Inovações Técnicas e suas Relações com Inovações Sociais e Institucionais no Norte de Minas:

experiências com agricultores familiares em Rio Pardo de Minas, MG

Autores

  • João Roberto Correia Embrapa Cerrados
  • Herbert Cavalcante de Lima Embrapa Cerrados

DOI:

https://doi.org/10.18472/SustDeb.v6n1.2015.11489

Palavras-chave:

Inovação, Agricultura familiar, Geraizeiros, Agroextrativismo, Cerrados, Transição agroecológica

Resumo

O presente trabalho visa apresentar alguns aspectos da relação entre inovações técnicas, sociais e institucionais em comunidades de agricultores familiares de Rio Pardo de Minas, norte de Minas Gerais, no sentido de buscar diálogos com a construção do conhecimento relacionado a esse segmento social. Foi observado que nas condições dadas pelas comunidades essa relação existe, sendo muitas vezes difícil a sua separação. Os agricultores têm a possibilidade de construir sua realidade a partir da verdade criada na sua relação com a natureza e com os grupos sociais com os quais se relaciona. Nesse sentido, as experiências relatadas demonstraram que as inovações tecnológicas criadas pelas comunidades de agricultores familiares/geraizeiros foram produtos de inovações sociais e institucionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Roberto Correia, Embrapa Cerrados

Pesquisador em Pedologia e etnopedologia, com foco em manejo do solo em agricultura familiar.

