Fé na ciência? Como as famílias de micro viram a ciência do vírus Zika acontecer em suas crianças no Recife/PE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4000/aa.9448

Palavras-chave:

Epidemia do vírus Zika, Recife, Antropologia da ciência

Resumo

O vírus Zika (VZ) se instalou no Brasil como uma nova epidemia entre os anos de 2015 e 2016. Sua principal consequência foi reprodutiva, com o nascimento de mais de 4.000 crianças com o que se convencionou chamar de Síndrome Congênita do Vírus Zika (SCVZ), que reúne um conjunto complexo de muitas deficiências e exige vários tipos de cuidado especializado. Até o momento, na literatura antropológica, muito foi dito sobre essas deficiências, sobre o cotidiano de cuidados e de direitos dessas crianças e suas famílias, mas nem tanto foi documentado sobre a relação que elas mantiveram com a ciência que por muito tempo tentou compreender esse novo vírus, essa nova síndrome. O artigo apresenta razões para essas pessoas terem aceitado os convites vindos da ciência e também terem tecido reflexões mais críticas sobre esse intenso convívio com a mesma. Com base em pesquisa coletiva e etnográfica, realizada ao longo de quatro anos no Recife/PE, epicentro da epidemia do VZ, o artigo pretende contribuir com uma Antropologia da ciência menos “interna ao laboratório”, já que os sujeitos de pesquisa envolvidos na produção de conhecimento sobre o VZ e a SCVZ também ajudaram a avaliar e – mais importante – a construir essa ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Soraya Fleischer, Universidade de Brasília

Professora do Departamento de Antropologia, Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília/DF, Brasil. Doutora em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2007) e com um recente estágio pós-doutoral também em Antropologia na Universidade Federal de Santa Catarina (2022). Co-coordena o Coletivo de Antropologia e Saúde Coletiva (CASCA) e o podcast Mundaréu.

Referências

Barros, Alessandra S. S. 2021. “Deficiência, Síndrome Congênita do Zika e produção de conhecimento pela antropologia”. Revista Scientia 6(1): 142–63.

Castro, Rosana. 2020. Economias políticas da doença e da saúde: uma etnografia da experimentação farmacêutica. São Paulo: Hucitec.

Diniz, Debora. 2016. Zika: Do sertão nordestino à ameaça global. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. DOI : 10.5040/9781350224193

Fleischer, Soraya. 2020a. “Circulação de esperança em tempos de Síndrome Congênita do Vírus Zika no Recife/PE”. In Desigualdades e Políticas da Ciência, org. Debora Allebrandt, Nádia Meinerz e Pedro Nascimento, 325–62. Florianópolis: Casa Verde.

Fleischer, Soraya. 2020b. “Doutores”. In Micro: Contribuições da Antropologia, org. Soraya Fleischer e Flávia Lima, 77–88. Brasília: Athalaia.

Fleischer, Soraya. “A multicausalidade da microcefalia (Recife, Pernambuco)”. No prelo.

Fleischer, Soraya, e Flávia Lima, orgs. 2020. Micro: Contribuições da Antropologia. Brasília: Athalaia.

Latour, Bruno. 2000. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora.

São Paulo: UNESP.

Lustosa, Raquel. “Mulheres”. 2020b. In Micro: Contribuições da Antropologia, org. Soraya Fleischer e Flávia Lima, 39–50. Brasília: Athalaia.

Maluf, Sônia. 2021. “Janelas sobre a cidade pandêmica: desigualdades, políticas e resistências”. Tomo 38: 251–85.

Moreira, Tiago. 2014. “Understanding the role of patient organizations in health technology assessment”. Health expectations: an international journal of public participation in health care and health policy 18(6): 3349–57. DOI : 10.1111/hex.12325

Moreira, Tiago, Orla O'donovan, e Etaoine Howlett. 2014. “Assembling dementia care: Patient organisations and social research”. BioSocieties 9: 173–93.

Nunes, João Arriscado, Ângela Marques Filipe, e Marisa Matias. 2010. “Os novos actores colectivos no campo da saúde: o papel das famílias nas associações de doentes”. Alicerces: 119‐28.

Pols, Jeannette. 2014. “Knowing patients: turning patient knowledge into science”. Science, Technology, & Human Values 39(1): 73–97.

Rabeharisoa, Vololona, Tiago Moreira, e Madeleine Akrich. 2014. “Evidence-based activism: Patients’, users’ and activists’ groups in knowledge society”. BioSocieties 9: 111–28. DOI : 10.1057/biosoc.2014.2

Rabeharisoa, Vololona, Michel Callon, Angela Marques Filipe, João Arriscado Nunes, Florence Paterson, e Frédéric Vergnaud. 2012. "The dynamics of causes and conditions: the rareness of diseases in French and Portuguese patients' organizations' engagement in research". CSI Working Papers Series 026. Paris: Centre de Sociologie de l'Innovation (CSI), Mines ParisTech.

Rabeharisoa, Vololona, e Michel Callon. 2007. “The Growing Engagement of Emergent Concerned Groups in Political and Economic Life”. Science Technology & Human Values 33(2): 230–61.

Rabeharisoa, Vololona, e Michel Callon. 2003. “Research ‘in the wild’ and the shaping of new social identities”. Technology in Society 25: 193–204.

Rabeharisoa, Vololona, e Michel Callon. 2002. “The involvement of patients’ associations in research”. International Social Science Journal 54: 57–63. DOI : 10.1111/1468-2451.00359

Scott, Parry, Marion Quadros, Ana Claudia Rodrigues, Luciana Campelo Lira, Silvana Sobreira Matos, Fernanda Meira, e Jeíza Saraiva. 2017. “A epidemia de Zika e as articulações das mães num campo tensionado entre feminismo, deficiência e cuidados”. Cadernos de Gênero e Diversidade 3(2): 73–92.

Simas, Aissa. 2020. “Ciência, saúde e cuidado: Um estudo antropológico sobre a pesquisa clínica no contexto da epidemia do Zika (Recife/PE)”. Dissertação de mestrado, Universidade de Brasília.

Downloads

Publicado

2023-03-28

Como Citar

Fleischer, Soraya. 2023. “Fé Na Ciência? Como As famílias De Micro Viram a Ciência Do vírus Zika Acontecer Em Suas crianças No Recife PE”. Anuário Antropológico 47 (1):170-88. https://doi.org/10.4000/aa.9448.
Share |

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.