Benefícios da implantação de um sítio Ramsar no Amapá para mitigação dos impactos das mudanças climáticas na região

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n34.2023.11

Palavras-chave:

clima, áreas úmidas, sustentabilidade, hidrologia

Resumo

A qualidade das áreas úmidas está intrínseca ao equilíbrio sistêmico do ecossistema. O crescimento urbano desordenada influência nas ocupações das áreas de ressacas. Junto aos impactos causados pelas mudanças climáticas, esse problema torna necessária o estudo de soluções sustentáveis e urgentes. Diante desta importância nacional e internacional das áreas úmidas frente a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas e manutenção da qualidade de vida da população, o presente trabalho discute os impactos causados pelas mudanças climáticas e a possível mitigação através da implantação de uma área classificada como sítio Ramsar no Amapá, visando a conservação e proteção das bacias Igarapé da Fortaleza e Lagoa dos Índios. Nesse viés, analisou-se as políticas públicas existentes e projetos que tratam do meio ambiente e da implantação de unidades de conservação das áreas de ressaca a fim de remediar os impactos, de modo a tratar e recuperar o meio ambiente, visando desenvolvimento sustentável, bem como se investigou os benefícios de tais ações. Diante da pesquisa, verifica-se que apesar do arcabouço legal de proteção de tais áreas, pouco se fez efetivamente, a implantação do sítio nessas áreas é necessária considerando as ocupações irregulares e minimização dos impactos presentes e futuros decorrentes das mudanças climáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio Dias da Conceição Neto, Universidade Federal do Amapá, Faculdade de Engenharia Civil

Acadêmico de Engenharia Civil pela Universidade Federal do Amapá no 9º semestre e acadêmico de Engenharia da computação 4º semestre. Interesso-me pela gestão de centros urbanos, com ênfase em tecnologias ambientais que venham combater os impactos causados pelo homem, tendo em vista a ciência e tecnologia como mecanismos mitigadores dessa problemática. Nesse sentido, publiquei o artigo “Coleta seletiva em Macapá: avanços e entraves para implantação” como coautor nos anais do 1º Congresso Científico Macapá 300 anos.

Vitória Carneiro Figueiredo, Universidade Federal do Amapá, Faculdade de Engenharia Civil

Acadêmica de Engenharia Civil pela Universidade Federal do Amapá no 9º semestre. Possuo interesse na área de saneamento básico devido às problemáticas vistas em meu estado principalmente e a consciência de que a informação e ciência podem transformar e salvar o mundo. Nesse sentido, participei como bolsista do projeto de extensão da universidade de ressignificação da Ponte Sérgio Arruda no município de Macapá na área de recursos hídricos, mais especificamente na elaboração do diagnostico técnico. Além disso, publiquei e apresentei oralmente o artigo “Coleta seletiva em Macapá: avanços e entraves para implantação” como autora principal nos anais do 1º Congresso Científico Macapá 300 anos.

Ana Karine Gonzaga, Universidade Federal do Amapá, Faculdade de Engenharia Civil

Acadêmica de Engenharia Civil pela Universidade Federal do Amapá no 9º semestre. Possuo interesse na área de saneamento básico devido às necessidades que a população tem com a precariedade desse sistema. Acredito que através de pesquisas científicas sobre o real panorama na região é possível reverter esse quadro.

 

Pâmela Nunes Sá, Universidade Federal do Amapá, Faculdade de Engenharia Civil

Graduada no curso de Engenharia ambiental pela Universidade do Estado do Amapá e mestre em Engenharia ambiental pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Londrina e Apucarana, com ênfase em Saneamento Básico Professora efetiva do Magistério superior na Universidade Federal do Amapá pelo curso de Engenharia Civil na área de recursos hídricos. Participou da elaboração de seis planos municipais de saneamento básico nos municípios do Estado do Amapá, principalmente na área de resíduos sólidos, participou da elaboração no plano diretor do campus Marco Zero da Universidade Federal do Amapá e participou do projeto de ressignificação da Ponte Sérgio Arruda no município de Macapá na elaboração do diagnostico técnico.

Referências

AMAPÁ (Estado). Ministério Público do Estado do Amapá.TAC da Lagoa dos Índios: GEA apresenta ao MP-AP projeto de parque incluso em cláusula de acordo ambiental. Macapá, 2020. Dísponível em: <https://www.mpap.mp.br/noticias/gerais/tac-da-lagoa-dos-indios-gea-apresenta-ao-mp-ap-projeto-de-parque-incluso-em-clausula-de-acordo-ambiental-4>. Acesso em: 18 nov. 2022.

