A “categoria da causalidade” na formação da antropologia

Autores

  • Roberto Cardoso de Oliveira

Palavras-chave:

Antropologia

Resumo

A causalidade é um tema tradicional na filosofia, na epistemología e na história das ciências. Sua importância, no entanto, não desfalece em nenhuma dessas áreas do conhecimento, a se julgar pela extensa bibliografia moderna a respeito.2 Num ensaio como este, em que não se pretende entrar em nenhuma dessas áras per se, senão apenas delas lançando mão em nome de uma adequada construção de nosso objeto de estudo, a abordagem da questão da causalidade será feita de dentro da antropologia social, particularmente em sua tradição empirista, tal como ela se atualiza na vertente anglo-saxã da disciplina, na chamada Escola Britânica de Antropologia Social. Este ensaio tem muito a ver com um trabalho anterior3 por meio do qual buscávamos equacionar a questão das “ categorias do entendimento” no interior de uma outra tradição da antropologia ”” a tradição racionalista ”” e seu exercício na vertente francesa da disciplina. Naquela oportunidade, como agora, o intuito é o mesmo: o de dar conta de momentos cruciais de constituição da antropologia social; e esses momentos a marcaram de tal forma que se torna necessário recuperá-los para uma cabal compreensão do teor do conhecimento por ela produzido. O momento ao qual nos referimos com relação à tradição empirista da antropologia social é o da programação da disciplina, visualizada como ciência obediente a determinados parâmetros que a legitimariam enquanto tal. Isso significa que se procurará resgatar aqui uma sorte de “ cultura científica” (para usarmos uma expressão cara aos antropólogos) ou “ tradição” (noção igualmente cara aos hermeneutas) para interpretá-las à luz do próprio movimento histórico da disciplina, de suas origens até sua consolidação, alcançada no período que mediou as duas Grandes Guerras no espaço acadêmico britânico. Vale dizer que o nosso enfoque na “ categoria da causalidade” nada tem a ver com uma busca de identificação de categorias ontológicas correntes em sistemas filosóficos de tipo aristotélico ou kantiano; ao contrário, o que temos procurado tem sido simplesmente tangenciar as filosofias eventualmente presentes nas diferentes tradições de saber ”” no caso em foco, a tradição empirista ”” dedicando-nos a discernir exclusivamente aquelas categorias que, na feliz expressão de Durkheim, são “ conceitos eminentes do espírito” e, como tais, constituem “ a ossatura da inteligência” . (Cardoso de Oliveira, 1983: 130-4). No que tange o empirismo “primitivo” ,4 a causalidade parece ser uma dessas categorias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

