De um lado, sobrecarga de trabalho; de outro, falta de concentração: a relação entre docentes e estudantes de escola pública e privada de Porto Alegre durante o ensino remoto emergencial na pandemia de Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.4000/aa.11434

Palavras-chave:

educação, ensino remoto, pandemia, covid-19

Resumo

O ensino remoto emergencial, observado de 2020 a 2021 durante a pandemia de Covid-19, sob a perspectiva de estudantes e educadores de uma escola pública e uma escola privada de Porto Alegre/RS, além de saberes situados, reverbera questionamentos para fora deste marco temporal extraordinário. A pesquisa etnográfica, realizada em duas etapas principais - entrevistas com equipes pedagógicas e observações participantes de aulas síncronas - identificou fatores que, até a pandemia, não estavam no centro das reflexões acerca da desigualdade educacional (tecnológicos, familiares, emocionais e de infraestrutura doméstica), além de comportamentos, personalidades, linguagens e referências culturais diferentes de acordo com a classe social e o gênero do estudante. Do ponto de vista dos profissionais educacionais, à realidade dura das educadoras da instituição pública (acúmulo de disciplinas, extensa carga horária de trabalho e triplas jornadas) se somaram descobertas sobre o relacionamento professor-aluno e escolhas metodológicas online.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabíola de Carvalho Leite Peres, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda e mestra em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.  Pesquisadora no Grupo de Antropologia da Economia e da Política (UFRGS) e no projeto Rede Covid-19 Humanidades MCTI. Bolsista do Programa de Excelência Acadêmica da CAPES com interesse nas áreas de educação, cultura e juventude, permeadas pelas relações de gênero, raça e classe social.

Ruben George Oliven, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ex-presidente da Associação Brasileira de Antropologia e da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, vice-presidente para a Região Sul da Academia Brasileira de Ciências. Recebeu o Prêmio Érico Vannucci Mendes por sua contribuição ao estudo da Cultura Brasileira e o Prêmio ANPOCS de Excelência Acadêmica em Antropologia. Em 2018 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico.

Referências

Almeida, Isadora Maria Gomes, e Auvani Antunes da Silva Júnior. 2021. “Os impactos biopsicossociais sofridos pela população infantil durante a pandemia do COVID-19”. Research, Society and Development 10, nº 2: 436–52.

Arruda, Robson Lima de, e Robéria Nádia Araújo Nascimento. 2021. “Novas mediações pedagógicas: Percepções dos professores da educação básica na pandemia”. Humanidades e Inovação 8, nº 61: 41–60. https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3807

Barros, Marilisa Berti de Azevedo, Margareth Guimarães Lima, Deborah Carvalho Malta, Renata Cruz Soares de Azevedo, Bruna Kelly Fehlberg, Paulo Roberto Borges de Souza Júnior, et al. “Mental health of Brazilian adolescents during the COVID-19 pandemic”. Psychiatry Research Communications 2, nº 1: 100015. https://convid.fiocruz.br/index.php?pag=publicacoes.

Borges, Samantha da Silva Hassen, e Vera Lopes da Silva. “Um olhar para a desigualdade escolar em tempos de pandemia”. 2020. Carta Capital, São Paulo. https://www.cartacapital.com.br/blogs/sororidade-em-pauta/um-olhar-para-a-desigualdade-escolar-em-tempos-de-pandemia/

Bourdieu, Pierre. 1998. Escritos de educação. Organizado por Maria Alice Nogueira e Afrânio Catani. Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, Pierre. 2007. A distinção. Crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp.

Carmo, Marciléia Pereira do, Pedro Mário Costa Sales, e Pricila Kohls-Santos. 2021. “Análise da educação em tempos de pandemia: Uma análise do ensino remoto emergencial na educação básica”. Humanidades e Inovação 8, nº 61: 104–16. https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/4018/3566

Cesarino, Letícia, Silvia Walz, e Tatiana Balistieri. 2023. “Etnografia na ou da internet? Desafios epistemológicos e éticos do método etnográfico na era da plataformização”. In Metodologia e Relações Internacionais. Debates Contemporâneos, editado por Isabel Rocha Siqueira, e Vítor de Souza Costa, v. IV, 17–46, col. Interseções. Rio de Janeiro: PUC-Rio.

CGI.BR. 2022. TIC Educação 2021. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras [livro eletrônico]. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil. https://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20221121124124/tic_educacao_2021_livro_eletronico.pdf

Coelho, Elenise, Ana Claudia Silva, Tais Pellegrini, Naiana Patias. 2021. “Saúde mental docente e intervenções da Psicologia durante a pandemia”. Psi Unisc 5, nº 2: 20-32. https://online.unisc.br/seer/index.php/psi/article/view/16458

Eniz, Alexandre de Oliveira. 2004. “Poluição Sonora em escolas do Distrito Federal”. 2004. Dissertação de mestrado, Universidade Católica de Brasília, Brasília.

