A relação entre terra, natureza e modo de vida entre camponeses no romance Torto Arado

Autores

  • Maria Virginia de Almeida Aguiar UFRPE, Recife, PE - Brasil

Palavras-chave:

agroecologia, campesinato negro, Nordeste, literatura

Resumo

O texto apresenta reflexões sobre o campesinato nordestino à partir da análise do romance “Torto Arado”, de Itamar Vieira Júnior, sob o referencial da Agroecologia e dos estudos camponeses. Aborda a memória biocultural de uma família negra que viveu na Bahia nas “brechas” do latifúndio, reproduzindo um modo de vida tradicional mediado pela ancestralidade, a religiosidade, a terra e a natureza. Aporta subsídios para a construção do conhecimento agroecológico na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Virginia de Almeida Aguiar, UFRPE, Recife, PE - Brasil

graduação em Agronomia (1990) e especialização em Educação Ambiental (1994) pela Universidade Federal de Mato Grosso e doutorado em Agroecologia, Sociologia y Desarrollo Rural Sostenible pela Universidade de Córdoba/Espanha (2007), reconhecido pelo Programa de Posgraduação em Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Trabalhou ultimamente como consultora - Programas das Nações Unidas para o Desenvolvimento no Brasil e no Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura em projetos voltados para a agricultura familiar vinculados ao Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ministério do Desenvolvimento Agrário/Secretaria da Agricultura Familiar. Atualmente é professora de Extensão Rural na Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval M. de. Torto arado é literatura regionalista? Diário do Nordeste, 2021. Disponível em: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/opiniao/colunistas/durval-muniz-de-albuquerque-jr/torto-arado-e-literatura-regionalista-1.3129508. Acesso em: 27 set 2022.

BRANDÃO, Carlos R. Sobre a tradicionalidade rural que há em nós. In: OLIVEIRA, Ariovaldo U. de; MARQUES, Marta I. M. O campo no século XXI. 1ª ed. São Paulo: Ed. Paz e Terra/Casa Amarela, 2004. p. 121-131

CANDIDO, Antônio. Literatura e subdesenvolvimento. In: CANDIDO, Antônio. A educação pela noite & outros ensaios. 1ª ed. São Paulo: Ática, 1989. p. 140-162. Disponível em: https://www.ufrgs.br/cdrom/candido/candido.pdf. Acesso em: 27 set 2022.

CARDOSO, Ciro F. S. Escravo ou Camponês? O proto-campesinato negro nas Américas. 1ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987. 126p

CELESTINO, Maria Clara L. A mímesis como mediadora entre geografia e literatura em Torto Arado de Itamar Vieira Júnior. In: ENANPEGE, 14a ed. 2021, Campina Grande. ANAIS DO XIV ENANPEGE: Campina Grande: Realize Editora, 2021. p. 1-17. Disponível em: https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/77795. Acesso em: 17/05/2022

DABAT, Christine Rufino. Moradores de engenho: relações de trabalho e condições de vida dos trabalhadores rurais na zona canavieira de Pernambuco, segundo a literatura, a academia e os próprios atores. 1ª ed. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012. 870p.

GARCIA, Afrânio. O Sul: caminho do roçado. Estratégias de reprodução camponesa e transformação social. 1ª ed. São Paulo, Editora Marco Zero, 1989. 286p.

HEREDIA, Beatriz M. A. A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil. 1ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979. 164p.

MAESTRI, Mário e FIABANI, Aldemir. O mato, a roça e a enxada: a horticultura quilombola no Brasil escravista (séculos XVI-XIX). In MOTTA, Márcia e ZARTH, Paulo (org.). Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflitos ao longo da história. Vol. I. São Paulo: Ed. Unesp; Brasília: MDA/NEAB, 2008. p. 63-84

OLIVEIRA, Joana. “Tudo em ‘Torto arado’ é presente no mundo rural do Brasil. Há pessoas em condições análogas à escravidão”. El País, 2020. Disponível em http://sertaobaiano.com.br/noticia/tudo-em-torto-arado-e-presente-no-mundo-rural-do-brasil. Acesso em: 27 set 2022.

PALACIOS, Guilhermo. Campesinato e escravidão no Brasil: agricultores livres e pobres na Capitania Geral de Pernambuco (1700-1817). 1ª ed. Brasília: Editora da UNB, 2004. 380p

SABOURIN, Eric. Camponeses do Brasil: entre a troca mercantil e a reciprocidade. 1ª ed. Rio de Janeiro: Garamound, 2009. 336p.

SILVA, José N. da A atualidade do campesinato negro no nordeste brasileiro e suas contribuições para a construção do conhecimento agroecológico. Revista Brasileira de Agroecologia, v. 14, n. 2, p. 80-96, 2019

TOLEDO, Victor. M. e BARRERA-BASSOLS, Narciso. A Memória Biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. 1ª ed. São Paulo/Rio de Janeiro: Expressão Popular/ASPTA, 2015. 225p.

VIEIRA JUNIOR, Itamar R. Trabalhar é tá na luta. Vida, morada e movimento entre o povo da Iuna, Chapada Diamantina. 2007. 293p. Tese (Doutorado em Estudos Étnicos e Africanos). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/trabalhoConclusao/viewTrabalhoConclusao.jsf?popup=true&id_trabalho=6228834. Acesso: 27 set 2022.

VIEIRA JUNIOR, Itamar. Torto Arado“Torto Arado”. 1ª ed. São Paulo: Todavia, 2019. 264p.

WOORTMAN, Ellen. Práticas eco-agrícolas tradicionais: ontem e hoje. Retratos de Assentamentos, v. 14, n.2, p. 15 a 32, 2011. Disponível em: https://retratosdeassentamentos.com/index.php/retratos/article/view/91. Acesso em: 27 set 2022.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Edição

Seção

Notas Agroecológicas

Artigos Semelhantes

<< < 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.