Estudo sobre a situação histórica e a identificação étnica dos tapuios do Carretão/Goiás

Autores

  • Cristhian Teófilo da Silva Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Etnicidade. reconhecimento étnico. políticas indigenistas.

Resumo

Ao se reconhecer a situação identitária dos tapuios como uma situação de “caboclismo”, pode-se compreender porque os tapuios são representados pelos agentes indigenistas como ocupando o extremo oposto de uma curva de indianidade que partiria dos mais “autênticos”, “puros” ou “selvagens” de um lado, se fechando, no outro lado deste continuum, nos mais “integrados” ou “assimilados” à sociedade nacional. É que estes não seriam mais índios, e sim “caboclos”, “tapuios” (no sentido regional), “trabalhadores nacionais” (no sentido do Serviço de Proteção aos Índios ”“ órgão que antecede a FUNAI na promoção de um indigenismo burocrático-rotinizado). Por outro lado, a caracterização do “caboclo” proposta por Cardoso de Oliveira nos permite reconhecer os tapuios como a expressão mesma da permanência de uma condição étnica em oposição ao branco. (Cardoso de Oliveira, 1996: 141) 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristhian Teófilo da Silva, Universidade de Brasília

Antropólogo e Professor Adjunto III da Universidade de Brasília (UnB). Bolsista de Produtividade em Pesquisa - Nível 2 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Pesquisador Associado do Centre Interuniversitaire d'Études et de Recherches Autochtones/Interuniversity Centre for Aboriginal Studies and Research (CIÉRA) da Université Laval (ULaval).

Referências

ALMEIDA, Rita Heloísa de. 1985. O Aldeamento do Carretão: duas histórias. Dissertação de Mestrado apresentada ao PPGAS/ UnB. Brasília.

ARRUTI, José M. A. s/d. Território, Política e Etnicidade no Sertão do São Francisco: Análise da situação Pankararu.

PPGAS Museu Nacional/UFRJ. Rio de Janeiro. (mimeo)

BAINES, Stephen G. 1991. “É a FUNAI que Sabe”: A Frente de Atração Waimiri-Atroari. Coleção Eduardo Galvão. Belém, Pará: SCT/CNPq e Museu Paraense Emílio Goeldi.

--------------------------. 1996. “A Resistência Waimiri-Atroari Frente ao „Indigenismo de Resistência”Ÿ”. Série Antropologia n.º 211. Brasília: DAN/UnB.

BARRETTO FILHO, Henyo Trindade. 1992. Tapebas, Tapebanos e Pernas-de-Pau de Caucaia, Ceará: Da etnogênese

como Processo Social e Luta Simbólica. Dissertação de mestrado apresentada ao PPGAS / Museu Nacional,

RJ.

BARTH, Fredrik (ed.). 1969. Ethnic Groups and Boundaries: The Social Organization of Culture Difference. London:

George e Allen & Unwin.

BECKER, Bertha K. 1988. “A Geografia e o Resgate da Geopolítica”. In: Revista Brasileira de Geografia, no 50. RJ.

BEOZZO, José O. 1983. Leis e Regimentos das Missões: Política Indigenista no Brasil. SP: Loyola.

BERTRAN, Paulo. 1978. Formação Econômica de Goiás. Oriente, Goiânia.

BOBBIO, Norberto. Et.al. 1995. Dicionário de Política. Vol. I. Brasília: Editora da UnB.

BOURDIEU, Pierre et alli. 1972. El Oficio de Sociólogo. (mimeo)

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1978. “Problemas Relativos à Fricção Interétnica”. In: A Sociologia do Brasil

Indígena. Brasília: Ed.UnB, Tempo Brasileiro.

------------------------------------------------. 1976. Identidade, Etnia e Estrutura Social. SP: Pioneira.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 1987. “Etnicidade: da cultura residual mas irredutível”; “Parecer sobre os

critérios de Identidade Étnica”. In Antropologia do Brasil: Mito, História, Etnicidade.

CHAVES, Rodrigo P. R. 1997. Os Kalungas: Um estudo de identidade no Sertão de Goiás. Dissertação de Graduação em Ciências Sociais, Habilitação em Antropologia Social. Brasília: DAN/UnB.

