A Universidade e o Pensamento Autoritário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v7i3.28289

Palavras-chave:

Marilena Chaui, pensamento autoritário, sociedade autoritária, universidade

Resumo

Existe uma forma particular de pensamento autoritário? A partir dessa questão nos propomos a retomar algumas considerações da filósofa Marilena Chaui em que ela não somente responde afirmativamente à pergunta como apresenta uma descrição do funcionamento específico dessa forma de pensar. A nosso ver, hoje, no Brasil, o enfrentamento dessa forma de pensamento, que tem consequências imediatas para a prática política, constitui-se num dos maiores desafios da universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Homero Santiago, Universidade de São Paulo, USP

Possui graduação em Filosofia pela Universidade de São Paulo(1997), mestrado em Filosofia pela Universidade de São Paulo(2000), doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo(2003), ensino-fundamental-primeiro-grau pela E.E.P.G. Profa. Celda Mello de Oliveira(1988), ensino-fundamental-primeiro-grau pela Escola do Sítio do Pica-Pau Amarelo(1982), ensino-fundamental-primeiro-graupela E.E.P.G. Leopoldo Gentil Júnior(1986), ensino-fundamental-primeiro-graupela E.E.P.S.G. Pres. Franklin D. Roosevelt(1981), ensino-medio-segundo-graupela E.E.P.S.G. Cel. Francisco Schmidt(1990) e ensino-medio-segundo-grau pela E.E.P.S.G. de Urubupungá(1991). Atualmente é Professor Associado da Universidade de São Paulo, Membro de corpo editorial da Revista Conatus, Revisor de periódico da Cadernos de Ética e Filosofia Política (USP), Revisor de periódico da Cadernos Espinosanos (USP), Membro de corpo editorial da Revista Exagium, Colaborador da Autêntica Editora, Colaborador da Autêntica Editora e Membro de corpo editorial da Giornale critico di storia delle idee. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia. Atuando principalmente nos seguintes temas:Servidão, Liberdade, Possível, Determinação.

Referências

AZEVEDO, R. “Uma entrevista com Olavo de Carvalho”. Entrevista realizada por Karla Correia. Blog Reinaldo Azevedo, 27/02/2017; disponível em: https://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/uma-entrevista-com-olavo-de-carvalho/ [acessado em 06/11/2019]

BURGIERMAN, D. R. “O artista da ofensa”. Época, Rio de Janeiro, n. 1080, 18/03/2019, pp. 48-81.

CÂNDIDO, A. “Dialética da malandragem (caracterização das Memórias de um sargento de milícias)”. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 8, 1970, pp. 67-89; disponível em: http://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/69638

CHAUI, M. “Apontamentos para uma crítica da Ação Integralista Brasileira”. In: M. Chaui, M.S.C. Franco. Ideologia e mobilização popular. São Paulo: Paz e Terra, 1978.

_____. “Apontamentos para uma crítica da Ação Integralista Brasileira”. In: M. Chaui. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Belo Horizonte: Autêntica, 2013, pp. 11-116.

_____. “Cultura popular e autoritarismo”. In: M. Chaui. Manifestações ideológicas do autoritarismo brasileiro. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Belo Horizonte: Autêntica, 2013b, pp. 257-286.

_____. “O poder político da amizade”. In: M. Chaui. Contra a servidão voluntária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo; Belo Horizonte: Autêntica, 2014, pp. 11-19.

ESPINOSA, B. Ética demonstrada em ordem geométrica. São Paulo: Edusp, 2015.

SCHWARZ, R. “As ideias fora do lugar”. In: R. Schwarz. Ao vencedor as batatas. Forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. São Paulo: Duas Cidades, Ed. 34, 2000, pp. 11-31.

Downloads

Publicado

2020-01-26

Como Citar

SANTIAGO, H. A Universidade e o Pensamento Autoritário. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, [S. l.], v. 7, n. 3, p. 47–70, 2020. DOI: 10.26512/rfmc.v7i3.28289. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/fmc/article/view/28289. Acesso em: 19 abr. 2021.