Análise comparativa de indicadores de sustentabilidade entre os estados da Amazônia Legal

Autores

  • Francinelli Angeli Francisco do Vale Universidade Federal do Pará - UFPA Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais - PPGCA, Belém, PA, Brasil.
  • Peter Mann de Toledo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE/MCT, São José dos Campos, SP, Brasil.
  • Ima Célia Guimarães Vieira Museu Paraense Emilio Goeldi - MPEG, Belém, PA, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.18472/SustDeb.v9n1.2018.25621

Palavras-chave:

Indicadores de Sustentabilidade, Índice de Desenvolvimento Sustentável, Desmatamento, Amazônia Legal

Resumo

Neste trabalho, buscou-se elaborar um panorama da sustentabilidade dos nove estados da Amazônia Legal, com base em cinco dimensões, 13 temas e 54 indicadores que compõem o Índice de Desenvolvimento Sustentável – IDS. Os resultados indicam que há diferenças nos níveis de sustentabilidade dos estados. Apenas Roraima foi classificado com um desempenho aceitável do IDS, enquanto o Maranhão apresentou nível crítico e os outros estados se mantiveram na faixa de alerta. As particularidades e vulnerabilidades de cada estado refletem as condicionantes históricas, as características geográficas e os modelos de desenvolvimento adotados. Considera-se que o IDS é uma ferramenta eficaz de avaliação devido à sua capacidade de abordar os temas essenciais da sustentabilidade e por sua simplicidade metodológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francinelli Angeli Francisco do Vale, Universidade Federal do Pará - UFPA Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais - PPGCA, Belém, PA, Brasil.

Doutora em Ciência Ambientais - PPGCA/UFPA, Belém, PA, Brasil.

Peter Mann de Toledo, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE/MCT, São José dos Campos, SP, Brasil.

Doutor em Geologia - University of Colorado. Pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais-INPE/MCT, São José dos Campos, SP, Brasil.

Ima Célia Guimarães Vieira, Museu Paraense Emilio Goeldi - MPEG, Belém, PA, Brasil.

Doutora em Ecologia - University Of Stirling. Pesquisadora titular do Museu Paraense Emilio Goedi, Belém, PA, Brasil.

Referências

ARAGÓN, L. E. Desenvolvimento amazônico em questão. Revista Crítica de Ciências Sociais. n. 107, set. 2015, p. 5-16. Disponível em: <http://www.scielo.mec.pt/pdf/rccs/n107/n107a02.pdf>. Acesso em: fev. 2017.

ATLAS BRASIL. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Consulta IDHM 2010. Disponível em: <http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/consulta/>. Acesso em: abr. 2014.

BECKER, B. K. A urbe amazônida: a floresta e a cidade. Rio de Janeiro: Garamond. 2013. p. 88.

BECKER, B. K. Por que a participação tardia da Amazônia na formação econômica do Brasil? In: TEIXEIRA, A. et al. 50 anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Ipea: Rio de Janeiro. p. 201-228. 293 p. 2009. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/livros/livros/Livro50AnosdeFormacao_Salvador_WEB.pdf>. Acesso em: abr. 2017.

BECKER, B. K. Geopolítica na Amazônia. Estudos Avançados. São Paulo, v. 19, n. 53, jan./abr. 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142005000100005>. Acesso em: jun. 2014.

BENEVIDES, M.; ALMEIDA, L. de. Desmatamento no Brasil: uma controvérsia em 50 tons de verde. Sustentabilidade em Debate. Brasília, v. 6, n. 3, p. 182-213, set./dez. 2015. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/sust/article/view/17232>. Acesso em: ago. 2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente (MMA). Guia para a Formulação de Políticas Públicas Estaduais e Municipais de Pagamento por Serviços Ambientais. Brasília, 2017. 77 p. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/publicacoes/biodiversidade/category/143-economia-dos-ecossistemas-e-da-biodiversidade>. Acesso em: out. 2017.

BURSZTYN, M. Políticas públicas para o desenvolvimento sustentável. In: BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. p. 59-76.

CLOSS, V. E.; SCHWANKE, C. H. A. A evolução do índice de envelhecimento no Brasil, nas suas regiões e unidades federativas no período de 1970 a 2010. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro, 2012, v. 15, n. 3, p. 443-458. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v15n3/v15n3a06.pdf.> Acesso em: 20 out. 2017.

DOMINGUES, M. S.; BERMANN, C. O arco de desflorestamento na Amazônia: da pecuária à soja. Ambiente & Sociedade. São Paulo, v. XV, n. 2, p. 1-22, maio/ago. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-753X2012000200002>. Acesso em: 05 fev. 2017.

