O que os negacionismos negam? Gestão do oculto e produção da verdade a partir de uma etnografia da política no norte de Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4000/aa.11090

Palavras-chave:

modos de veridição, produção do oculto, boatos (rumores), feitiçaria e politica, Nampula – norte de Moçambique

Resumo

Este artigo explora certas discursividades presentes na chamada era da pós-verdade, através de contextos epistêmicos divergentes, em que a produção de verdades, e a produção da verdade como valor na ciência e na política, entra em disputas por legitimidade e poder. Tais conflitos estão relacionados a metafísicas produtoras de discursos de visibilidade e de invisibilidade, que operam como meios de efetuação da verdade. A partir de uma investigação etnográfica feita no norte de Moçambique, onde o Estado convive de forma imanente com uma política do mundo invisível, por meio do discurso da feitiçaria, proponho estabelecer uma analogia entre dinâmicas diferentes de operação com o oculto, advindas tanto do discurso da feitiçaria como dos discursos negacionistas, presentes na política brasileira e no mundo, conforme tem sido demonstrado por estudos etnográficos e políticos atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Daniel de Jesus Figueiredo, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Antropologia pela UFMG. Pesquisador do Laboratório de Antropologia das Controvérsias Sociotécnicas (LACS), Departamento de Antropologia – UFMG e do Núcleo de Antropologia Visual (NAV), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FAFICH) – UFMG. Atua no campo dos Estudos Africanos nas áreas de antropologia da política (relações de poder, conflito e corrupção); antropologia da moral; antropologia visual e das artes. Possui experiência em antropologia das ciências e das tecnologias.

Referências

Almeida, Rafael. 2018. “Notas para uma reflexão sobre as ‘teorias da conspiração’”. Ponto Urbe, nº 23. https://journals.openedition.org/pontourbe/5615. DOI : 10.4000/pontourbe.5615

Araújo, Vinícius de Carvalho. 2002. A conceituação de governabilidade e governança: Da sua relação entre si e com o conjunto da reforma do Estado e do seu aparelho. Brasília: ENAP.

Ashforth, Adam. 2005. Witchcraft, violence and democracy in South Africa. Chicago: University of Chicago Press.

Blanes, Ruy. 2017. “The ndoki index: Sorcery, economy, and invisible operations in the Angolan urban sphere”. In Pentecostalism and withcraft: Spiritual warfare in Africa and Melanesia, edited by Knut Rio, Ruy Blanes and Michelle MacCarthy, 93–114. Londres: Palgrave Macmillan.

Brown, Wendy. 2021. Nas ruínas do neoliberalismo. A ascensão da política antidemocrática no Ocidente. São Paulo: Politeia.

Cesarino, Letícia. 2020. “What the Brazilian 2018 elections tell us about post-truth in the neoliberal-digital era”. Cultural Anthropology, Hot Spots. https://culanth.org/fieldsights/what -the-brazilian-2018-elections-tell-us-about-post-truth-in-the-neoliberal-digital-era

Cesarino, Letícia. 2021a. Pós-verdade e a crise do sistema de peritos: Uma explicação cibernética. Ilha – Revista de Antropologia 23, nº 1: 73–93.

Cesarino, Letícia. 2021b. “As ideias voltaram ao lugar? Temporalidades não lineares no neoliberalismo autoritário brasileiro e sua infraestrutura digital”. Caderno CRH, nº 34: 1–18. DOI : 10.9771/ccrh.v34i0.44377

Cesarino, Letícia. 2021c. “Tratamento precoce: Negacionismo ou alt-science?” Blog Labemus. https://blogdolabemus.com/?s=Let%C3%ADcia+Cesarino

Chun, Wendy. 2016. Updating to remain the same: Habitual new media. Cambridge, MA: MIT Press.

