A Análise do discurso e lugares do dizer –topoi e tropismos em tempos de resistência política: o caso Georg Floyd

Análise do discurso e lugares do dizer – topoi e tropismos em tempos de resistência política: o caso Georg Floyd Discourse Analyses and spech´s place – topies and tropisms in time of politic resistence: the case Georg Floyd

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.35956/v.20.n2.2020.p.133-155

Palabras clave:

Paratopía. Cuerpo. Negro. Resistencia. Discurso.

Resumen

Este artículo tiene por objetivo analizar los lugares del decir en la sociedade, partiendo de concepciones topológicas y discursivas traídas por Maingueneau (2006, 2008 y 2010) y ampliadas por el eje de estúdios sobre el discurso e identidad del pueblo negro. Davis (2015) en lo que concierne a la relación resistencia y clase; Buttler (2017) y Goffman (2012) respeto a las concepciones relativas a los cuerpos de los sujetos y Courtine (2014) y Foucault (1984 y 2000) respeto a los aspectos relativos al discurso político y confrontos para la comprensión de tropismos discursivos. Se trata de una investigación de orden interpretativo dirigida por el Analisis del Discurso (AD). Para eso, presenta un analisis sobre lugares del decir y las condiciones socio-históricas de producción, teniendo como eje y objeto el analisis del caso Georg Floyd cuyas escenas de enunciación se nos presentan elementos (para)tópicos, atópicos, mimotópicos y tropismos en movimientos discursivos que se vuelven acciones de resistencia política.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Rosangela Carreira, Universidade Federal de Goiás/UFG

Possui graduação em Letras - Português/Espanhol pela Universidade de São Paulo, mestrado e doutorado em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e MBA em Gestão e Inovação em EaD pela USP. Atualmente, é professora efetiva de Leitura e Produção de Textos da UFG (Universidade Federal de Goiás). É líder do Grupo de Pesquisa Discurso Cultura e Ensino (DICE). Faz parte também do grupo de pesquisa da PUC/SP: Memória e Cultura na Língua Portuguesa escrita no Brasil e Discurso e Cultura (DISCULT). Também iniciou recente Projeto de Pesquisa e Estudos em Linguística Forense e sua relação com AD e criadora do grupo DICE em Rede formado por pesquisadores de diferentes instituições nacionais e internacionais para divulgação científica e uma das criadoras e líderes do GELF (Grupo de Estudos em Linguística Forense).

Ramon Chaves, Pontifícia Universidade Católica/SP - PUC

Doutor em Língua Portuguesa, membro do Grupo de pesquisa e estudo Discurso e Cultura, desde 2010. Pós-doutorando do Programa de estudos pós-graduados em Língua Portuguesa da PUC-SP.

Citas

Benveniste, E. 2005. Problemas de linguística geral I. Trad.: M. G. Novak; M. L. Neri. 5. ed. Campinas: Pontes.

Bhabha, H. K. 1998. [Disponível na internet em http://pt.scribd.com/doc/57777015/Bhabha-

-Homi-K-O-Local-Da-Cultura#scribd]. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG. [Consulta: 05 de dezembro de 2014].

Bosi, A. 2002. Literatura e Resistência. São Paulo: Companhia das Letras.

Butler, J. 2017. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica.

Charaudeau, P. e Maingueneau, D. 2004. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo:

Ed. Contexto.

Courtine, J. 2014. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São

Paulo: EdUFSCar.

Davis, A. 2016. Mulheres, Raça e Classe. Trad. Heci Regina Candiani São Paulo: Boitempo.

Foucault, M. 2000. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma

Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. 1984. Microfísica do poder. 4ª. Ed. Rio de Janeiro: Graal.

Goffman, E. 2012. Estigma: notas sobre a manipulação da imagem deteriorada. Trad. Márcia Bandeira de Mello Leite Nunes. 4ª ed. Rio de Janeiro: GEN/LTC.

Hall, E. T. 1977. A dimensão oculta. Rio de Janeiro: Francisco Alves (originalmente publicado em 1966).

Hall, E. T. 1959. The silent lenguage. New York: Doubleday.

Maingueneau, D. 2010. Doze conceitos em análise do discurso. San Pablo: Parábola Editorial.

Maingueneau, D. 2015. Discurso e Análise de Discurso. Trad. Sírio Possenti. 1ª ed. São Paulo: Parábola.

Maingueneau, D. 2006. Discurso literário. São Paulo: Contexto.

Mbembe, A. 2018. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Trad. Renata Santini. Rio de Janeiro: UFRJ.

Popper, K. 2013. The Open Society and Its Enemies. Em The Spell of Plato, 1945 (Routledge, United Kingdom): Princeton Ed.

Ribeiro. D. 2017. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento.

Seguin, A-L. A. 2016. [Disponível na internet em https://cutt.ly/lpNTfkd]. Evolução da Geografia Política. Em A. C. P. da Silva. (Org). Geografia Política, Geopolítica e gestão do território: racionalidades e práticas em múltiplas escalas. Rio de Janeiro: Gramma. [Consulta: 02 de julho de 2020].

Orlandi, E. 2003. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.

Publicado

2020-12-16

Cómo citar

Carreira, R., & Chaves, R. (2020). A Análise do discurso e lugares do dizer –topoi e tropismos em tempos de resistência política: o caso Georg Floyd: Análise do discurso e lugares do dizer – topoi e tropismos em tempos de resistência política: o caso Georg Floyd Discourse Analyses and spech´s place – topies and tropisms in time of politic resistence: the case Georg Floyd. Revista Latinoamericana De Estudios Del Discurso, 20(2), 133-155. https://doi.org/10.35956/v.20.n2.2020.p.133-155

Número

Sección

Artículos