Herbert Cavalcante de Lima, Embrapa Cerrados

Pesquisador em tecnologia de alimentos

Referências

AGROECOLOGIA EM REDE. Vereda Funda: geraizeiros lutam pela reconquista de suas terras e
modos tradicionais de vida. Publicado em 2010 no link: <http://www.agroecologiaemrede.org.
br/experiencias.php?experiencia=981#.> Acesso: 07 ago. 2014.
ALMEIDA, A. W. B. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livre”, “castanhais do povo”,
faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. Manaus, PGSCA/UFAM. 2008.
192p.
ANA ”“ ARTICULAÇÃO NACIONAL DE AGROECOLOGIA. Primeiro Projeto Agroextrativista do Incra/
MG faz resistência à monocultura. Rio de Janeiro, Secretaria Executiva da ANA. Disponível
em: <http://www.agroecologia.org.br/index.php/noticias/noticias-para-o-boletim/540-primeiro-
projeto-agroextrativista-do-incra-mg-faz-resistencia-a-monocultura>. Acesso: 14 ago. 2014.
BAL, P.; CASTELLANET, C.; PILLOT, D. Faciliter l’émergence et la diffusion des innovations. In:
CIRAD/GRET. Memento de l’agronome. France: Ministére dês Affaires Etrangères, 2002. p.373-
405.
BRITO, I. C. B. Comunidade, território e complexo industrial florestal ”“ o caso de Vereda Funda
”“ Norte de Minas Gerais. (Dissertação de Mestrado). Montes Claros, Unimontes, 2006. 154p.
CARRARA, A. A. “Chacras de café sombreado” ”“ Sistema agroflorestal geraizeiro. In: VII Congresso
Brasileiro de Sistemas Agroflorestais, Brasília, 2009. Anais. Disponível em: <http://www.sct.
embrapa.br/cdagro/tema04/04tema19.pdf.> Acesso: 13 ago. 2014.
CORREIA, J. R. Projeto Rio Pardo de Minas: construindo uma experiência de pesquisa e desenvolvimento
com comunidades de agricultores e extrativistas no cerrado do norte de Minas Gerais.
In: BALSADI, O. V.; CRUZ, M. C.; VERNE, M. C.; PEREIRA, V. F.; SICOLI, A. H. Transferência de
tecnologia e construção do conhecimento. Brasília, Embrapa, 2013. p.285-301.
CORREIA, J. R.; ANJOS, L. H. C.; LIMA, A. C. S.; NEVES, D. P.; TOLEDO, L. O.; CANDERANO FILHO,
B.; SHINZATO, E. Relações entre o conhecimento de agricultores e de pedólogos sobre solos:
estudo de caso em Rio Pardo de Minas, MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Campinas,
v.31, n.5, 2007. p.1045-1057.
CORREIA, J. R.; BUSTAMANTE, P. G.; VILELA, M. F.; SANO, S. M.; CAVECHIA, L. A.; LIMA, H. C.;
LIMA, I. L. P.; OLIVEIRA, W. L. Um olhar sobre a relação “geraizeiros” e pesquisadores formais
na busca de alternativas de uso sustentável dos recursos naturais no norte do estado de Minas
Gerais, Brasil. Goiânia, Ateliê Geográfico, v.5 n.14, 2011. p.169-191.
CORREIA, J. R.; BUSTAMANTE, P. G.; EMPERAIRE, L.; MITJA, D. Desafios da pesquisa participativa
e restituição em projeto de pesquisa junto a pequenos agricultores, Cahiers des Amériques Latines.
Vol. 72-73, 2013. Disponível a partir de 03/01/2014, Acesso: 30 mar 2015. URL: http://cal.
revues.org/2846; DOI: 10.4000/cal.2846
CORREIA, J. R.; LIMA, H. C.; DIAS, J. P.; OLIVEIRA, M. D.; ALMEIDA, R. Desafios na construção
participativa de um policultivo em área de chapada no norte de Minas Gerais. In: X Congresso
Brasileiro de Sistemas de Produção. Foz do Iguaçu, Sociedade Brasileira de Sistemas de Produção,
2014. Anais. Disponível em: <http://sbspanais.com.br>. Acesso: 19 jun. 2014.
CURTADOC: UMA JANELA PARA O DOCUMENTÁRIO LATINO-AMERICANO. Romaria do Areião.
Florianópolis. Contraponto. Disponível em: <http://curtadoc.tv/curta/direitos-humanos/romaria-
do-areiao/.> Acesso: 29 mar. 2015.
DAYRELL, C. Os geraizeiros descem a serra ou a agricultura de quem não aparece nos relatórios
dos agrobusiness. In: LUZ, C. e DAYRELL, C.(orgs.). Cerrado e desenvolvimento: tradição e atualidade.
Montes Claros: Max Gráfica e Editora, 2000.
EMBRAPA. Marco referencial em agroecologia. Brasília, Embrapa Informação Tecnológica, 2006.
70p.
FIALHO, J. F. Seleção participativa de variedades de mandioca na agricultura familiar. Planaltina,
Embrapa Cerrados, 2011. 76p.
FROES, L. T. M. Todo mundo pela família: gestão feminina e vida familiar diante do assalariamento
sazonal dos homens. (Dissertação de Mestrado). Niterói, UFF, 2012. 113p.
IBGE ”“ INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Número de estabelecimentos e
Área dos estabelecimentos agropecuários por condição legal das terras, condição do produtor
em relação às terras, grupos de atividade econômica e grupos de área total. IBGE, Banco de
dados SIDRA. Censo Agropecuário, 2006. Tabela 1244.
IBGE ”“ INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades@. Disponível em: <http://
cod.ibge.gov.br/1KTL>. Acesso: 06 ago. 2014a.
IBGE ”“ INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades@. Disponível em: <http://
cod.ibge.gov.br/3UWU>. Acesso: 06 ago. 2014b.
INCRA ”“ INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. Primeiro projeto agroextrativista
do INCRA-MG faz resistência à monocultura. Brasília, INCRA. (Sala da Cidadania, publicado
em 16/09/2013). Disponível em: <http://www.incra.gov.br/primeiro-projeto-agroextrativista-
do-incra-mg-faz-resistencia-a-monocultura>. Acesso: 29 mar. 2015.
MACHADO, C. T. de T.; FERNANDES, S. G.; VILELA, M. de F.; CORREIA, J. R.; FERNANDES, L. A. Caracterização
dos sistemas de produção em propriedades de pequenos agricultores da comunidade
Água Boa 2, em Rio Pardo, MG. (Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 229). Planaltina,
