Por uma Pesquisa Histórica Comparada entre Museus Históricos Regionais ”“ Ceará/Goiás

Autores

  • Daniel Barreto Lopes Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v1i36.31327

Palavras-chave:

Museus, Identidades, Memória

Resumo

O objetivo do presente trabalho é discutir notas de pesquisa sobre a atribuição de valor histórico a museus históricos regionais, identificando espaços museológicos distintos que narram, expõem e visibilizam vestígios do passado a partir da constituição de seus acervos. O artigo traz como objeto de estudo o Museu Regional dos Inhamuns, no Ceará, e o Museu Couros de Formosa, em Goiás, correlacionados dentro de um recorte temporal a partir da instituição de seus respectivos espaços museológicos na década de 1990. Referente a metodologia de história comparada aplicada ao campo da escrita da história nos museus, percebemos como a cultura material foi salvaguardada como vestígios, valorizados como autênticos fragmentos do passado, representando iniciativas de perpetuação de uma tradição local por meio dos objetos. Por fim, com base em tais investigações, é demonstrado distanciamentos e aproximações entre os dois museus históricos pesquisados a partir de suas respectivas museografias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU, Capistrano de. Capítulos de História Colonial (1500-1800) & Os Caminhos Antigos e o Povoamento do Brasil. 5ª. Ed, Brasília., UnB, 1963.

ALVES, Renato. Conhecida pela Pecuária, Formosa teve suas Primeiras Fazendas no Século 18. Correio Braziliense, Brasília, 06 jan. 2012, atualizado em 26 jan. 2012. Disponível em:
https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2012/01/26/interna_cidadesdf,287616/conhecida-pela-pecuaria-formosa-teve-suas-primeiras-fazendas-no-seculo-18.shtml

BARROS, José D’Assunção. História Comparada ”“ da contribuição de Marc Bloch à constituição de um moderno campo historiográfico. HISTÓRIA SOCIAL. Campinas, nº 13, 2007.

MUSEU REGIONAL DOS INHAMUNS. Fundação Bernardo Feitosa. Fortaleza, Expressão Gráfica e Editora, mar. 2015.

MUSEU REGIONAL DOS INHAMUNS. Termo de Doação. Tauá-CE. Ago. 2007.

COSTA, Lygia Martins. De Museologia Arte e Políticas de Patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2002.

FREITAS, Gomes de. No País dos Vaqueiros. Revista do Instituto do Ceará. Fortaleza, ano LXXIX, 1965.

GONÇALVES, Janice. Da Educação do Público à Participação Cidadã: sobre ações educativas e patrimônio cultural. MOUSEION (UNILASALLE). Canoas, v. 19, p. 83-97, 2014.

GUIMARÃES, Manuel Luis Salgado. História, Memória e Patrimônio. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Brasília, nº 34 / 2012.

JULIÃO, Letícia. O Sphan e a Cultura Museológica no Brasil. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 22, nº 43, janeiro-junho de 2009, p. 141-161.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual: balanço provisório, propostas cautelares. Rev. Bras. Hist.[online]. 2003, vol.23, n.45, pp.11-36.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992, p. 200-212.

RAMOS, Hugo de Carvalho. Tropas e Boiadas. Fortaleza: Diário do Nordeste/Editora Verdes Mares Ltda, 1998.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. A Escrita do Passado em Museus Históricos. Rio de Janeiro: Garamond; Minc/IPHAN/DEMU, 2006.

VELOSO, Marisa. O Tecido do Tempo: o patrimônio cultural no Brasil e a Academia Sphan. Brasília: Editora Universitária de Brasília, 2018.

Downloads

Publicado

2020-07-04

Como Citar

BARRETO LOPES, D. Por uma Pesquisa Histórica Comparada entre Museus Históricos Regionais ”“ Ceará/Goiás. Em Tempo de Histórias, [S. l.], v. 1, n. 36, 2020. DOI: 10.26512/emtempos.v1i36.31327. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/31327. Acesso em: 7 dez. 2022.