A “ressurreição da alma cabana”: as passeatas de protesto contra o Eixo na Belém da Segunda Guerra

Autores

  • Geraldo Magella de Menezes Neto UFPA

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i23.14865

Palavras-chave:

Passeatas. Protestos. Segunda Guerra Mundial.

Resumo

Há 70 anos a população brasileira saiu às ruas em várias cidades do país para protestar. O estopim para tal foram os afundamentos dos navios mercantes brasileiros pelos países do Eixo, especialmente da Alemanha e da Itália. As primeiras passeatas ocorreram em Belém do Pará, em fevereiro de 1942, seguidas de várias outras até o mês de agosto, quando o Brasil declara o estado de guerra. Nesse sentido, o artigo pretende analisar as passeatas de protesto contra o Eixo em Belém, para entender como aconteciam, quais seus participantes, os seus alvos, as suas finalidades e os seus significados no contexto da Segunda Guerra Mundial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERTI, Verena. “Histórias dentro da História”.In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

ARAUJO, Maria Celina D”Ÿ. O Estado Novo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2000.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

CYTRYNOWICZ, Roney. Guerra sem guerra: a mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial. São Paulo: Geração Editorial; EDUSP, 2000.

DALMOLIN, Cátia Regina Calegari. Em nome da Pátria: as manifestações contra o Eixo em Santa Maria, no dia 18 de agosto de 1942. Dissertação (Mestrado em História) -Universidade de Passo Fundo”“UPF, Passo Fundo,2006.

FALCÃO, João. O Brasil e a segunda guerra mundial: testemunho e depoimento de um soldado convocado. Brasília: Editora da UNB, 1999.

FERRAZ, Francisco César. Os brasileiros e a Segunda Guerra Mundial. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

FONTES, Edilza Joana de Oliveira. O pão nosso de cada dia: trabalhadores e indústria da panificação e a legislação trabalhista (Belém 1940-1954). Belém: Paka-Tatu, 2002.

FONTES, Edilza Joana de Oliveira. “A batalha da borracha, a imigração nordestina e o seringueiro: A relação história e natureza”. In: NEVES, Fernando Arthur de Freitas e LIMA, Maria Roseane Pinto (orgs.). Faces da História da Amazônia. Belém: Paka-Tatu, 2006.

HOBSBAWM, Eric. Rebeldes primitivos: estudos sobre formas arcaicas de movimentos sociais nos séculos XIX e XX.Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KIMURA, Rosangela. Perigo amarelo. Revista de História da Biblioteca Nacional. Ano 2, n. 20, Maio de 2007, pp. 26-27.

LENHARO, Alcir. Sacralização da política. Campinas: Papirus, 1986.

MENEZES NETO, Geraldo Magella de. A Segunda Guerra Mundial nos folhetos de cordel do Pará. 82 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) -Universidade Federal do Pará -UFPA, Belém, 2008.

MIRANDA, Antônio Batista de. Guerra: memórias... destino... . Belém: Evolution, 1998.

MÜLLER, Angélica. Alunos fora do Eixo. Revista de História da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro, ano 2, n.20, Maio de 2007, pp. 18-21.

PAMPLONA, Marco. A historiografia sobre o protesto popular: uma contribuição para o estudo das revoltas urbanas.Estudos Históricos. Rio de Janeiro, n. 17, 1996, pp. 215-238.

PINON, Alerrandson Afonso Melo. Belém durante a Segunda Guerra Mundial: problemas de alimentação, energia elétrica e transporte (1939-1945). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) -Universidade Federal do Pará -UFPA, Belém, 2007.

RICCI, Magda. Cabanagem, cidadania e identidade revolucionária: o problema do patriotismo na Amazônia entre 1835 e 1840. Tempo.vol.11,n. 22,Niterói,2007, pp. 5-30.

RODRIGUES, Venize Nazaré Ramos. “Memórias de guerra”. In: FARES, Josebel Akel (org.). Memórias da Belém de antigamente. Belém: EDUEPA, 2010, pp. 207-215.

RUBEN, Guillermo Raúl. O que é nacionalidade. São Paulo: Brasiliense, 1984.

RUDÉ, George. A multidão na história: estudo dos movimentos populares na França e na Inglaterra, 1730-1848. Rio de Janeiro: Campus, 1991.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em branco e negro:jornais, escravos e cidadãos em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SEITENFUS, Ricardo. O Brasil vai à guerra: o processo do envolvimento brasileiro na Segunda Guerra Mundial. 3 ed. Barueri ”“SP: Manole, 2003.

SILVA NETO, Francisco Rodrigues da. Os japoneses no Pará: um estudo sobre a construção de identidades. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais)”“Universidade Federal do Pará ”“UFPA, Belém,2007.

SIMÕES, Adrialva. De pé pela honra do Brasil: o papel da imprensa paraense na divulgação da Segunda Guerra Mundial (1942-1945). Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) -Universidade Federal do Pará -UFPA, Belém, 1993.

ZAGO, Denise. Nacionalismo e nacionalização no Brasil. Revista Semina, vol. 4, n. 1, Universidade de Passo Fundo, 2006, pp. 1-8.

Downloads

Publicado

2013-12-17

Como Citar

NETO, G. M. de M. A “ressurreição da alma cabana”: as passeatas de protesto contra o Eixo na Belém da Segunda Guerra. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 23, 2013. DOI: 10.26512/emtempos.v0i23.14865. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14865. Acesso em: 4 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos