Museu queer e Museologia da bricolagem

o problema da diferença nos regimes museais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v9i17.31594

Palavras-chave:

Museu queer. Museologia da bricolagem. Quadros sociais da memória. Teoria queer.

Resumo

O artigo apresenta uma discussão teórica sobre o problema da representação da diferença nos regimes museais contemporâneos dialogando com os estudos queer em suas aplicações recentes à museologia. A partir do conceito de “quadros sociais da memória”, que se refere aos rearranjos sucessivos das lembranças adquiridas, somos confrontados com a criação artificial de memórias e histórias inventadas para sustentar sujeitos hegemônicos, segundo regimes de identidade e sexualidade que criam, por oposição, os sujeitos anormais, marginalizados e abjetos. Propomos a introdução do método desconstrutivista proveniente dos estudos queer para repensar os quadros sociais das identidades nos museus por meio da museologia da bricolagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASTIDE, Roger. Memoire collective et sociologie du bricolage. L’Année Sociologique, n. 21, 1970, pp. 65-108.

BERGSON, Henri. Durée et simultanéité. À propos de la théorie d’Einstein. Édition électronique. Les classiques des sciences sociales. Québec: Université du Québec, 2003. Disponível em: <http://www.uqac.uquebec.ca/zone30/Classiques_des_sciences_sociales/index.html>. Acesso em: 10 de março de 2008.

BOITA, Tony Willian. Cartografia etnográfica de memórias desobedientes. 2018. 211 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2018.

BOURCIER, Sam. Politiques queer. Foucault et après ? Théorie et politiques queers entre contre-pratiques discursives et politiques de la performativité. In : BOURCIER, Sam. Queer Zones. La trilogie. Paris : Éditions Amsterdam, 2018a. pp.148-168.

BOURCIER, Sam. Le Queer Savoir. Épistémopolitique des espaces de savoir et des disciplines : le point de vue subalterne. In : BOURCIER, Sam. Queer Zones. La trilogie. Paris : Éditions Amsterdam, 2018b. pp.170-179.

BRULON, Bruno. Museus, mulheres e gênero: olhares sobre o passado para possibilidades do presente. Cadernos Pagu, n. 55, 2019, pp.1-28.

BUTLER, Judith. Gender trouble. Feminism and the subversion of identity. New York & London: Routledge, 2007 [1990].

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo, Perspectiva, 2004.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. 1: Uma breve história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I. A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

HALBWACHS, Maurice. Les Cadres Sociaux de la Mémoire (1925). Édition électronique. Les classiques des sciences sociales. Québec : Université du Québec, 2002. Disponível em: <http://www.uqac.uquebec.ca/ zone30/Classiques_des_sciences_sociales/index.html>. Acesso em: 20 de novembro de 2009.

HALBWACHS, Maurice. La Mémoire Collective (1950). Édition électronique. Les classiques des sciences sociales. Québec: Université du Québec, 2001. Disponível em: <http://www.uqac.uquebec.ca /zone30/Classiques _des_sciences_sociales/index.html>. Acesso em: 03 de novembro de 2009.

LAURETIS, Teresa de. Queer theory: lesbian and gay sexualities. Differences: a journal of feminist cultural studies, 3 (2), 1991, p.III-XVIII.

LEVIN, Amy K. (ed.). Gender, Sexuality and Museums: A Routledge Reader. London: Routledge, 2010.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho. Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica / UFOP – Universidade Federal de Ouro Preto, 2016.

NUNES, Samarone. Nós Museológicos: os discursos queer nas exposições homo (Queer remixed) (2007) e QueerMuseu: cartografias da diferença na arte brasileira (2017). 2019. 124 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

PINTO, Renato. Museus e diversidade sexual: reflexões sobre mostras LGBT e queer. Arqueologia Pública, Campinas, n. 5, 2012. pp. 44-55.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. Estudos Históricos, v. 2, n. 3, CPDOC, 1989, pp. 3-15.

SANTOS, Ana Cristina. Estudos queer: Identidades, contextos e acção colectiva. Revista Crítica de Ciências Sociais [Online], 76, 2006, pp.3-15, colocado online no dia 01 outubro 2012, criado a 30 abril 2019. Disponível em: http://journals.openedition.org/rccs/813. Acesso em: 3 de outubro de 2019.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

WICHERS, Camila A. de Moraes. Arqueologia, museus e identidade cultural: tensionamentos queer. Arqueologia Pública, Campinas, vol. 13, n. 1, 2019, n. p.

WILLIAMS, Mary Elizabeth. A noble balancing act: museums, political activism and protest art. Museum International, n. 69 (3-4), 2017, pp.66-75.

Publicado

2020-05-18

Como Citar

Brulon, B. (2020). Museu queer e Museologia da bricolagem: o problema da diferença nos regimes museais. Museologia & Interdisciplinaridade, 9(17), 81-94. https://doi.org/10.26512/museologia.v9i17.31594

Edição

Seção

Dossiê Museus e Museologia: aportes teóricos na contemporaneidade