Ciência Suja. 2023. “A rede antivacina”. Apresentadores: Theo Ruprecht, Thaís Manarini e Chloé Pinheiro. Ciência Suja, 27 de abril. Podcast. https://open.spotify.com/episode/ 1kpQZC3DGluUmqliIZe89y?si=84a420e745364a91&nd=1

Comaroff, Jean, e John Comaroff. 1999. “Occult economies and the violence of abstraction: notes from the South African postcolony”. American Ethnologist 26, nº 2: 279–303. DOI : 10.1525/ae.1999.26.2.279

Daston, Lorraine. 2017. “A economia moral da ciência”. In Historicidade e objetividade, 37–67. São Paulo: LiberArs.

Empoli, Giuliano Da. 2019. Os engenheiros do caos. Como as fake news, as teorias da conspiração e os algoritmos estão sendo utilizados para disseminar ódio, medo e influenciar eleições. São Paulo: Vestígio.

Englund, Harri. 1996. “Witchcraft, modernity and the person: The morality accumulation in Central Malawi”. Critique of Anthropology 16, nº 3: 257–79.

Evans-Pritchard, Edward Evan. 2005 [1976]. Bruxaria, oráculos e magia entre os azande. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Faltay, Paulo. 2020. “Máquinas paranoides e sujeitos influenciáveis: Conspiração, conhecimento e subjetividade em redes algorítmicas”. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Feliciano, José Fialho. 1998. “Comércio e acumulação nas sociedades moçambicanas”. In Actas do seminário – Moçambique: Navegações, comércio e técnicas, 351–61. Maputo: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.

Figueiredo, Daniel A. de Jesus. 2020. “Entre o visível e o invisível: Linguagens de poder e composição da política em Nampula, Moçambique”. Tese de doutorado. Universidade Federal de Minas Gerais.

Foucault, Michel. 2018. Do governo dos vivos. São Paulo: WMF – Martins Fontes.

Geschiere, Peter. 2013. Política de la pertenencia: Brujería, autoctonía e intimidad. México (D. F.): Fondo de Cultura Económica.

Geschiere, Peter. 1995. Sorcellerie et politique en Afrique: La viande des autres. Paris: Kartala. DOI : 10.3917/kart.gesc.2005.01

Geschiere, Peter. 1997. The modernity of witchcraft: Politics and the occult in postcolonial Africa. Charlottesville: University of Virginia Press.

Geschiere, Peter. 2006. “Feitiçaria e modernidade nos Camarões: Alguns pensamentos sobre uma estranha cumplicidade”. Revista Afro-Ásia, Universidade Federal da Bahia, nº 34: 9–38. DOI : 10.9771/aa.v0i34.21111

Horton, Robin. 1993. Patterns of thought in Africa and the West. Cambridge: Cambridge University Press. DOI : 10.1017/CBO9781139166232

Latour, Bruno. 2019a. Investigação sobre os modos de existência: Uma antropologia dos modernos. Petrópolis: Vozes.

Latour, Bruno. 2000. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34.

Latour, Bruno. 2019b. Políticas da natureza: Como associar as ciências à democracia. São Paulo: UNESP.

Lourenço, Vitor Alexandre. 2009. “Estado, autoridades tradicionais e transição democrática em Moçambique: Questões teóricas, dinâmicas sociais e estratégias políticas”. Cadernos de Estudos Africanos. Autoridades tradicionais em África: um universo em mudança, nº 16/17: 115–38.

Marshall, Ruth. 2009. Political Spiritualities. The pentecostal revolution in Nigeria. Chicago: University of Chicago Press. DOI : 10.7208/chicago/9780226507149.001.0001

Menezes, Palloma. 2020. “Teorias dos rumores: Comparações entre definições e perspectivas”. Dossiê “Sociologia e antropologia dos rumores”. Sociabilidades Humanas – Revista de Antropologia e Sociologia 4, nº 12: 21–42.

Menezes, Palloma, Anelise Guterres, et al. 2020. “Apresentação”. Dossiê “Sociologia e antropologia dos rumores”. Sociabilidades Humanas – Revista de Antropologia e Sociologia 4, nº 12: 15–20. DOI : 10.12957/transversos.2022.71826

Moore, Henrietta, e Todd Sanders, eds. 2001. Magical interpretations, material realities. Modernity, witchcraft and the occult in postcolonial Africa. Londres; Nova Iorque: Routledge.