Fechamento de escolas durante pandemia fez Brasil regredir duas décadas em matéria de evasão escolar, diz Unicef. 2021. G1, São Paulo. https://g1.globo.com/educacao/noticia/2021/04/05/fechamento-de-escolas-durante-pandemia-fez-brasil-regredir-duas-decadas-em-materia-de-evasao-escolar-diz-unicef.ghtml

Fonseca, Claudia. 1999. “Quando cada caso NÃO é um caso: Pesquisa etnográfica e educação”. Revista Brasileira de Educação, nº 14: 58–78.

Fonseca, Claudia. 2008. “O anonimato e o texto antropológico: Dilemas éticos e políticos da etnografia 'em casa”. Teoria e Cultura 2, 1-2: 39–53.

Hine, Christine, Carolina Parreiras, e Beatriz Lins. 2020. “A internet 3E1: uma internet incorporada, corporificada e cotidiana”. Cadernos de Campo (USP) 29, nº 2: 1 –42. https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/download/181370/168 259/466493.

Kirchner, Elenice Ana. 2020. “Vivenciando os desafios da educação em tempos de pandemia”. In Desafios da educação em tempos de pandemia, organizado por Janete Palú, Jenerton Arlan Schütz, e Leandro Mayer, 45–53. Cruz Alta: Ilustração.

Latour, Bruno. 2012. Reagregando o social. Uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador: Bauru.

Magnani, José Guilherme Cantor. 2009. “Etnografia como prática e experiência”. Horizontes Antropológicos 15, nº 32: 129–56.

Mannheim, Karl. 1993. “El problema de las generaciones”. Revista Española de Investigaciones Sociológicas (REIS), nº 62: 145–68. https://reis.cis.es/REIS/PDF/REIS_062_12.pdf

McKinsey & Company. 2019. Habilidades Digitais no Brasil: O potencial digital dos brasileiros: diagnóstico e oportunidades. Rio de Janeiro: Mc Kinsey & Company. https://www.mckinsey.com.br/~/media/McKinsey/Locations/South%20America/Brazil/Our%20Insights/Habilidades%20Digitais%20no%20Brasil/20191410_DSI_Indivduos_FINAL.ashx

Miller, Daniel, e Don Slater. 2004. “Etnografia on e off-line: cibercafés em Trinidad”. Horizontes Antropológicos 10, nº 21: 41–95.

Oliveira, Amurabi, Felipe Boin, e Beatriz Demboski Búrigo. 2018. “Quem tem medo de etnografia?”. Revista Contemporânea de Educação 13, nº 26:10–30. https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/12243

Oliveira, Regiane. “‘As escolhas que fizemos para as crianças foram terríveis’: um ano de ensino remoto no Brasil”. 2021. El Pais, São Paulo. https://brasil.elpais.com/brasil/2021-03-22/as-escolhas-que-fizemos-para-as-criancas-foram-terriveis-o-balanco-de-um-ano-de-ensino-remoto-no-brasil.html.

Radcliffe-Brown, Alfred Reginald. 1951. “O método comparativo em Antropologia Social”. In Antropologia, organizado por Julio Cezar Melatti, 43–58. São Paulo: Ática.

Rifiotis, Theophilos. 2016. “Etnografia no ciberespaço como ‘repovoamento’ e explicação”. Revista Brasileira de Ciências Sociais 31, nº 90: 85–98. https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/M6GkRJnssG5zh65pVBVn7vd/?format=pdf

Santomé, Jurjo Torres. 2003. A educação em tempos de neoliberalismo. Porto Alegre: Artmed.

Santos, Jamilly Rosa dos, e Elisângela Aparecida Zaboroski. 2020. “Ensino remoto e pandemia Covid-19: Desafios e oportunidades de alunos e professores”. Interacções, nº 55: 41–57. https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/20865/16129

Saraiva, Ana Maria Alves, Bréscia França Nonato, e Daniel Santos Braga. 2021. “Trabalho docente na pandemia: uma análise do ensino remoto emergencial na educação básica”. Humanidades e Inovação 8, nº 61: 302–17. https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/4315

Scott, Joan. 1995. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Porto Alegre: Educação e Realidade 20, nº 2: 5–22. https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721

Silva, Flávia Gonçalves da, e Maria Ciavatta. 2022. “A escola em tempos de pandemia: desamparo, fome e privação tecnológica”. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação 7, nº 4: 2494–512. https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16730/15308

Silva, Vergas Vitória Andrade de. 2021. “A Covid-19 e a reprodução das desigualdades escolares: um estudo sobre acesso digital na educação básica”. Humanidades e Inovação 8, nº 61: 271–87. https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/4302

Downloads

Publicado

2023-12-27

Como Citar

Peres, Fabíola de Carvalho Leite, e Ruben George Oliven. 2023. “De Um Lado, Sobrecarga De Trabalho; De Outro, Falta De concentração: A relação Entre Docentes E Estudantes De Escola Pública E Privada De Porto Alegre Durante O Ensino Remoto Emergencial Na Pandemia De Covid-19”. Anuário Antropológico 48 (3):71-91. https://doi.org/10.4000/aa.11434.

Artigos Semelhantes

<< < 1 2 3 4 5 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.