O Cronotopo nas imagens da pobreza em Dostoiévski

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/cerrados.v31i58.41655

Palavras-chave:

Cronotopo, Bakhtin, Gógol, Dostoiévski

Resumo

O ensaio busca seguir as linhas de fuga traçadas por Bakhtin em Problemas da Obra de Dostoiévski e a seguir na sua reformulação em Problemas da Poética de Dostoiévski, quando Bakhtin, ao ressaltar como peculiar na poética daquele autor, revela o caráter de ideólogo das suas personagens. Como um centro de valor humano que toma consciência de si e do mundo, o herói de Gente Pobre, Makar Dievúchkin, trava diálogo ativo com uma obra de Gógol, O capote, mas vai além, não só superando a condição mortificadora da personagem de Gógol, mas afigurando, em sua própria tomada de consciência, a própria pobreza enquanto fruto da divisão social na Rússia dos anos 1840. Neste ensaio, buscamos fazer uso da noção de Cronotopo, em Mikhail Bakhtin, empreendendo uma leitura das séries espaciais, temporais e semânticas das imagens de Dostoiévski, revelando a sua construção estética enquanto o valor de uma vida humana, um homem pobre, em relação ativa de tomada de consciência de si e de seu mundo. As imagens do frio, dos casacos e seus botões, da repartição pública em São Petersburgo, das salas e dos corpos foram os elementos centrais nos quais articulamos cronotopicamente a cena, em Dostoiévski, encontrando uma leitura possível e bakhtiniana de sua poética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marisol Barenco de Mello, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Petrópolis (1990), mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (1998) e doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2003). Atualmente é professor associado da Universidade Federal Fluminense. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil e Alfabetização, atuando principalmente nos seguintes temas: educação infantil, educação e cultura, contexto e cognição, alfabetização e linguagem. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas ATOS UFF, onde desenvolve estudos relacionados ao Círculo de Bakhtin.

Referências

BAKHTIN, M. Questões de Literatura e de Estética: a teoria do romance. São Paulo, Brasil, Hucitec, 2002.

BAKHTIN, M. O homem ao espelho: apontamentos dos anos 1940. Trad. do italiano de Marisol Barenco de Mello e Maria Letícia Miranda. 2.ed. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020.

BAKHTIN, M. Problemas da Poética de Dostoiévski. Trad. do russo de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro, Brasil, Forense Universitária, 2013.

DOSTOIÉVSKI, F. Gente Pobre. Trad. de Fátima Bianchi. São Paulo, Brasil, Ed.34, 2011.

GÓGOL, N. O Capote. Trad. de Roberto Gomes. Porto Alegre, Brasil, L&PM, 2008.

MORSON, G. S. O Cronotopo da Humanicidade: Bakhtin e Dostoiévski. In: Bemong, N. et al. Bakhtin e o Cronotopo: reflexões, aplicações, perspectivas. São Paulo, Brasil, Parábola Editorial, 2015.

PONZIO, A. O Cronotopo na Obra de Bakhtin. In: Palavras e Contrapalavras: circulando pensares do Círculo de Bakhtin. São Carlos, Brasil, Pedro & João Editores, 2013.

PONZIO, A. A Revolução Bakhtiniana: o pensamento de Bakhtin e a ideologia contemporânea. São Paulo, Brasil, Contexto, 2009.

PONZIO, L. Visioni del Texto. Lecce, Pensa MultiMedia Editore, 2016.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. do russo de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo, Brasil, Ed.34, 2017.

Downloads

Publicado

31-05-2022

Como Citar

Barenco de Mello, M. (2022). O Cronotopo nas imagens da pobreza em Dostoiévski. Revista Cerrados, 31(58), 97–111. https://doi.org/10.26512/cerrados.v31i58.41655

Edição

Seção

Dossiê - DOSTOIEVSKI: 200 anos