AMAPÁ (Estado). Website da Agência de Desenvolvimento Econômico do Governo do Amapá. Disponível em: <https://ageamapa.portal.ap.gov.br/conteudo/por-que-o-amapa/dados-geograficos>. Acesso em: 18 nov. 2022.

AMAPÁ (Estado). Website da Agência de Desenvolvimento Econômico do Governo do Amapá. Disponível em: <https://ageamapa.portal.ap.gov.br/conteudo/por-que-o-amapa/dados-geograficos>. Acesso em: 18 nov. 2022.

ARAGÃO, L. E. O. C. et. al. Fingerprints of the 1997/1998 and 2005 droughts in Amazonian rainforests. Geophys. Res. Lett. 34, L07701. (doi:10.1029/2006GL028946), 2007.

Baker, L.A., Brazel, A.J., Selover, N. et al. Urbanization and warming of Phoenix (Arizona, USA): Impacts, feedbacks and mitigation. Urban Ecosystems 6, 183–203 (2002). https://doi.org/10.1023/A:1026101528700

BASTOS, C. M. C. B. RESSACA E COMUNIDADE LAGOA DOS ÍNDIOS EM MACAPÁ/AP: ENTRELAÇAMENTO DO PATRIMÔNIO AMBIENTAL CULTURAL. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, n. 11, p. 151–161, 2019.

BRASIL. Agência Nacional de Águas. Mudanças Climáticas e Recursos Hídricos: avaliações e diretrizes para adaptação / Agência Nacional de Águas. – Brasília: ANA, GGES, p. 93, 2016.

BRASIL. Amazônia. Disponível em: <https://www.gov.br/suframa/pt-br/assuntos/amazonia>. Acesso em: 25 nov. 2022.

BRASIL. DECRETO No 84.913, DE 15 DE JULHO DE 1980. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/atos/decretos/1980/d84913.html>. Acesso em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Ministério do meio ambiente. Disponível em: <https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/instrumentos-de-gestao/s%C3%ADtios-ramsar.html>. Acesso em: 28 fev. 2023.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Disponível em: <https://cnuc.mma.gov.br/powerbi>. Acesso em: 26 jan. 2023.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Sítios Ramsar brasileiros. 2021. Disponível em: <https://www.gov.br/mma/pt-br/assuntos/ecossistemas-1/areas-umidas/sitios-ramsar-brasileiros>. Acesso em 26 fev. 2023.

BRASIL. Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima. [s.l: s.n.]. Brasília. 2016. Disponível em: <https://www4.unfccc.int/sites/NAPC/Documents/Parties/Brazil%20PNA%20Portuguese.pdf>. Acesso em: 28 fev. 2023.

CAVALHEIRO, F.; NUCCI, J. C. Espaços livres e qualidade de vida urbana. Paisagem Ambiente. São Paulo - Ensaios, n.11, p. 279-288, 1998. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2022.

COP13, 13th Meeting of the Conference of the Contracting Parties to the Ramsar Convention on Wetlands (2018) Draft resolution on conservation and management of small wetlands. (October): 13–14.

CUNHA, A.; SOUSA, J.; GOMES, W.; BAÍA, J.; CUNHA, H. Estudo Preliminar Sobre a Variação Espaço-Temporal de Parâmetros de Qualidade de Água no Igarapé da Fortaleza. p. 105 -136. In: TAKIYAMA, L.R.; SILVA, A.Q. da (Orgs.). Diagnóstico das Ressacas do Estado do Amapá: Bacias do Igarapé da Fortaleza e Rio Curiaú, Macapá/AP, CPAq/IEPA e DGEO/SEMA, 2004. p.105 - 136. 2003.

DOWNING, JA.Emerging global role of small lakes and ponds: Little things mean a lot. Limnetica 29(1): 9– 24. 2010. Disponível em: <https://doi.org/10.4103/0019-5359.100336>. Acesso em: 26 jan. 2023.

EMBRAPA. Guias do Bioparque de Macapá são capacitados sobre dados técnicos de áreas de ressacas. 2020. News. Disponível em: . Acesso em: 20 de nov. de 2022.

GEA/AP. COP-27: Amapá apresenta projeto de criação do maior parque metropolitano do mundo. Disponível em: <https://www.portal.ap.gov.br/noticia/1111/cop-27-amapa-apresenta-projeto-de-criacao-do-maior-parque-metropolitano-do-mundo>. Acesso em: 24 nov. 2022.

GONÇALVES, S.; ROCHA, F. T. Caracterização da Arborização Urbana do Bairro de Vila Maria Baixa. Revista Cientifica UNIVOLE, São Paulo, v.2, p. 67–75, 2003.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Amapá - Macapá e Santana. Censo 2010. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados>. Acesso em: 20 nov. 2022.

ICMBIO. ICMBio - Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Sudeste e Sul - Dia Mundial das Áreas Úmidas. Disponível em: <https://www.icmbio.gov.br/cepsul/destaques-e-eventos/670-dia-mundial-das-areas-umidas.html>. Acesso em: 28 fev. 2023.

IPCC, 2013: Resumo para Decisores. In: Climate Change 2013: The Physical Science Basis. Contribuição do Grupo de Trabalho I para o Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas [Stocker, T.F., D. Qin, G.-K. Plattner, M. Tignor, S.K. Allen, J. Boschung, A. Nauels, Y. Xia, V. Bex and P.M. Midgley (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, Reino Unido e Nova Iorque, NI, EUA.

JUNK, W. J. et al. Definição e Classificação das Áreas Úmidas (AUs) Brasileiras: Base Científica para uma Nova Política de Proteção e Manejo Sustentável (Versão resumida para a sociedade civil e os tomadores de decisão*). [s.l: s.n.]. Disponível em: <http://www.cppantanal.org.br/wp-content/uploads/2015/06/14-12-2012.pdf>. Acesso em: 28 fev. 2023.

LUIZ BOZELLI, R. et al. PEQUENAS ÁREAS ÚMIDAS: IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO E GESTÃO DA BIODIVERSIDADE BRASILEIRA. Diversidade e Gestão, v. 2, n. 2, p. 122–138, 2018. MACAPÁ, Prefeitura Municipal de. Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental de Macapá, 2004.

MACHADO, R. M.; MALTCHIK, L. Convenção de Ramsar, garantia legal de preservação das áreas úmidas. Disponível em: <https://www.ihuonline.unisinos.br/artigo/5293-paulo-rogerio-goncalves>. Acesso em: 27 fev. 2023.

MARENGO, J. A. Água e mudanças climáticas. Estudos Avançados, v. 22, n. 63, p. 83–96, 2008. Disponível em:<https://www.scielo.br/j/ea/a/fXZzdm68cnzzt6Khr8zYx3L/?format=pdf&lang=pt>. Acesso em: 20 set. 2022.

MARENGO, J.; SOUZA, C. Mudanças Climáticas: impactos e cenários para a Amazônia (R. Baleia, Ed.). São Paulo: Greenpeace, dez. 2018. Disponível em: <https://www.oamanhaehoje.com.br/assets/pdf/Relatorio_Mudancas_Climaticas-Amazonia.pdf>. Acesso em: 24 nov. 2022.

MARETTI, Cláudio C. et al. Marine and coastal protected and conserved areas strategy in Brazil: Context, lessons, challenges, finance, participation, new management models, and first results. Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems, v. 29, p. 44-70, 2019.

MEDEIROS, J. M. M., Uliana, B. B. Áreas de preservação permanente urbanas em Macapá: um grande parque nas margens da Lagoa dos Índios.Seminário de arquitetura e moderna na amazônia. Belém, 2018. Disponível em: . Acesso em 20 nov. 2022.

MEDEIROS, J. M. M.; ROMERO, M. A. B., MEDEIROS, M. M., ARAÚJO, D. S. Conflitos e Possibilidades em Áreas de Preservação Permanente Urbanas na Amazônia - Estudo na Lagoa dos Índios. Revista Paranoá, n.20 - FLUXO CONTÍNUO. N. 20, p. 1-12, jan/jun. 2018. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/24048/21566>. Acesso em 23 nov 2022.

MEDEIROS, J. M.; ULIANA, B. B.; ARAÚJO, D. S. Áreas de preservação permanente urbanas e parques lineares na Região Norte: conflitos na Lagoa dos Índios, Macapá – Amapá. 2020. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/risco/article/view/157659#:~:text=Resumo,de%20Macap%C3%A1%2C%20capital%20do%20Amap%C3%A1.> Acesso em: 15 nov. 2022.