CLASTRES, Pierre. 1990. “A Sociedade Contra o Estado”. In: A Sociedade Contra o Estado. Ed. Francisco Alves.

CLIFFORD, James. 1988. “Identity in Mashpee”. In: The Predicament of Culture: Twentieth ”“ Century Ethnography,

Literature and Art. Cambridge, Massachusetts & London: Harvard University Press.

FOUCAULT, Michel. 1995. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

--------------------------. 1996. A Ordem do Discurso. SP: Loyola.

FRAGA, Leila Miguel & OSSAMI, Marlene Castro. 1987. “Relatório Carretão: Os Tapuia”. Goiânia. (mimeo)

GLUCKMAN, Max. 1987. “Análise de uma situação social na Zululândia Moderna.” In: FELDMAN-BIANCO,

Bela (org). Antropologia das Sociedades Contemporâneas. SP: Global.

GOFFMAN, Erving. 1988. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4ª edição, RJ,

ed. Guanabara.

-------------------------. 1996. A Representação do Eu na Vida Cotidiana. Petrópolis: Ed. Vozes.

-------------------------. (S/d). Ritual de la Interacción. Editorial Tiempo Contemporáneo.

LEONARDI, Victor. 1996. Entre Árvores e Esquecimentos: História Social nos Sertões do Brasil. Brasília:

Editora da UnB, Paralelo 15.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1986. “Raça e Cultura”. In: Olhar Distanciado. Lisboa: Edições 70.

LIMA a, Antônio Carlos de Souza. 1995. Um Grande Cerco de Paz: Poder Tutelar, Indianidade e Formação do Estado no Brasil. Petrópolis: Vozes.

LIMA b, Reginaldo Ramos de. 1995. “O Jogo de Espelhos: Um estudo de uma identidade invisível na Serra de

Ibiapaba (Viçosa do Ceará)”. In: Revista Textos Graduados, ano 1, n.º 1. Publicação dos estudantes de graduação em Ciências Sociais da Universidade de Brasília. Brasília.

MARTINS, José de Souza. 1997. Fronteira: A degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Editora

Hucitec.

MAUSS, Marcel. 1973 (1ª edição 1938). “Une Catégorie de l”ŸEsprit Humain: La notion de personne, celle de „moi”Ÿ.”

In: Sociologie et Anthropologie. Paris: Presses Universitaires de France.

MAYBURY-LEWIS, David. 1984 (1ª edição 1974). A Sociedade Xavante. RJ: Francisco Alves.

MELATTI, Júlio C. 1979. “Pólos de Articulação Indígena”. In: Revista de Atualidade Indígena. Ano III, n.º 18,

Brasília (:17-28)

MYERS, Fred. 1986. “The Politics of Representation: anthropological discourse and Australian aborigines”. In:

American Ethnologist, 13: 138-153.

NOVAES, Sylvia Caiuby. 1993. Jogo de Espelhos: Imagens da representação de si através dos outros. São Paulo:

EDUSP.

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. 1981. “A difícil etnografia de uma tribo em mudança”. In Anuário

Antropológico/79. RJ: Tempo Brasileiro.

-------------------------------------------. 1988. Cap. I “Os Obstáculos ao Estudo do Contato”. In: O Nosso Governo: os

Ticuna e o Regime Tutelar. SP, Brasília: Marco Zero/MCT-CNPq.

------------------------------------------. 1994. “Os Instrumentos de Bordo: Expectativas e possibilidades do trabalho do

antropólogo em laudos periciais.” In: SILVA, Orlando S.; LUZ, Lídia e HELM, Cecília Maria Vieira (orgs.)

A Perícia Antropológica em Processos Judiciais. Florianópolis: Associação Brasileira de Antropologia,

Comissão Pró-Ãndio de São Paulo e Editora da UFSC.

------------------------------------------. (s/d). “Perícias sobre Terras Indígenas: Romantismo, negociação política ou

aplicação da antropologia?”. (mimeo)

------------------------------------------. 1998. “Uma etnologia dos „índios misturados”Ÿ? Situação colonial, territorialização

e fluxos culturais”. MANA: ESTUDOS DE ANTROPOLOGIA SOCIAL, 4/1, PPGAS-MN-UFRJ.

