O Currículo como Forma

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/rfmc.v7i3.28225

Palavras-chave:

Currículo, Forma, Estética, Política, Educação

Resumo

Desenvolvemos nesse artigo um debate no campo da teoria do currículo. Partimos da perspectiva de que o currículo não é apenas um cardápio de conteúdo a ser transmitido, mas uma forma. Com isso, provocamos um novo lugar do currículo vinculado aos campos de luta tão próprios à educação. Significa, pois, pensar o currículo como parte de relações políticas e estéticas. Isto é, o currículo é efeito de poder, território de disputas, mas também espaço para uma forma de vida, estética de existência. Com isso, compreende-se nas lutas políticas, seus elementos estéticos e educacionais. Mas também, não há movimento educacional sem bases no caldo de movimentos político e cultural. Nesse sentido, o artigo contraria o reflexo imediato de pensar o currículo a partir do seu conteúdo. Provocamos a pensar o currículo como forma, possibilidade de uma arquitetura para uma nova forma social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio Carneiro, Universidade Federal do ABC, UFABC

Professor Adjunto do curso de Licenciatura em Filosofia do CCNH/UFABC e dos programas de Mestrado Profissional e Acadêmico em Filosofia da UFABC. Atualmente desenvolve pesquisa no projeto "Política Educacional na Rede Estadual Paulista", financiado pela FAPESP (Processo 2018/09983-0).

Referências

ARENDT, Hannah. “A Crise na Educação”. In. ARENDT, Entre o Passado e o Futuro, trad. Mauro Barbosa, São Paulo: Perspectiva, 2016, p. 221-247.

ADORNO, Theodor. “O Ensaio como Forma”. In: ADORNO, T., Notas de literatura – I, trad. Jorge de Almeida, São Paulo: Livraria Duas Cidades, Editora 34, 2003, pp. 15-46

CAMPOS, Antonia et al. Escolas de luta, São Paulo: Veneta, 2016.

CARNEIRO, Silvio. “A estética como crítica: um debate entre Marcuse e Foucault”. In: CD-Rom III Colóquio Nacional Michel Foucault, Política – Pensamento e Ação”, também disponível em: https://www.academia.edu/10812744/A_Est%C3%A9tica_como_Cr%C3%ADtica_Um_Debate_entre_Marcuse_e_Foucault. Visitado em 14/11/2019)

CHAUI, Marilena. Em Defesa da Educação Pública, Gratuita e Democrática. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: História da Violência das Prisões, trad. Raquel Ramalhete, 14ª Edição, Petrópolis: Editora Vozes, 1977.

KELLNER, Douglas et al. Marcuse´s Challenge to Education, New York: Rowman & Littlefield Publishers, 2009.

MARCUSE, Herbert. An Essay on Liberation, Boston: Beacon Press, 1969.

_______. Art and Liberation – Collected Papers of Herbert Marcuse (vol. 4), London, New York: Routledge, 2007.

MASSCHELEIN, Jan & SIMONS. Em Defesa da Escola: Uma Questão Pública, Belo Horizonte: Autêntica, 2ª Edição, 2007.

SANTOS, Boaventura de Sousa & ALMEIDA Fo., Naomar. A universidade do século XXI: Para uma Universidade Nova, Coimbra: Outubro 2008.

SILVA, Franklin Leopoldo e. Universidade, Cidade, Cidadania. São Paulo: Hedra, 2014.

SILVA, Tomás Tadeu da. O Currículo como Fetiche: a Poética e a Política do Texto Curricular, Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

_______. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo, 3ª Edição, Belo Horizonte: Autêntica, 2014b).

Publicado

2020-01-26

Como Citar

CARNEIRO, S. O Currículo como Forma. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 7, n. 3, p. 71-83, 26 jan. 2020.