Restrito acesso à educação superior pública brasileira: uma expressão da questão social

Autores

  • Luciene Araújo Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas; Universidade Estadual do Ceará, pesquisadora no Grupo de Estudos Trabalho e Educação http://orcid.org/0000-0002-1509-8587

DOI:

https://doi.org/10.26512/sersocial.v24i50.36661

Palavras-chave:

Acesso. Educação superior. Questão social.

Resumo

O percurso histórico da educação superior pública é marca- do por desigualdades sociais, econômicas, raciais, culturais, de gênero, dentre outras, calcinadas pelo processo histórico de desenvolvimento social, cultural e econômico do Brasil. Partindo desse entendimento, mediante revisão de literatura e sob a ótica da teoria social crítica, objetivamos problematizar o restrito acesso da classe trabalhadora à educação superior pública enquanto expressão da questão social por compreendermos que tal acesso fomenta reivindicações na esfera pú- blica, pressionando o Estado a adotar medidas que possibilitem aces- sar o conhecimento socialmente produzido, bem como de adquirir formação para ingresso no mundo do trabalho. Para tanto, abordamos a relação entre questão educacional e questão social, e apontamos para a importância da ampliação e democratização do acesso à educação superior sem desconsiderar as dificuldades de permanência das(os) es- tudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica com nítido recorte de classe e raça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciene Araújo, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, pesquisadora no Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas; Universidade Estadual do Ceará, pesquisadora no Grupo de Estudos Trabalho e Educação

Assistente Social. Mestra em Serviço Social e Direitos Sociais pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) (2021). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas (GEPP/FASSO/UERN) e do Grupo de Estudo Trabalho e Educação (GETE/FAFIDAM/UECE). 

Referências

ALMEIDA, N. Parecer sobre os projetos de lei que dispõem sobre

a inserção do Serviço Social na Educação. [CFESS. CONSELHO

FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL]. [Brasília], 2004. Disponível em:

http://gtssedu-ufrb.blogspot.com/2012/09/parecer-sobre-os-projetos-

-de-lei-que.html. Acesso em: 28 out. 2019.

ANTUNES, R.; PINTO, G. A fábrica da educação: da especialização

taylorista à flexibilização toyotista. São Paulo: Cortez Editora, 2017.

BEHRING, E. Estado no Capitalismo: notas para uma leitura crítica

do Brasil recente. In: BOSCHETTI, I.; BEHRING, E. R.; LIMA, R. de

L. de. Marxismo, política social e direitos. São Paulo: Cortez, 2018.

BEHRING, E.; BOSCHETTI, I. Política social: fundamentos e histó-

ria. 9a ed. São Paulo: Cortez Editora, 2011.

BRASIL. Decreto no 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Progra-

ma de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universida-

des Federais - REUNI. Brasília, 2007.

BRASIL. Lei no 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o in-

gresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino

técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, 2012.

BRASIL. Lei no 13.409, de 28 de dezembro de 2016. Altera a Lei no

711, de 29 de agosto de 2012, para dispor sobre a reserva de vagas

para pessoas com deficiência nos cursos técnico de nível médio e su-

perior das instituições federais de ensino. Brasília, 2016.

CUNHA, L. Vestibular: a volta do pêndulo. MOACYR, F. et al. En-

contros com a civilização brasileira. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 1979, p. 195-209. (Coleção Encontros com a civilização

brasileira v. 13). Disponível em: http://prestesaressurgir.blogspot.

com/2018/08/para-baixar-encontros-com-civilizacao.html?m=1.

Acesso em: 07 nov. 2019.

FÁVERO, M. de L. A universidade no Brasil: das origens à Reforma

Universitária de 1968: Educar, Curitiba, n. 28, 2006, p. 17-36. Dis-

ponível: http://revistas.ufpr.br/educar/article/download/7609/5423.

Acesso em: 08 jan. 2019.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche:

capital financeiro, trabalho e questão social. 8a ed. São Paulo: Cortez,

INEP. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educacional Superior 2018. Brasília: Inep, 2019. Disponível em: http://inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior. Acesso em: 10 out. 2019.

KAUFMANN, R. Ações afirmativas à brasileira: necessidade ou

mito? Uma análise histórico-jurídico-comparativa do negro nos Es-

tados Unidos da América e no Brasil. Online, 2007. Disponível em:

https://jus.com.br/artigos/10070/acoes-afirmativas-a-brasileira-ne-

cessidade-ou-mito-a-implementacao-para-negros-como-mecanismo-

-concretizador-de-direitos-fundamentais/2. Acesso em: 30 out. 2019.

LIMA, L.; BIANCHINI, A. Seletividade e/ou democratização da edu-

cação superior em tempos do SISU. Revista de Políticas Públicas,

Maranhão, v. 21, n. 01, p. 495-514, 2017.

MANDEL, E. O Estado na fase do capitalismo tardio. O Capitalismo

tardio. Introdução de Paulo Singer. Tradução de Carlos Eduardo Sil-

veira Matos, Regis de Castro Andrade e Dinah de Abreu Azevedo. São

Paulo: Abril Cultural, 1982, p. 333-350.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. Tradução de Álvaro

Pina. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

NETTO, J. P. Cinco notas a propósito da “Questão Social”. Tempo-

ralis, ano 2, n. 3, jan./jul. Brasília: ABEPSS, Grafline, 2001, p. 41-49.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica.

a ed. São Paulo. Cortez, 2010.

NEVES, L.; PRONKO, M. O mercado do conhecimento e o conhe-

cimento para o mercado: da formação para o trabalho complexo no

Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: EPSJV, 2008.

PASTORINI, A. A categoria “questão social” em debate. 3a ed. São

Paulo: Cortez, 2010.

PEIXOTO, M. do C. Democratização e desigualdades na educação superior: o caso do Brasil. Universidades, núm. 74, octubre-diciembre, 2017, pp. 51-62. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulooa?id=37354774005. Acesso em 14 jan. 2019.

PEREIRA, P. Perspectivas teóricas sobre a questão social no Serviço Social. Temporalis, Brasília, n. 7, p. 112-122, jan./jun., 2003.

PEREIRA, P. Questão social, serviço social e direitos de cidadania.

Temporalis, ano 2, n. 3, jan./jul. Brasília: ABEPSS, Grafline, 2001,

p. 51-61.

PRADO JÚNIOR, C. Formação do Brasil Contemporâneo: Colô-

nia. 6a ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1961.

ROMANELLI, O. História da Educação no Brasil (1930/1973). 8a

ed., Petrópolis: Vozes, 1986.

SANTOS, J. “Questão Social”: particularidades no Brasil. São Paulo:

Cortez, 2012.

SILVA, I. Questão social e serviço social no Brasil: fundamentos sócio-históricos. 2a ed. Campinas/SP: Papel Social; Cuiabá/MT: EdUFMT, 2014.

WANDERLEY, L. O que é universidade? 9a ed. São Paulo: Editora

Brasiliense, 2003.

ZAGO, N. Do acesso à permanência no ensino superior: percursos de

estudantes universitários de camadas populares. Revista Brasileira

de Educação, Curitiba, v. 11, n. 32, p. 226-370, maio/ago., 2006.

Downloads

Publicado

02/28/2022

Como Citar

ARAÚJO, L. Restrito acesso à educação superior pública brasileira: uma expressão da questão social. SER Social, [S. l.], v. 24, n. 50, p. 115–135, 2022. DOI: 10.26512/sersocial.v24i50.36661. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/36661. Acesso em: 4 jul. 2022.