“Museu do Mangue pega fogo”

Explosão discursiva e produção de sentidos sobre o Museu do Mangue de Aracaju/SE

Autores

  • Clovis Carvalho Britto Universidade Federal do Sergipe
  • Roberto Fernandes dos Santos Júnior Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v4i8.16910

Palavras-chave:

Museu do Mangue, Evento crítico, Discursos

Resumo

As obras do Museu do Mangue foram iniciadas em 2010, através de um convênio firmado entre a Prefeitura Municipal de Aracaju-SE e o Ministério das Cidades. As justificativas de sua criação se pautaram na preservação e promoção do ecossistema e na revitalização do Bairro Coroa do Meio. Em 2011 um incêndio atingiu as instalações que abrigariam o museu, fator que impossibilitou sua inauguração e contribuiu para que a estrutura e entorno fossem destinados ao abandono, à comercialização e uso de psicoativos. Nas tensões entre a virtual musealização e o sentimento de não-pertencimento da população, nosso intuito é visualizar de que modo a presença/ausência do Museu do Mangue constitui uma explosão discursiva no campo do patrimônio sergipano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clovis Carvalho Britto, Universidade Federal do Sergipe

Realiza estágio pós-doutoral em Estudos Culturais no Programa Avançado de Cultura Contemporânea da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília (UNB). Mestrando em Museologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Professor do Núcleo de Museologia da Universidade Federal do Sergipe (UFS).

Roberto Fernandes dos Santos Júnior, Universidade Federal de Sergipe

Graduando em Museologia pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista PIBIC/UFS.

Referências

ALMEIDA, Fernanda Cordeiro de. Manguezais aracajuanos: convivendo com a devastação. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 2010.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

CARDOSO, Danilo. Museu do Mangue permanece destruído. Infonet Cidade. Disponível em: http://infonet.com.br/cidade/ler.asp?id=118189&titulo=cidade. Acesso em 10 nov. 2013.

CUNHA, Olívia Maria Gomes da. Do ponto de vista de quem? Diálogos, olhares e etnografias dos/nos arquivos. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 36, 2005.

DAS, Veena. Critical events. An anthropological perspective on contemporary India. Delhi: Oxford University Press, 1995.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A retórica da perda: os discursos do patrimônio cultural no Brasil. Rio de Janeiro: UFRJ, IPHAN, 1996.

FERNANDES, Cleudemar Alves. Discurso e produção de subjetividade em Michel Foucault. Laboratório de Estudos Discursivos Foucaultianos, Uberlândia, ano 2, 2011.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o cuidado de si. 10. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel (Coord.). Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão. 3. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GUARDA Municipal garante tranqüilidade no Museu do Mangue. Site do Jornal de Sergipe, 12 ago. 2013. Disponível em: http://www.jornaldesergipe.com/2013/08/guarda-municipal-garante-tranquilidade_8268.html. Acesso em: 10 nov. 2013.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HEYMANN, Luciana Quillet. De arquivo pessoal a patrimônio nacional: reflexões sobre a construção social do “legado” de Darcy Ribeiro. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, 2009.

JEUDY, Henry-Pierre. A memória é móvel. MAG, São Paulo, n. 18, 2010.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora Unicamp, 2003.

MAGALDI, Monique Batista. Navegando no museu virtual: um olhar sobre formas criativas de manifestação do fenômeno Museu. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, UNIRIO/MAST, Rio de Janeiro, 2010.

MARQUES, Reinaldo. Memória literária arquivada. Aletria – Revista de Estudos de Literatura, Belo Horizonte, 2008.

MUSEU do Mangue pega fogo. Portal Sergipe Hoje. Aracaju, 24 jun. 2011. Disponível em: http://www.sergipehoje.com.br/sergipe/aracaju/2011/06/museu-do--mangue-pega-fogo. Acesso em: 10 nov. 2013.

MUSEU do Mangue será marco da preservação ambiental de Aracaju. Site JusBrasil. Disponível em: http://pref-aracaju.jusbrasil.com.br/politica/5297599/museu-do-mangue--sera-marco-da-preservacao-ambiental-em-aracaju. Acesso em 10 nov. 2013.

PREFEITURA Municipal de Aracaju recupera Museu do Mangue na Coroa do Meio. Site da Prefeitura Municipal de Aracaju. Disponível em: http://aju.se.gov.br/index.php?act=leitura&codigo=51593 . Acesso em 10 nov. 2013.

RESENDE, Fernando. O discurso jornalístico contemporâneo: entre o velamento e a produção das diferenças. Revista Galáxia, São Paulo, n. 14, p. 81-93, dez. 2007.

SILVA, Telma Camargo da. Musealização de eventos críticos: análise da tensão entre múltiplas narrativas da dor. XXXIV Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, 2010.

SILVA, Telma Camargo da; SOUZA, Maria Luiza Rodrigues; ECKERT, Cornélia. Apresentação. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 14, n.º 2, 2011.

TAMASO, Izabela. Relíquias e patrimônios que o Rio Vermelho levou... In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; BELTRÃO, Jane Felipe; ECKERT, Cornélia (Org.). Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letra, 2007.

TAMASO, Izabela. A expansão do patrimônio: novos olhares sobre velhos objetos, outros desafios... Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 8, n. 2, jul/dez 2005.

VELHO, Gilberto. Patrimônio, negociação e conflito. Mana, Rio de Janeiro, v. 12, 2006.

Publicado

2015-12-09

Como Citar

Britto, C. C., & Santos Júnior, R. F. dos. (2015). “Museu do Mangue pega fogo”: Explosão discursiva e produção de sentidos sobre o Museu do Mangue de Aracaju/SE. Museologia & Interdisciplinaridade, 4(8), 158 - 170. https://doi.org/10.26512/museologia.v4i8.16910

Edição

Seção

Artigos