Mapeando o ponto de vista Kaiabi

mudança Identidade e agência

Autores

  • Lea Tomass

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

Em I Foresee my life, Suzanne Oakdale apresenta a etnografia de sua pesquisa de doutorado, realizada em 1992, com os Kaiabi, povo tupi-guarani que vive no Parque Indígena Xingu. O recorte metodológico toma como “autobiográficas” as narrativas de lideranças indígenas veiculadas em três eventos rituais: discursos políticos, pajelança curativa e cantos do ritual jowosi, originalmente ligado à guerra. Seu objetivo é cruzar as narrativas com uma abordagem que enfatiza as mudanças históricas, a fim de explorar a idéia de agencialidade construída na interação entre valores específicos de uma dada sociedade e a consciência histórica. As narrativas são interpretadas como “modelos” de comportamentos que revelam aos expectadores/ participantes alternativas diferenciadas de pensamento e ação para lidar com situações contemporâneas alheias à sua tradição. Se, por um lado, tais pontos de vista geram diferentes ideologias de agência em uma sociedade em mudança, por outro, convergem para revelar características da noção de pessoa masculina. As narrativas dos líderes indígenas sobre suas experiências pessoais com a alteridade (brancos, espíritos e outros grupos étnicos) expressariam um censo coletivo de identidade, resultado da orquestração de diferentes vozes emitidas a partir de posicionamentos sociais diversos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

GRÜNBERG, Georg. [1970] 2000. Os Kaiabi do Brasil Central, história e etnografia. São Paulo: instituto Socioambiental. 299 p.
MEL1Á, Pe. Bartolomé. 1993. Os Caiabi Nao-Xinguanos. Karl Von Den Steinen: um século de antropologia no Xingu. COELHO PENTEADO, Vera (Org.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. p. 485-509.
MENEZES BASTOS, Rafael de. 1995. Indagação sobre os Kamayura, o Alto Xingu e outros nomes e coisas: uma etnologia da sociedade xinguara. Anuário Antropológico/94, Brasília, p. 227-269.
SENRA, Klinton. 1996. Relatório sobre o Levantamento dos Sistemas de Produção da A ld e ia Capivara, Etnia Kayabi. Parque Indígena Xingu, MT. São Paulo: Instituto Socioambiental/Programa Xingu, setembro/dezembro - 1996. 50 p. ( Mimeografado).
________. 1999a. Relatório Antropológico. Identificação da Terra Indígena Batelão - Etnia Kayabi. Rio de Janeiro: FUNAI. 160 p.
________ . 1999b. Verbete Kaiabi. Enciclopédia Povos Indígenas do Brasil. Instituto Socioambiental. Disponível: <http://www.socioambiental.org/pib/epi/kaiabi/>.
TRAVASSOS, Elizabeth. 1984, Xamanismo e música entre os Kaiabi. (Dissertação de Mestrado) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Museu Nacional/UFRJ: Rio de Janeiro. 357 p.
________. 1993. A tradição guerreira nas narrativas e nos cantos Caiabis. Karl Von Den Steinen. um século de Antropologia no Xingu. In: COELHO PENTEADO, Vera (Org ). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. p. 445-484.
OAKDALE, Suzanne. 2005. I Foresee my life. The ritual performance o f autobiography in an Amazonian Community. University of Nebraska Press: Lincoln and London. 206 p.

Downloads

Publicado

2018-02-20

Como Citar

Tomass, Lea. 2018. “Mapeando O Ponto De Vista Kaiabi: Mudança Identidade E Agência”. Anuário Antropológico 31 (1):229-35. https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6939.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.