Sudeco e Liquilândia: o planejar uma cidade nova

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n25.2020.03

Palavras-chave:

planejamento regional, ocupação territorial, Cidades novas, Sudeco, Ditadura Militar

Resumo

A Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) foi criada em 1967 para prosseguir com os trabalhos de planejamento e ocupação regional iniciados pela Fundação Brasil Central quando da “Marcha para o Oeste” (1938). Durante esse avanço colonizador, a Sudeco foi responsável pelo ordenamento territorial mediante Programas Especiais, como: Polamazônia, Polocentro, Prodepan e Pergeb, que favoreceram a implantação de infraestruturas de apoio (rodovias, pistas de pouso, redes de comunicação, represas), a abertura de novas fronteiras agrícolas, o povoamento direcionado, a criação de polos produtores e consumidores, bem como a urbanização, seja pela capacitação de núcleos urbanos existentes, seja pela condução no surgimento de cidades novas por iniciativa privada, como revela o projeto para Liquilândia (1975), no estado do Mato Grosso. Metodologicamente, o resgate de fontes primárias junto ao acervo da Sudeco, no Arquivo Nacional em Brasília, permitiu a este artigo revelar os processos que motivaram a concepção de uma cidade nova. Ao estudar o universo da Sudeco e o caso particular de Liquilândia, apresenta-se como resultados os desvios e os êxitos relativos ao estágio gestacional de uma cidade intencionada, ampliando o entendimento sobre esse processo e enriquecendo as pesquisas sobre a história recente da cidade e do urbanismo no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ricardo Trevisan, 61 998384321

Arquiteto e urbanista, formado pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (1998); mestre em Engenharia Urbana pela Universidade Federal de São Carlos (2003); doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Brasília (2009), com estágio-doutoral na École d’Architecture Paris-Malaquais (2007-2008) e no Istituto Universitario di Architettura di Venizia (2008) ”“ laureado com o Prêmio CAPES de Teses 2010; e pós-doutorado na Columbia University (2014-2015). Atualmente é professor associado no Departamento de Teoria e História da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília e em seu Programa de Pós-Graduação. Pesquisador membro do Laboratório de Estudos da Urbe (Labeurbe-FAU-UnB), dos grupos de pesquisa “Paisagem, Projeto e Planejamento ”“ Labeurbe” e “Arquitetura e Urbanismo da Região de Brasília”, coordenador local do projeto “Cronologia do Pensamento Urbanístico”. Pesquisador CNPq com o projeto “Atlas de Cidades Novas no Brasil Republicano”. Vice-coordenador PPG-FAU/UnB. Membro do Conselho de Planejamento Territorial e Urbano do Distrito Federal - CONPLAN. Diretor da ANPARQ (gestão 2019-2020). Coordenador Geral do IV ENANPARQ 2020 (Brasília). Membro da Associação Ibero-americana de História Urbana (AIHU). Flerta em Arquitetura e Urbanismo com as áreas de Teoria e História da Cidade, do Urbanismo e da Habitação.

