares. Espaço e Cultura, 15, 33-40. https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2003.7731

Duncan, J. (2004). A paisagem como sistema de criação de signos. In R. Corrêa & Z. Rosendahl (Ed.). Paisagem, Textos e Identidades (pp. 91-132). Rio de Janeiro: Eduerj.

Espoz, M. & Fernández, E. (2020). Políticas públicas y citybranding, valor patrimonial y turismo en la Mar de Ansenuza, Córdoba, Argentina. PatryTer, 3(6), 16-34. https://doi.org/10.26512/patryter.v3i6.27232

Funari, P. & Pelegrini, S. (2009). Patrimônio histórico e Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Geertz, C. (2009). Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In C. Geertz (Ed.), A interpretação das culturas (pp. 13-41). Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan.

Gomes, P. (2004). A paisagem urbana como cenário de uma cultura: algumas observações a propósito do Canadá. Espaço e Cultura, 17-18, 7-15. https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2004.7844.

Governo do Estado do Ceará (2010). Governo do estado entrega patrimônio histórico de Aquiraz. https://www.ceara.gov.br/2010/12/13/governo-do-estado-entrega-patrimonio-historico-de-aquiraz/

Luchiari, M. (2005). Centros Históricos - mercantilização e territorialidades do patrimônio cultural urbano. GEOgraphia, 14, 43-58. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2005.v7i14.a13490.

Meinig, D. (2003). O olho que observa: dez versões da mesma cena. Espaço e Cultura, 16, 35-46. https://doi.org/10.12957/espacoecultura.2002.7424.

Mesquita, E. (2020). Território usado e lógicas patrimoniais no Paraguai. PatryTer, 3(6), 167-184. https://doi.org/10.26512/patryter.v3i6.32283.

Minayo, M. (2002). Ciência, Técnica e Arte: o desafio da pesquisa social. In M. Minayo, S. Deslandes, O. Neto & R. Gomes (Ed.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade (pp. 9-30). Petrópolis: Vozes.

Oliveira, J. (1887). A primeira villa da província: notas para a história do Ceará. Revista do Instituto do Ceará, 1, 103-203. https://www.institutodoceara.org.br/revista/Rev-apresentacao/RevPorAno/1887/1887-APrimeiraVilladaProvincia.pdf

Oliveira, R. (2020). Patrimônio cultural, contribuição da teoria da Geografia a partir de Milton Santos. PatryTer, 3(6), 281-296. https://doi.org/10.26512/patryter.v3i6.32273.

Paes, T. (2015). As cidades coloniais brasileiras: Ideologias espaciais, valores histórico, urbanístico e cultural. GEOgraphia, 17(33), 41-68. https://doi.org/10.22409/GEOgrafia2015.v17i33.a13697.

Paulet, A. (1818). Carta da capitania do Ceará. http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart529227/cart529227.html.

Santos, M. (2012). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp.

Sauer, C. (2012). A morfologia da paisagem. In R. Corrêa & Z. Rosendahl (Ed.). Geografia Cultural: uma antologia (pp. 181-218). Rio de Janeiro: Eduerj.

Secretaria de Cultura do Governo do Estado do Ceará [SECULT] (2013). Casa de Câmara e Cadeia - Museu Sacro São José do Ribamar. https://www.secult.ce.gov.br/2013/01/07/casa-de-camara-e-cadeia-museu-sacro-sao-jose-do-ribamar/.

Tuan, Y. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel.

Downloads

Publicado

01-09-2021

Como Citar

Vasconcelos, Y. de A. G. (2021). Patrimônio, paisagem e simbolismos no centro histórico de Aquiraz, Ceará, Brasil. PatryTer, 4(8), 152–171. https://doi.org/10.26512/patryter.v4i8.31786

Edição

Seção

Artigos