DF: Embrapa Cerrados, 2008. 59p.
MARCATTI, B.; MONTEIRO, E. C. Os impactos da monocultura de eucalipto sobre a juventude
“geraizeira” de Rio Pardo de Minas Gerais ”“ MG. Cadernos de Agroecologia, v. 8, n.2, 2013. Disponível
em: <http://www.aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/cad/article/view/15050>.
Acesso: 29 mar. 2015.
MEYER, G.; da MOTA, D. M.; CORRÊA, R. O. Construção de saberes com agricultores familiares
no nordeste Paraense. Interações, v.12, n.1. p.19-29. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.
br/pdf/inter/v12n1/03.pdf>. Acesso: 12 ago. 2014.
MONTEDO, U. B.; LIMA, H. C.; CORREIA, J. R.; AGOSTINHO, M. L.; DIAS, J. P.; Intercâmbio de
experiências e levantamento de demandas ergonômicas em unidades de beneficiamento de
frutos do cerrado, mandioca e café em comunidades do norte de Minas Gerais. In: X Congresso
Brasileiro de Sistemas de Produção, Foz do Iguaçu, SBSP, 2014. Anais. Disponível em: <http://
sbspanais.com.br/>. Acesso: 13 ago. 2014.
MOTA, E. A. D. Saberes e conhecimentos docentes: experiências da formação e experiências da
profissão. (Dissertação de mestrado em Educação). Campinas, Universidade de Campinas, 276p.
2005. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000354550>. Acesso: 12
ago. 2014.
MPMG ”“ MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS. Após luta de comunidades geraizeiras e
apoio do MPMG, reserva de desenvolvimento sustentável é criada no norte de Minas. Belo Horizonte,
MPMG, (Notícias/Meio Ambiente, 20/10/2014). Disponível em: <https://www.mpmg.
mp.br/>. Acesso: 29 mar. 2015.
OLIVEIRA, W. L. Ecologia populacional e extrativismo de frutos de Caryocar brasiliense Camb.
no cerrado no norte de Minas Gerais. (Dissertação de Mestrado). Brasília, Departamento de
Ecologia da UnB, 2009. 82p.
OLIVEIRA, W. L.; SCARIOT, A. Boas práticas de manejo para o extrativismo sustentável do pequi.
Brasília, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, 2010. 84p. Disponível em: <http://www.
ispn.org.br/arquivos/Pequi2.pdf>. Acesso: 13 ago. 2014.
RIBEIRO, J. F.; WALTER, B. M. T. As principais fitofisionomias do bioma cerrado. In SANO, S. M.;
ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F. Cerrado: ecologia e flora. Embrapa Cerrados, Planaltina, 2008.
p.151-212.
RIBEIRO, R. F. “Certão-Serrado”: história ambiental e etnoecologia na relação entre populações
tradicionais de Minas Gerais e o bioma do Brasil central. (Tese de doutorado). Rio de Janeiro:
UFRJ, 2001. 1189 p.
SABOURIN, E. Camponeses no Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. Rio de Janeiro,
Garamond, 2009. 336p.
SANO, S. M.; CELESTINO, S. M.; SILVA, A. J.; SILVA, L. R. A.; LIMA, H. C. Manejo do maracujá nativo
(Passiflora cincinnata) e rendimento de polpa para a cooperativa de agricultores familiares no
semiárido, Rio Pardo de Minas, MG. In: X Congresso Brasileiro de Sistemas de Produção, Foz do
Iguaçu, SBSP, 2014. Anais. Disponível em: <http://sbspanais.com.br/>. Acesso: 13 ago. 2014.
SILVA, F. A. M. da; SCOPEL, E.; XAVIER, J. H. V.; TRIOMPHE, B. Processos de inovação em plantio
direto no cultivo de milho grão sequeiro para agricultura familiar. In: OLIVEIRA, M. N. de; XAVIER,
J. H. V.; ALMEIDA, S. C. R. de; SCOPEL, E. Projeto Unaí: pesquisa e desenvolvimento em
assentamentos de reforma agrária. Brasília: Embrapa Informação Tecnológica, 2009. p.183-217.
TEMPLE, L.; CASABIANCA, F.; KWA, M. La caractérisation des résultats de la recherche-action en
partenariat. In : FAURE, G. ; GASSELIN, P. ; TRIOMPHE, B. ; TEMPLE, L. ; HOCDÉ, H. Inover avec
les acteurs du monde rural: la recherche-action en partenariat. Versailles, Éditions Quae. 2010.
p.157-168.
TERWIESCH C.; ULRICH, K. Innovation tournaments ”“ creating and selecting exceptional opportunities.
Boston: Harvard Business Press, 2009.
TRIOMPHE, B; SABOURIN, E. Atelier construction d’innovation en partenariat. CIP. Brasília: Cirad,
Embrapa, UnB, 2006. 1 CD-ROM.
UZUNIDIS, D. Cycles, innovation et limites du capitalisme. In: Boutillier, S.; Coppin, O.; Laperche,
B.; Uzinidis, D.; Ziel, J. Innovation, accumulation et valeur. Documents de Travail. Dunkerque,
Cahiers du Lab. RII, n. 26, 1999. 31p. Disponível em: <http://riifr.univ-littoral.fr/wp-content/
uploads/2007/04/doc26.pdf>.Acesso: 13 ago. 2014.
UZUNIDIS, D.; BOUTILLIER, S. Innovation et proximité: entreprises, entrepreneurs et milieux innovateurs.
Réseau de Recherche sur l´Innovation. Documents de Travail n. 10, 2010. Disponível
em: <http://rrifr.univ-littoral.fr/wp-content/uploads/2010/01/doc10rri.pdf>. Acesso: 14 ago.
2014.
XAVIER, J. H. V. Avaliação de sistemas de cultivo de milho grão sequeiro no contexto da agricultura
familiar: uma aplicação da metodologia multicritério de apoio à decisão (MCDA). (Tese de
Doutorado). Pelotas, Universidade Federal de Pelotas, 2010. 318p. Disponível em: <http://www.
bdpa.cnptia.embrapa.br/busca>.

Downloads

Publicado

2015-04-30

Como Citar

Correia, J. R., & Lima, H. C. de. (2015). Inovações Técnicas e suas Relações com Inovações Sociais e Institucionais no Norte de Minas:: experiências com agricultores familiares em Rio Pardo de Minas, MG. Sustentabilidade Em Debate, 6(1), 138–154. https://doi.org/10.18472/SustDeb.v6n1.2015.11489

Edição

Seção

Artigos