Mouffe, Chantal. 2015. Sobre o político. São Paulo: WMF – Martins Fontes.

Orre, Aslak. 2009. “Fantoches e cavalos de Tróia? Instrumentalização das autoridades tradicionais em Angola e Moçambique”. Cadernos de Estudos Africanos, Autoridades tradicionais em África: um universo em mudança, nº 16/17: 139–78.

Ossufo, Chale. 2020. “48 - A Conversar com Chale Ossufo (Corredor de Nacala)” [dez. 2016]. Entrevistadores: Daniel A. de Jesus Figueiredo e Patrick Arley de Resende. LACS/UFMG e Muitxs Outrxs*. Youtube, Canal Corredor de Nacala, (01:59:54 h). https://youtu.be/ hvCkupgw3JU

Read, Kenneth. 2018 [1955]. “A pessoa moral em seu contexto”. In A questão moral: Uma antologia crítica, organizado por Didier Fassin e Samuel Lézé, 236–48. Campinas: Unicamp.

Rossi, Mariane. 2014. “Mulher espancada após boatos em rede social morre em Guarujá, SP. Ela foi agredida após ser acusada de praticar magia negra com crianças. Moradores registraram vídeos mostrando a agressão e postaram na web”. G1, Santos e Região, 05/05/2014. https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2014/05/mulher-espancada-apos-boatos-em-rede-social-morre-em-guaruja-sp.html

Sampaio, Rafael Cardoso. 2022. “Fake news”. In Dicionário dos negacionismos no Brasil, organizado por José Szwako, e José Luiz Ratton, 133–6. Recife: Cepe.

Santos, Maria Helena de Castro. 1997. “Governabilidade, governança e democracia: Criação de capacidade governativa e relações executivo-legislativo no Brasil pós-Constituinte”. Dados 40, nº 3: 335–76.

Stengers, Isabelle, Philippe Pignarre. 2005. La sorcellerie capitaliste: Pratiques de désenvoûtement. Paris: La Découverte.

Strathern, Marilyn. 2004. Partial connections. New York; Oxford: Altamira Press.

Szwako, José, e José Luiz Ratton. 2022. Dicionário dos negacionismos no Brasil. Recife: Cepe.

TCU – Tribunal de Contas da União. 2014. Referencial para avaliação de governança em políticas públicas. Brasília: Tribunal de Contas da União.

TCU – Tribunal de Contas da União. 2021. Dez passos para a boa governança, 2ª ed. Brasília: Tribunal de Contas da União.

Trentini, Daria. 2016. “‘The night war of Nampula’: Vulnerable children, social change and spiritual insecurity in northern Mozambique”. Africa: Journal of the International African Institute (IAI) 86, nº 3: 528–51. https://www.africabib.org/rec.php?RID=407464336 DOI : 10.1017/S000197201600036X

UNESCAP – United Nations Economic and Social Commission for Asian and the Pacific. 2009. What is good governance? Thailand: Unescap.

Wagner, Roy. 2000. “Our very own cargo cult”. Oceania, nº 70: 362–72. DOI : 10.1002/j.1834-4461.2000.tb03072.x

West, Harry G. 2008. “‘Governem-se vocês mesmos!’. Democracia e carnificina no norte de Moçambique”. Análise Social XLIII, nº 2: 347–68.

West, Harry G. 2009. Kupilikula: O poder e o invisível em Mueda, Moçambique. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais (ICS).

Downloads

Publicado

2023-08-28

Como Citar

Figueiredo, Daniel de Jesus. 2023. “O Que Os Negacionismos Negam? Gestão Do Oculto E produção Da Verdade a Partir De Uma Etnografia Da política No Norte De Moçambique”. Anuário Antropológico 48 (2):82-101. https://doi.org/10.4000/aa.11090.
Share |

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.