ELOY, L.; COUDEL, E.; TONI, F. Implementando Pagamentos por Serviços Ambientais no Brasil: caminhos para uma reflexão crítica. Sustentabilidade em Debate. Brasília, v. 4, n. 1, p. 21-42, jul./dez. 2013. Disponível em:< http://periodicos.unb.br/index.php/sust/article/view/9198>. Acesso em: set. 2014.
FEARNSIDE, P. M. Pesquisa sobre conservação na Amazônia brasileira
e a sua contribuição para a manutenção da biodiversidade e uso sustentável das florestas tropicais. p. 21-50. 2015. In: VIEIRA, I. C. G.; JARDIM, M. A. G.; ROCHA, E. J. P. (Org.). Amazônia em Tempo: estudos climáticos e socioambientais. 2015. p. 462.
FISCH, G.; MARENGO, J. A.; NOBRE, C. A. Uma Revisão Geral sobre o Clima da Amazônia. Acta Amazônica, v. 28, n. 2, p. 101-126, 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/aa/v28n2/1809-4392-aa-28-2-0101.pdf>. Acesso em: 04 maio 2017.

FREITAS, C. M. de; GIATTI, L. L. Indicadores de sustentabilidade ambiental e de saúde na Amazônia Legal, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 25, n. 6, p. 1251-1266. Jun. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2009000600008&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: abr. 2014.

GARCIA, R. C.; CARDOSO JR, J. C. Cap.3. Subsídios para repensar o sistema federal de planejamento. IN: CARDOSO JR, J. C.; CUNHA, A. dos S. Planejamento e Avaliação de Políticas Públicas. Ipea: Brasília, p. 81-106. 475 p. 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Áreas Especiais: cadastro de municípios localizados na Amazônia Legal. Brasil/IBGE. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/amazonialegal.shtm?c=2>. Acesso em: 12 abr. 2016.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (Inpe). Programa Queimadas – Monitoramento por Satélite. Estatística por estado.
Disponível em: <https://queimadas.dgi.inpe.br/queimadas/estatistica_estados>. Acesso em: 17 nov. 2016.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Unidades de Conservação do Brasil. Unidades da Federação. Disponível em: <https://uc.socioambiental.org/cômputos/amazônia-legal/unidades-da-federação>. Acesso em: 21 ago. 2016.

JANNUZZI, P. M. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público. Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-160, abr./jun. 2005.

JANNUZZI, P. M. Indicadores Sociais no Brasil: conceitos, fontes de dados e aplicações. Campinas, Editora Alínea, 2. ed., 2003.

LIRA, S. R. B. de; SILVA, M. L. M. da; PINTO, R. S. Desigualdade e heterogeneidade no desenvolvimento da Amazônia no século XXI. Nova economia, v. 19, n. 1, p. 153-184. 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-63512009000100007>. Acesso em: set. 2014.

MARCHAND, G.; LE TOURNEAU, F. M. O desafio de medir a sustentabilidade na Amazônia: os principais indicadores mundiais e a sua aplicabilidade ao contexto amazônico, p. 195-220. 2014. In: VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. de; SANTOS JUNIOR, R. A. O. (Org.). Ambiente e Sociedade na Amazônia: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond. p. 504. 2014.

MARTINS, M. F.; CÂNDIDO, G. A. Índice de desenvolvimento sustentável para municípios (IDSM): metodologia para cálculo e análise do IDSM e classificação dos níveis de sustentabilidade para espaços geográficos. João Pessoa: Sebrae, 2008.

MARTINS, M. F.; CÂNDIDO, G. A. Índices de desenvolvimento sustentável para municípios: uma proposta metodológica de construção e análise. Revista de Gestão Social e Ambiental – RGSA. São Paulo, v. 6, n. 1, p. 03-19, jan./abr. 2012. Disponível em: <https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/article/view/229>. Acesso em: 29 set. 2013.

MELLO, A. F. de. Dilemas e desafios do desenvolvimento sustentável da Amazônia: o caso brasileiro. Revista Crítica de Ciências Sociais, 107, set. 2015. p. 91-108. Disponível em: <https://rccs.revues.org/6025>. Acesso em: set. 2016.

QUINTSLR, S.; BOHFER, C. B. de A.; IRVING, M. de A. Políticas públicas para a Amazônia: práticas e representações em disputa. Revista de Desenvolvimento Econômico. Salvador, BA. Ano XIII. n. 23, jul. 2011. Disponível em: <http://www.revistas.unifacs.br/index.php/rde/article/view/1295>. Acesso em: nov. 2013.

