Escolas em tempo integral

características de uma escola agrícola de ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.36323

Palavras-chave:

Educação Integral, Escola de Tempo Integral, Proposta Curricular

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar e discutir as características do currículo de uma escola em tempo integral da rede municipal de Joinville/SC. A pesquisa está ancorada em referencial teórico sobre políticas curriculares e educação integral. De abordagem qualitativa, este estudo de caso conta com análise documental, realização de entrevistas e aplicação de questionários. Os participantes são professores e gestores da escola. A análise de conteúdo permitiu identificar características particulares do currículo, como a oferta de habilitação em agropecuária para alunos do ensino fundamental, com uma organização curricular pautada numa base comum e base técnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jane Mery Richter Voigt, Universidade da Região de Joinville, Brasil

Pós-doutora em Desenvolvimento Curricular pela Universidade do Minho, Portugal (2018). Professora titular da Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Curriculares, Docência e Tecnologias (GECDOTE). E-mail: jane.mery@univille.br

Carlos Huller, Universidade da Região de Joinville, Brasil

Mestre em Educação pela Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE) (2020). Membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Curriculares, Docência e Tecnologias (GECDOTE). E-mail: carloshullerprofessor@gmail.com

Elzira Maria Bagatin Munhoz, Universidade da Região de Joinville, Brasil

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) (2013). Professora titular da Universidade da Região de Joinville (UNIVILLE). Membro do Grupo de Pesquisa em Estudos Curriculares, Docência e Tecnologias – GECDOTE. E-mail: elziramunhoz@gmail.com

Referências

Apple, M. W. (2006). Ideologia e currículo. Artmed.

Apple, M. W. (2011). Repensando ideologia e currículo. Em A. F. Moreira, & T. Tadeu (Orgs.). Currículo, cultura e sociedade (pp. 49-69). Cortez.

Brasil. (2014). Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014 (Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências). http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014

Cavaliere, A. M. (2007). Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educação & Sociedade, 28(100), 1015-1035. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300018

Cavaliere, A. M. (2009). Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Em aberto, 21(80), 51-63. http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2418/2157

Cavaliere, A. M. (2010). Anísio Teixeira e a educação integral. Paidéia, 20(46), 249-259. http://doi.org/10.1590/S0103-863X2010000200012

Dutra, T., & Moll, J. (2018). A educação integral no Brasil: uma análise histórico-sociológica. Prática Docente, v.3 (2), 813-829. http://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2018.v3.n2.p813-829.id234

Fiori, N. A. (2002). Clube agrícola em Santa Catarina: ruralismo e nacionalismo na escola. Revista Perspectiva, 20 (n. Especial), 231-260. https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10286/9559

Gandin, L. A., & Lima, I. G. D. (2016). A perspectiva de Michael Apple para os estudos das políticas educacionais. Educação e Pesquisa, 42(3), 651-664. http://doi.org/10.1590/S1517-9702201609143447

Höfling, E. D. (2001). Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos CEDES, 21(55), 30-41. http://doi.org/10.1590/S0101-32622001000300003

Joinville. (2019). Projeto Político-Pedagógico da Escola Municipal Agrícola Carlos Heins Funke. Secretaria de Educação.

Leite, C. (2012). A articulação curricular como sentido orientador dos projetos curriculares. Educação Unisinos, 16(1), 87-92. http://www.revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2012.161.09

Lüdke, M., & André, M. (2014). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Editora Pedagógica e Universitária.

Morgado, J. C. (2000). A (des)construção da autonomia curricular. Edições Asa.

Morgado, J. C. (2018). Políticas, contextos e currículo: desafios para o século XXI. Em J. C. Morgado, J. Souza, A. F. Moreira, & A. Vieira (Orgs.). Currículo, formação e internacionalização: desafios contemporâneos (pp. 72-83). CIED.

Pacheco, J. A. (2002). Políticas curriculares. Porto Editora.

Pacheco, J. A. (2011). Currículo e gestão escolar no contexto das políticas educacionais. RBPAE, v. 27(3), 361-588. https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/26410/15402

Rocha, D. R., & Hypolito, Á. L. M. (2020). Disputas pela escola pública: contribuições históricas para pensar o trabalho docente. Linhas Críticas, 26, 1-15. https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/31908/27457

Sacristán, J. G. (2000). Currículo: uma reflexão sobre a prática. Artmed.

Sacristán, J. G. (2013). Saberes e incertezas sobre o currículo. Penso.

Severino, A. J. (2006) Fundamentos ético-políticos da educação no Brasil de hoje. Em J. C. F. Lima, & L. M. W. Neves (Orgs.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo (pp. 289-320). Fiocruz.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman.

Downloads

Arquivos adicionais

Publicado

30.04.2021

Como Citar

Richter Voigt, J. M., Huller, C., & Bagatin Munhoz, E. M. (2021). Escolas em tempo integral: características de uma escola agrícola de ensino fundamental. Linhas Críticas, 27, 1–20. https://doi.org/10.26512/lc.v27.2021.36323