Referências

ABREU, S. de. Intervenção e gerenciamento espacial: o caso do Prodepan. In: III Simpósio sobre Recursos Naturais e Sócio-econômicos do Pantanal: Os desafios do novo milênio. Anais… Corumbá, 2000. Disponível em: http://www.cpap.embrapa.br/agencia/congresso/Socio/ABREU-066.pdf. Acesso em: dezembro 2016.
_____. Planejamento governamental: a Sudeco no espaço mato-grossense - Contexto, propósitos e contradições. Tese (Doutorado em Geografia) - Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.
ALVES JÚNIOR, G. T. O planejamento governamental e seus reflexos na estrutura fundiária de Mato Grosso. Caminhos de geografia (Revista online), Uberlândia, Departamento de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, 2003. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/viewFile/15307/8606. Acesso em: janeiro 2015.
ARAÚJO, M. A. C. A Sudeco e seus gestores: o estado como agente de produção na consolidação do capitalismo monopolista na Região Centro-Oeste. In: VI Simpósio Nacional Estado e Poder: Cultura. Anais… Universidade Federal de Sergipe, out. 2010. Disponível em: http://www.historia.uff.br/estadoepoder/6snepc/GT11/GT11-MARCO.pdf. Acesso em: abril 2015.
BARCELLOS, V. Sete novas cidades do Mato Grosso. Paisagem e Ambiente: Ensaios, São Paulo, n. 34, p. 61-80, 2014.
BOYER, J.-M. La programation urbaine et architecturale. L’expérience des villes nouvelles. Paris: École des Hautes Études en Sciences Sociales, 1983.
BRASIL. Ministério do Interior (MINTER) / Serviço Federal de Habitação e Urbanismo (SERFHAU). Planejamento urbano e local e o desenvolvimento das faixas pioneiras. Brasília: SERFHAU, 1972.
BRASIL. Ministério do Interior (MINTER) / Serviço Federal de Habitação e Urbanismo (SERFHAU). Polamazônia - Programa de pólos agropecuários e agrominerais da Amazônia. Boletim Informativo do SERFHAU, Rio de Janeiro, n. 79, outubro 1974.
CAVALCANTI, M. A.; BARREIRA, C. C. M. A. Ações da Sudeco no desenvolvimento do Centro-Oeste no estado de Goiás. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 179-191, julho/dezembro 2011. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/bgg/article/view/16852. Acesso em: novembro 2019.
CHOAY, F.; MERLIN, P. Dictionnaire de l’urbanisme et de l’aménagement. Paris: Presses Universitaires de Paris, 2005.
FERNANDEZ, F. N. Ocupação territorial e prioridades socioambientais na Centro-Oeste do Brasil. Brasília: Paralelo 15, 2011.
FERRAZ, I; MAMPIERI, M. Suiá-Missu: um mito refeito. In: RICARDO, C. A. (ed.). Povos indígenas no Brasil: 1991-1995 (parte 4). São Paulo: Instituto Socioambiental, 1996, p. 675-690.
FIALHO, A. R.; TREVISAN, R. Ocupar, colonizar, urbanizar a Amazônia Legal (1970-1980): Ações oficiais e privadas na criação de núcleos urbanos. In: XVIII Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Anais... Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.
LACERDA, L. A.; TREVISAN, R. Aragarças no Brasil Central: Modernidades pré-Brasília. In: V Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo. Anais... Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018.
MACIEL, D. P. Desenvolvimento regional no Brasil dos anos 1960: uma questão de Estado. In: I Simpósio Nacional do Centro Interdisciplinar de Estudos África-América - CIeAA e VI semana de História da UnUCSEH. Anais… Unidade Universitária de Ciências Sócio-Econômicas e Humanas, Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, 2007.
NEIVA, A. H. Getúlio Vargas e o problema da imigração e da colonização. Revista de Imigração e Colonização, Rio de Janeiro, ano. 3, n. 1, abril 1942.
TREVISAN, R. Cidades Novas. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.
_____ et al. Fazer por atlas: Cidades novas. In: JACQUES, P. B.; PEREIRA, M. da S. (Org.). Nebulosas do Pensamento Urbanístico: tomo II - modos de fazer. Salvador: EDUFBA, 2019; p.152-223.
WILHEIM, J. Urbanismo no desenvolvimento. Rio de Janeiro: Saga, 1969.

Consultas
Acervo Sudeco, no Arquivo Nacional de Brasília (end.: SIG, Quadra 06, lote 800, Brasília, DF, Brasil)
- Caixas-arquivo, de número 1 a 20.
- Documentos e mapas da Coordenação do Distrito Federal: Pastas da sessão da Sudeco.

Downloads

Publicado

2020-03-14

Como Citar

Trevisan, R., & Marques da Luz Ramos, E. M. . (2020). Sudeco e Liquilândia: o planejar uma cidade nova. Paranoá, (25), 38–55. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n25.2020.03

Edição

Seção

Dossiê de Teoria, História e Crítica