RIBEIRO, A. Modelo de indicadores para mensuração do desenvolvimento sustentável na Amazônia. Tese (Doutorado em Núcleo de Altos Estudos Amazônicos) – Universidade Federal do Pará (UFPA). Belém-PA. 2002. p. 280.

SCANDAR NETO, W. J. Síntese que organiza o olhar: uma proposta para construção e representação de indicadores de desenvolvimento sustentável e sua aplicação para os municípios fluminenses. Rio de Janeiro, 2006, 110 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais) – Escola Nacional de Ciências Estatísticas, Rio de Janeiro, 2006.

SCANDAR NETO, W. J.; JANNUZZI, P. de M.; SILVA, P. L. do N. Sistemas de Indicadores ou Indicadores Sintéticos: do que precisam os gestores de programas sociais? XVI ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. Caxambu-MG. 2008.

SEPÚLVEDA, S. Desenvolvimento microrregional sustentável: métodos para planejamento local. Brasília: IICA. 296 p. 2005.
SILVA, L. de S.; SOUSA, N. R. de. A padronização das políticas de desenvolvimento na Amazônia. Redes – Revista Desenvolvimento Regional. Santa Cruz do Sul, v. 17, n. 3, p. 168-191, set./dez. 2012. Disponível em: <https://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/2307>. Acesso em: mar. 2014.
TOLEDO, P. M. de et al. Development paradigms contributing to the transformation of the Brazilian Amazon: do people matter? Current Opinion in Environmental Sustainability, v. 26-27. June 2017. p. 77-83.

TREVISAN, A. P.; BELLEN, H. M. van. Avaliação de políticas públicas: uma revisão teórica de um campo em construção. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v. 42, n. 3, p. 529-50, maio/jun. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rap/v42n3/a05v42n3.pdf>. Acesso em: jul. 2014.

VIANA, R. L.; FREITAS, C. M. de; GIATTI, L. L. Saúde ambiental e desenvolvimento na Amazônia Legal: indicadores socioeconômicos, ambientais e sanitários, desafios e perspectivas. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 25, n. 1, p. 233-246. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n1/1984-0470-sausoc-25-01-00233.pdf>. Acesso em: out. 2016.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. de; SANTOS JÚNIOR, R. A. O. (Org.). Ambiente e Sociedade na Amazônia: uma abordagem interdisciplinar. Rio de Janeiro: Garamond. 2014. p. 504.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. de; SANTOS JÚNIOR, R. A. O. (Org.). The sociological implications of land use and landscape change in the Brazilian Amazon. Interactions between Biosphere, Atmosphere and Human Land Use in the Amazon Basin. Springer Verlag, Berlin. Ecological Studies: analisys and synthesis, 227. 2016. p. 441-462.

VIEIRA, I. C. G.; TOLEDO, P. M. de; SANTOS JÚNIOR, R. A. O. (Org.). Dinâmicas produtivas, transformações no uso da terra e sustentabilidade na Amazônia. 2014. In: SILFERT, N. et al. Um Olhar Territorial para o Desenvolvimento da Amazônia. Rio de Janeiro: BNDES. 2014. p. 370-395.

WAQUIL, P. D. et al. Avaliação de Desenvolvimento Territorial em Quatro Territórios Rurais no Brasil. Porto Alegre: UFRGS, 2006. Disponível em: <http://www8.ufrgs.br/ppge/pcientifica/2007_04.pdf>. Acesso em: 29 set. 2013.

WAQUIL, P. D. et al. Avaliação de Desenvolvimento Territorial em Quatro Territórios Rurais no Brasil. Redes. Santa Cruz do Sul, v. 15, n. 1, p. 104-127. 2010.

WORLD BANK. Governance and development. Washington, Oxford University Press. 1992. Disponível em: <http://documents.worldbank.org/curated/pt/604951468739447676/pdf/multi-page.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2017.

YOKOMIZO, G. K. I.; COSTA, L. do N. O uso do cerrado amapaense e os recursos vegetais. DRd – Desenvolvimento Regional em debate, v. 6, n. 3, p. 164-177, nov. 2016. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/150900/1/CPAF-AP-2016-O-uso-do-cerrado-amapaense.pdf>. Acesso em: jan. 2017.

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Vale, F. A. F. do, Toledo, P. M. de, & Vieira, I. C. G. (2018). Análise comparativa de indicadores de sustentabilidade entre os estados da Amazônia Legal. Sustentabilidade Em Debate, 9(1), 214 - 231. https://doi.org/10.18472/SustDeb.v9n1.2018.25621

Edição

Seção

Artigos - Varia

Most read articles by the same author(s)