Nas Asas da Canção

Impressões sobre a Arte Vocal dos índios Suyá

Autores

  • Rafael José de Menezes Bastos

Palavras-chave:

Antropologia, Crítica

Resumo

De alguns anos para cá, a música vem cada vez mais se evidenciando como tema de funda relevância na etnografía dos índios das ‘‘terras baixas" sul-americanas. Neste sentido, progressivamente, mais e mais estudos vão aparecendo sobre este objeto de investigação, realizados com perspectiva musicológica ou não. Tal tendência, muito embora ainda esteja longe de cobrir toda a extensão da temática em análise, já é considerável, sendo uma resposta altamente animadora dos etnógrafos à constatação ”” que já vem dos tempos dos "cronistas coloniais” ”” do lugar privilegiado que a música ocupa nessas sociedades. 1

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AGOSTINHO, Pedro. Mitos e outras narrativas Kamayurá. Salvador, Universidade Federal da Bahia, 1974.
CAMÊU, Helza. Introdução ao estudo da música indígena brasileira. Rio de Janeiro, Conselho Federal de Cultura e Departamento de Assuntos Culturais, 1977.
DANIÉLOU, Alain. Sémantique Musicale: essai de psycho-physiologie auditive,
2ème édition. Paris, Herman, f.diteurs des Sciences et des Arts, 1978. IMBERTY, Michel. Entendre la Musique: Sémantique psychologique de la musique Hère. volume). Paris, Dunod/Bordas, 1979.
--------------- . Entendre la Musique: Sémantique psychologique de la musique (2ème. volume). Paris, Dunod/Bordas, 1981.
KAPLAN, J. “Orientation for paper topics” e “Comments”. Áctes du XLIIème. Congrès Internationale des Américanistes (1976), simpósio: “Social Time and Social Space in Lowland South American Societies”, J. Kaplan, organizadora. Volume II. Paris, Société des Américanistes, 1977.
LEACH, Edmund. Cultura e Comunicação ”” A lógica pela qual os símbolos estão ligados. Uma introdução ao uso da análise estruturalista em Antropologia Social, tradução brasileira. Rio de Janeiro, Zahar, 1978.
LÉVI-STRAUSS, Claude. Le cru et le cuito (Mythologiques I). Paris, Plon, 1964.
--------------- . UHomme nu (Mythologiques IV). Paris, Plon, 1971. LYONS, John. Introduction to theoretical linguistics. Cambridge, Cambridge University Press, 1974.
MELLATTI, Júlio César. índios do Brasil. 4. ed., São Paulo, Hucitec, 1983.
MENEZES BASTOS, Rafael José de. A Musicológica Kamayurá: para uma antropologia da comunicação no Alto Xingu. Brasília, Fundação Nacional do Índio, 1978.
--------------- . O “Yaku’i e o “Amurikumã”: um estudo em Antropologia Econômica. Datilografado, 1979.
--------------- . The nucleus-periphery structure as a rationale to the genealogical conception theory of the Kamayurá Indians of Upper-Xingu (Central Brasil). Comunicação apresentada ao 79.° Encontro Anual da American
Anthropological Association (1980). Simposio: “The Body and the Self: the Concrete Philosophy of Person, Self and Society in Lowland South America”. Organizadores: W. Kracke e A. Seeger, 1980.
--------------- . Notas de Campo entre os Kamayurá e Yawalapití, 1981.
--------------- . Músicas e Sociedades no Brasil: o Estado da Questão. Comunicação apresentada à 13.‘ Reunião Brasileira de Antropologia (1982). Grupo de Trabalho: “Músicas e Sociedades no Brasil: o Estado da Questão”. Organizadores: Anthony Seeger e Rafael José de Menezes Bastos, 1982.
--------------- ”¢ O ‘Payemeramaraka’ Kamayurá: uma contribuição à etnografía do xamanismo no Alto-Xingu. Datilografado. A sair no volume sobre índios Tupi a ser editado por Roque de Barros Laraia e Lux Vidal, 1983.
MIRANDA, Marlui. Oiho d’água. IP de 12”, 33 1/3 rpm. Discos Continental, 1.01.404.195, 1979.
NATTIEZ, Jean-Iacqtics. Les tendances de la recherche en Sémiologie Musicale. Datilografado, 1982.
PEREIRA, (Discos) Marcus, cd. Música Popular do Norte, volume 4. Discos Marcus Pereira, MPA 9355 (LP de 12”, 33 1/3 rpm), s.d.
SCHAEFFER, P. Traité des objects musicaux. Paris, Seuil, 1966.
SCHOLES, Percy A. The Concise Oxford Dictionary of Music, 2nd. edition, John Owen Ward editor. London, Oxford University Press, 1975.
SEEGER, Anthony. Porque os índios Suyá cantam para as suas irmãs?, in G. Velho, org. Arte e Sociedade: Ensaios de Sociologia da Arte, Rio de Janeiro, Zahar, 1977, p. 39-63.
--------------- . O que podemos aprender quando eles cantam? Gêneros vocais no Brasii Central. In Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras (A. Seeger, autor). Rio de Janeiro, Campus, 1980a, p. 83-104.
--------------- , Sing foi yor sister: the structure and performance of Suyá Akia. In N. Mcleod e M. Herndon, orgs., The Ethnography of Musical Performance. Norwood, Norwood Editions, 1980b, p. 7-42.
--------------- . A Identidade Étnica como Processo: os índios Suyá e as Sociedades do Alto-Xingu. In Anuário Antropológico/78, Roberto Cardoso de Oliveira (direção). Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1980c, p. 156-175.
--------------- . Nature and Society in Central Brazil ”” The Suyá Indians of Mato Grosso. Cambridge, Harvard University Press, 1981.
SEEGER, A. & CASTRO, Eduardo do B. Viveiros de. Pontos de vista sobra os indios brasileiros: um ensaio bibliográfico. In Os índios e nós: estudos sobre sociedades tribais brasileiras (A. Seeger, autor). Rio de Janeiro, ,iCampus, 1980, p. 135-151.
SERRA, Ordep Josc Trindade & CAPINAN, Maria Bernadete. Brasil Carnaval. In Anuário Antropológico/79, Roberto Cardoso de Oliveira (direção). Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1981, p. 303-312.
SIMÕES, Mário. Os Txicão e outras tribos marginais do Xingu. In Revista do Museu Paulista, n . s., 14 : 76-104, 1963.

Downloads

Publicado

2018-01-19

Como Citar

Bastos, R. J. de M. (2018). Nas Asas da Canção: Impressões sobre a Arte Vocal dos índios Suyá. Anuário Antropológico, 7(1), 360–369. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6276