O quadro, o corpo e o espaço no cinema

Autores

  • Gustavo Badolati Racca Faculdade e Arquitetura e Urbanismo - FAU/UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n24.2019.03

Palavras-chave:

Cidade e cinema, corpo e cidade, representação, aparelho

Resumo

A cidade é um objeto inacabado e culturalmente produzido. Seus espaços são definidos historicamente por meio dos conflitos estabelecidos pelos diferentes grupos socioculturais que a conformam. As disposições espaciais e suas representações referem-se com a maneira com que o corpo se relaciona com a cidade ao longo do tempo. Posto isso, entende-se que a representação cinematográfica do espaço é feita por meio do recorte delimitado por um quadro quando o cineasta mira a paisagem. Esse quadro denuncia, entre movimentos e permanências filmadas, a cartografia do percurso daquele que opera a câmera definindo a imagem cinematográfica. A câmera é entendida como um “aparelho” que, por suas características, condiciona a construção do quadro e, portanto, da própria representação fílmica. Para compreender a representação cinematográfica de um espaço, portanto, se faz necessário investigar o quadro fílmico, ciente de que ele pressupõe uma relação entre corpo, espaço e câmera.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual. Uma Psicologia da Visão Criadora. 1. ed. São Paulo: Cengage, 1980.
AUMONT, Jacques. A Imagem. Campinas: Papirus, 1993.
_______________. A estética do filme. Campinas: Papirus, 1995.
BARBOSA, Jorge Luiz. A arte de representar como reconhecimento do mundo: o espaço geográfico, o cinema eo imaginário social. GEOgraphia, v. 2, n. 3, p. 69”“88, 2000.
BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.
BAZIN, André. O Cinema - Ensaios. São Paulo: Brasiliense, 1991.
CORRÊA, Roberto Lobato. O espaço urbano. São Paulo: Ática, 1993.
CULLEN, Gordon. Paisagem urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1983.
EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990a.
_________________. O sentido do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990b.
FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. 1a ed. São Paulo: Annablume, 2011.
______________. Comunicologia. Reflexões sobre o futuro. São Paulo: Martins Fontes, 2015.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo. Razão e emoção. 4a Edição ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.
SENNETT, Richard. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. 4. ed. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2016.
SHIEL, Mark.; FITZMAURICE, Tony. Screening the city. London / New York: Verso, 2003.
VANOYE, Francis.; GOLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus, 2005.
ZEVI, Bruno. Saber ver arquitetura. 5a Edição ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Downloads

Publicado

2020-02-12

Como Citar

Badolati Racca, G. (2020). O quadro, o corpo e o espaço no cinema. Paranoá, (24), 10–21. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n24.2019.03