MEDEIROS, José Marcelo. Parques Lineares ao longo de corpos hídricos urbanos: Conflitos e possibilidades; O caso da Orla do Lago Paranoá. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2016.

NOBRE, C. Vulnerabilidades das Megacidades Brasileiras às Mudanças Climáticas: Região Metropolitana de São Paulo. Disponível em: <https://www.academia.edu/37789024/Vulnerabilidades_das_Megacidades_Brasileiras_%C3%A0s_Mudan%C3%A7as_Clim%C3%A1ticas_Regi%C3%A3o_Metropolitana_de_S%C3%A3o_Paulo?bulkDownload=thisPaper-topRelated-sameAuthor-citingThis-citedByThis-secondOrderCitations&from=cover_page>. Acesso em: 24 nov. 2022.

Pattison-Williams JK, Pomeroy JW, Badiou P, & Gabor S (2018) Wetlands, Flood Control and Ecosystem Services in the Smith Creek Drainage Basin: A Case Study in Saskatchewan, Canada. Ecological Economics 147(December 2017): 36–47. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.ecolecon.2017.12.026>. Acesso em: Acesso em: 26 jan. 2023.

PBMC, 2016: Impacto, vulnerabilidade e adaptação das cidades costeiras brasileiras às mudanças climáticas: Relatório Especial do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas [Marengo, J.A., Scarano, F.R. (Eds.)]. PBMC, COPPE - UFRJ. Rio de Janeiro, Brasil. 184 p. ISBN: 978-85-285-0345-6.

PBMC. Mudanças no clima do Brasil até 2100. Disponível em: <http://pbmc.coppe.ufrj.br/index.php/en/news/367-mudancas-no-clima-do-brasil-ate-2100>.

PODER 360. COP 27: Amapá apresenta projeto do maior parque ambiental do mundo. 2022. Disponível em: <https://www.poder360.com.br/meio-ambiente/cop27-amapa-apresenta-projeto-do-maior-parque-ambiental-do-mundo/>. Acesso em: 13 nov. 2022.

ROCHA, V. M. Um breve comentário a respeito do IPCC AR6. ENTRE-LUGAR, [S. l.], v. 12, n. 24, p. 396–403, 2021. DOI: 10.30612/rel.v12i24.15253. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/entre-lugar/article/view/15253. Acesso em: 25 fev. 2023.

RODRIGUES, M.; JUNIOR, O. Panorama Geral da Zona Costeira do Estado do Amapá. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/rbgfe/article/view/247076>.

SILVA, L. S. E; TRAVASSOS, L. Problemas ambientais urbanos: desafios para a elaboração de políticas públicas integradas. Cadernos Metrópole, n. 19, 2008.

TAKIYAMA, L.; SILVA, L.; JIMENEZ, A.; PEREIRA, A.; ZACARDI, M.; FERNANDES, F.; SOUTO, F; SILVA, A.; SILVA, M.; SANTOS, C.; NETO, C.; SANTOS, C. Zoneamento Ecológico Econômico Urbano das Áreas de Ressacas de Macapá e Santana, Estado do Amapá. Relatório Técnico. Macapá, 2012.

TOZATO, Heloisa C, (2017). Gestão de áreas protegidas no Brasil: instrumentos de monitoramento da biodiversidade nos sítios Ramsar. Revista Gestão & Políticas Públicas, 5(2), 152.

WETLANDS. Wetlands International. 2022. Disponível em: http://www.wetlands.org/. Acesso em 23 nov 2022.

WRI. 5 estratégias para ao mesmo tempo mitigar e se adaptar às mudanças do clima. 2020.Disponível em: <https://www.wribrasil.org.br/noticias/5-estrategias-para-ao-mesmo-tempo-mitigar-e-se-adaptar-mudancas-do-clima>. Acesso em: 28 fev. 2023.

ZENG, N. et al. Causes and impacts of the 2005 Amazon drought. Environ. Res. Lett., v.3, 2008

Downloads

Publicado

06-07-2023

Como Citar

Neto, M. D. da C., Carneiro Figueiredo, V., Karine Gonzaga, A., & Nunes Sá, P. (2023). Benefícios da implantação de um sítio Ramsar no Amapá para mitigação dos impactos das mudanças climáticas na região. Paranoá, 16(34), 1–20. https://doi.org/10.18830/issn.1679-0944.n34.2023.11

Edição

Seção

Água e Mudanças Climáticas

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.