BRUNSCHVICG, L. L'Experience Humaine et la Causalité Physique. Paris: Presses Universitaires de France. 1949.
CARDOSO DE OLIVEIRA, R. As “categorias do entendimento” na formação da Antropologia, Anuário Antropológico/81. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1983.
------------------. W. H. R. Rivers. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Editora Atica (no prelo).
CARNAP, R. Le Problème de la Logique de la Science. Paris: Hermann S. Cie, Editeurs. 1935.
DOUGLAS, C. John Stuart Mill: A Study of his Philosophy. Londres: William Blackwood and Sons. 1895.
DUMONT, L. La Communauté antropologique et I’ldeologie, L’Homme, vol. 18, n.°s 3/4, 1978.
DURHAM, E. R. A Reconstituição da Realidade: Urn Estudo sobre a Obra Etnográfica de Bronislaw Malinowski. São Paulo: Editora Atica. 1978.
ENRIQUES, F. Signification de l’Histoire de la Pensée Sdentifique. Paris: Hermann S. Cie, Editeurs. 1934.
FIRTH, R. Social Organization and Social Change, The Journal of the Royal Anthropological Institute, vol. 84, 1954.
-------------- . Some Principles of Social Organization, The Journal of the Royal Anthropological Institute, vol. 85, 1955.
------------------. Man and Culture: An Evolution of the Work of Bronislaw Malinowski. Londres: Routledge & Kegan Paul. 1957.
GUSDORF, G. introduction anx Sciences Humaines: Essai Critique sur leurs orígenes et leur développement. Paris: Editions Ophrys. 1974.
HABERMAS, J. Conhecimento e Interesse. Rio de Janeiro: Zahar Editora S.A. 1982.
KILLICK, A. H. The Student's Handboock Synoptical and Explanatory of Mill’ System of Logic. Londres: Longmans, Freen and Co. 11.» edição, 1891.
KUHN, T. The Essential Tension: Selected Studies in Scientific Tradition and Change. Chicago: University of Chicago Press. 1977.
”” ------------- . The Structure of Scientific Revolutions. Second edition, enlarged. Chicago: University of Chicago Press, (trad, brasileira, Editora Perspectiva, 1975). 1970,
KUPER, A. Antropólogos e Antropologia. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves Editora S.A. 1978.
LEACH, E. Rethinking Anthropology. Londres: The Athlone Press, (trad, brasileira, Editora Perspectiva, 1974). 1961.
LEAF, M. J. Man, Mind, and Science. Nova Iorque: Columbia University Press. 1979.
LÉVI-STRAUSS, C. Compte rendu de: R. Firth, Man and Culture: An Evaluation of the Work of B. Malinowski, Africa. 1958.
LBVY-BRUHL, L. “Introduction” a Lettres inédites de John Stuart Mill à Auguste Comte. Paris: Felix Alcan. 1899.
LEVY JR., Marion J. The Structure of Society. Nova Jersey: Princeton University Press. 1952.
MELATTI, J. C. Radcliffe-Brown. Coleção Grandes Cientistas Sociais. São Paulo: Editora Atica. 1978.
MILL, J. Stuart. John Stuart Mill: A Logical Critique of Sociology (Edited and with and introdictory essay by Ronald Fletcher). Londres: Michael Joseph. 1971.
PALUCH, A. K. The Polish Background to Malinowski's Work, Man. vol. 16, n.° 2. 1981.
RADCLIFFE-BROWN, A. R. On the concept of function in Social Science, American Anthropologist, vol. 37. 1935.
------------------. On Social Structure, The Journal of the Royal Anthropological Institute, vol. 70. 1940.
----------------- . A Natural Science of Society. Glencoe: The Free Press, (1* ed. 1948). 1957.
----------------- . “The Study of Social Institutions", with a letter in reply by W.H.R. Rivers and an introduction by Meyer Fortes, Cambridge Anthropology ”” A Journal of the Department of Social Anthropology, Cambridge University, vol. 3, n.° 3, s/d.
RIVERS, William H. R. Survival in Sociology, The Sociological Review, vol. VI. 1913.
------------------. Sociology and Psychology, Sociological Review, reeditado in R. Slobodin, 1978. [1916],
----------------- . Psychology and Ethnology. Edited with a preface and Introduction by G. Elliot Smith. Londres: Kegan Paul. Trench, Triibner. 1926.
------------------. Social Organization. (Edited by W. J. Perry. Second Impression- Revised). Londres: Kegan Paul, Trench, Triibner S. Co. Ltd. (1.*ed. 1924). 1929.
RYAN, A. J. S. Mill. Boston: Routledge & Kegan Paul. 1974.
SCHLICK, M. Sur le Fondement de la Connaissance. Paris: Humann S. Cie, Éditeurs. 1935.
SEARLE, J. R. Intentionality: An Essay in Philosophy of Mind. Nova Iorque: Cambridge University Press. 1983.
SLOBODIN, Richard. W. H. R. Rivers. Nova Iorque: Columbia University Press. 1978.
SREDIANAWA, B. The Anthropologist as a young physicist: Bronislaw Malinowski’s apprenticeship, ISIS: An International Review Devoted to the History of Science and Its Cultural Influences, vol. 72, n.° 264. 1981.
STEBBING, W. Analysis of Mr. Mill’s System of Logic. Londres: Longmans. Green and Co., 1865.
STRENSKI, I. Malinowski: second positivism, second romanticism. Man, vol. 17, n.° 4. 1982.
8YMMONS-SYMONOLEWICZ, K. Bronislaw Malinowiski: An Intelectual Profile, The Polish Review, vol. Ill, n.° 4. 1958.
TAINE, H. Le Positivism# Anglais: Étude sur Stuart Mill. Paris: Gerner Baillière. 1864.
TEGGART, P. J. Theory and Process of History. Berkeley: University of California Press. 1977.
WEINBERG, J. R. Examen del Positivismo Lógico. Madrid: Aguilar. 1959.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

de Oliveira, R. C. (2018). A “categoria da causalidade” na formação da antropologia. Anuário Antropológico, 8(1), 11–52. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6299

Edição

Seção

Ensaios bibliográficos