Alargar a Concepção de Ciência é Construir Pontes ou Abismos? Sobre a Filosofia da Ciência de Passeron

Autores

  • Juliana de Orione Arraes Fagundes Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, UESB

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v8i1.30425

Palavras-chave:

Passeron, Epistemologia das Ciências Humanas, Popper

Resumo

Jean-Claude Passeron observa que os critérios do normativismo de Popper não podem ser aplicados às ciências sociais, mas apenas às ciências naturais. Nesse sentido, propõe um alargamento da concepção de ciência e de racionalidade para que as ciências sociais sejam incluídas. Porém, a partir de uma crítica mais ampla a Popper, este trabalho objetiva argumentar que ciências da natureza e humanas compartilham de dificuldades e soluções epistemológicas, não estando assim tão distantes. Além disso, pretende-se olhar para outra possibilidade de abordagem da questão, a partir da aceitação de diferentes formas de descrição de uma mesma realidade. Afinal, talvez a meta de incluir as ciências humanas no rol das ciências tenha uma abordagem mais simples do que tem parecido a Passeron.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliana de Orione Arraes Fagundes, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, UESB

Professora do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (DFCH/UESB). Doutora em Filosofia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Possui mestrado, licenciatura e graduação em filosofia pela Universidade de Brasília (UnB). Membro do núcleo estruturante do GT de Filosofia da Mente da ANPOF. 

Referências

ARRUDA, J. M. “Verdade, interpretação e objetividade em Donald Davidson”. Veritas. Porto Alegre, 2005, v. 50, n. 1, p. 137-154, mar. 2005.
CAMPBELL, D. “Blind variation and selective retention in creative thought as in other knowledge processes”. Psychological Review, v. 67, n. 6, p. 380-400, 1960.
CHALMERS, A. O que é ciência afinal? Tradução de Raul Filker. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.
DENNETT, D. Consciousness Explained. Londres: Penguin Books, 1991.
_______. A Perigosa Ideia de Darwin: a evolução e os significados da vida. Tradução de Talita M. Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
_______. Intuition Pumps and other tools for thinking. New York; London: W. W. Norton & Company, 2013.
GÓMEZ-TORRENTE, M. “Alfred Tarski”. ZALTA, E. (Ed.). The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Spring 2015 edition). Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/spr2015/entries/tarski/. Acesso em 5 jan. 2017.
GOULD, S. J.; LEWONTIN, R. C. “The Spandrels of San Marco and the Panglossian Paradigm: A critique of the adaptationist programme”. Proceedings of the Royal Society of London, v. 205, n. 1161, p. 581-598, 1979.
HAACK, S. Filosofia das Lógicas. Tradução de César Augusto Mortari e Luiz Henrique de Araujo Dutra. São Paulo: Editora UNESP, 2002.
HUANG, Y. Dictionary of Pragmatics. Oxford: Oxford University Press, 2015.
KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.
LACOUR, P. “Critique de la raison symbolique et philosophie transcendantale”. In: _______. La nostalgie de l’individuel: essai sur le rationalism pratique de G. G. Granger. Paris: Libraire Philosophique J. Vrin, 2012.
_______. O conhecimento clinico: do desafio às modalidades. (Notas de aula da disciplina de Tópicos especiais de Epistemologia do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UnB. 2016. Inédito).
LAKATOS, I. Falsificação e a metodologia dos programas de investigação científica. Tradução de Emilia Picado Tavares Marinho Mendes. Lisboa: Edições 70, 1977.
LECLERC, A. “Linguagem e natureza na gramática universal clássica”. In: MONTENEGRO, M. A.; PINHEIRO, C.; AZEVEDO, I. (Org.) Natureza e Linguagem na Filosofia. Fortaleza: Editora da UFC, 2008, pp. 13-35.
_______. “Princípios para uma semântica das línguas naturais: os clássicos e o novos”. Perspectiva Filosófica. Recife, 2009, v. 11, n. 30, p. 11-33, fev. 2008 ”“ jan. 2009.
PASSERON, J. C. O raciocínio sociológico: O espaço não-popperiano do raciocínio natural. Tradução de Beatriz Sidou. Petrópolis: Vozes, 1995.
PEREBOOM, D. “Kant’s transcendental arguments”. ZALTA, E. (Ed.). The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Fall 2014 edition). Disponível em : https://plato.stanford.edu/entries/kant-transcendental/. Acesso em 18 jan. 2917.
POPPER, K. A miséria do historicismo. Tradução de Octany S. da Mota e Leonidas Hegenberg. São Paulo: EDUSP, 1980.
_______. “A evolução e a árvore do conhecimento”. In: _______. Conhecimento Objetivo. Tradução de Milton Machado. Belo Horizonte: Itatiaia, 1992, p. 234-56.
_______. A lógica da pesquisa científica. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny Silveira da Mota. 16ª edição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

Downloads

Publicado

2020-09-20

Como Citar

FAGUNDES, J. de O. A. . Alargar a Concepção de Ciência é Construir Pontes ou Abismos? Sobre a Filosofia da Ciência de Passeron. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 307–323, 2020. DOI: 10.26512/rfmc.v8i1.30425. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/30425. Acesso em: 17 set. 2021.