OLIVEIRA JR., Adolfo Neves de. 1997a. Povos Tradicionais Não-Indígenas no Brasil: Formação e Perspectivas.

Brasília, Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. (mimeo)

------------------------------------------. 1997b. “Pensando o Futuro dos Povos Indígenas: A Identificação de Terras

Indígenas Enquanto Processo Dialógico”. Intervenção escrita quando do seminário PPTAL sobre

identificação e delimitação de Terras Indígenas, 23 a 25 de julho de 1997.

------------------------------------------. 1997c. “A Invisibilidade Imposta e a Estratégia da Invisibilização Entre Negros e

Ãndios: Uma Comparação”. Comunicação apresentada no V Congresso Afro-Brasileiro, realizado em Salvador,

de 17 a 20 de agosto de 1997.

PAINE, Robert. 1996. Aboriginality and Authenticity - a confoundment. Comunicação apresentada no ciclo de

conferências Genuine Natives: Predicaments of Aboriginality in the Modern World, promovido pelo

DAN/UnB, de 22 a 26 de abril de 1996.

------------------. 1997. “Multiculturalism & Minority Groups: From theory to practice.” Paper mimeografado. Hebrew

University of Jerusalem, June 24-26, 1997.

RAMOS, Alcida R. 1990. “Ethnology Brazilian Style”. In: Cultural Anthropology 5(4). American Anthropological

Association: 452-472.

-----------------------. 1995. “Seduced and Abandoned: The taming of Brazilian Indians”. Série Antropologia, nº 175.

Brasília: DAN/UnB.

------------------------. 1997. “Convivência Interétnica no Brasil. Os Ãndios e a Nação Brasileira”. Série Antropologia,

nº 221. Brasília: DAN/UnB.

------------------------. 1998. Chapter 9: “Legal Weapons of Conquest” (: 360-388). In: Indigenism: Ethnic Politics in

Brazil. (mimeo ”“ a ser publicado nos EUA)

RIBEIRO a, Darcy. 1977. Os Ãndios e a Civilização: A Integração das Populações Indígenas no Brasil Moderno. 2ª ed, Vozes, Petrópolis.

RIBEIRO b, Gustavo Lins. 1993. “Ser e Não Ser - Explorando Fragmentos e Paradoxos das Fronteiras da Cultura”.

Série Antropologia nº 141. Brasília: DAN/UnB.

-------------------------------. 1998. “O que faz o Brasil, Brazil. Jogos Identitários em San Francisco”. Série

Antropologia nº 237. Brasília: DAN/UnB.

SANTOS, Ana Flávia Moreira. 1997. Do Terreno dos Caboclos do Sr. São João à Terra Indígena Xakriabá.

Dissertação de mestrado apresentada ao PPGAS/UnB. Brasília.

SEEGER, Anthony; DA MATTA, Roberto & VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1979. “A construção da pessoa

nas sociedades indígenas brasileiras”. In: Boletim do Museu Nacional, 32, RJ.

TAYLOR, Charles. 1994. “The Politics of Recognition”. In: A. GUTTMANN (org.) Multiculturalism: Examining the

Politics of Recognition. Princeton: Princeton University Press.

WEAVER, Sally M. 1984. “Struggles of the Nation-State to Define Aboriginal Ethnicity: Canada and Australia.” In:

PAINE, Robert (ed.) Minorities and Mother Coutry Imagery. St. John”Ÿs: ISER. (182-210)

WOLF, Eric. 1970 (1ª edição 1966). “O Campesinato e Seus Problemas”. In: Sociedades Camponesas. RJ: Zahar

Editores.

WOORTMANN, Klaas. 1990. “Com Parente Não se Neguceia: O Campesinato como Ordem Moral.” In: Anuário Antropológico/87. RJ: Ed UnB/Tempo Brasileiro.

Downloads

Publicado

2013-12-20

Como Citar

SILVA, C. T. da. Estudo sobre a situação histórica e a identificação étnica dos tapuios do Carretão/Goiás. Revista de Estudos em Relações Interétnicas | Interethnica, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 1–73, 2013. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/interethnica/article/view/11521. Acesso em: 20 jun. 2021.

Edição

Seção

Teses, dissertações e monografias

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)