Relação religiosidade-saúde mental na perspectiva de assistentes sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26512/sersocial.v23i49.29780

Palavras-chave:

Serviço social. saúde mental. religião/religiosidade.

Resumo

O objetivo do presente estudo foi o de analisar a concepção de assistentes sociais sobre a religiosidade de pessoas em tratamento em Centros de Atenção Psicossocial (CAPs). Trata-se de uma pesquisa de natureza empírica e abordagem qualitativa, com utilização de dados primários, coletados por meio do instrumento da entrevista semiestruturada, e secundários, consultadas revisões sistemáticas da literatura. Foi possível constatar que a religiosidade dos usuários no contexto da Saúde Mental é concebida em termos paradoxais – com ênfase na dimensão negativa, contradição que dificulta relatos convergentes sobre possíveis relações dialógicas entre a religiosidade-Saúde Mental e o Projeto Ético-Político (PEP) profissional, o que pode significar uma relação mal resolvida no Serviço Social brasileiro com a dimensão da religiosidade, expressão de um recalque ou uma indisposição temática em função de um temor a uma reatualização conservadora na profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Núbia Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Assistente Social, doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, professora do quadro efetivo da Universidade Federal de Sergipe, em nível de graduação e pós-graduação e avaliadora ad hoc do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais desde 2004. Desenvolve pesquisas sobre condições de trabalho de assistentes sociais, Arte e Serviço Social, Pesquisa em Serviço Social e Política Social.

Referências

CFESS. Conselho Federal de Serviço Social. Relatório de fiscalização: Serviço Social e a inserção de assistentes sociais nas comunidades terapêuticas. Brasília, 2018. Disponível em: <http://www.cfess.org.br/arquivos/RelatorioCFESS-ComunidadesTerapeuticas2018-Site.pdf> Acesso em: 21 dez. 2019.

DALGALARRONDO, Paulo. Religião, Psicopatologia e Saúde Mental. Porto Alegre: Artmed, 2008.

IAMAMOTO, Marilda Villela. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. 26 ed. São Paulo: Cortez, 2015.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Os espaços sócio-ocupacionais do assistente social. In: CFess/Abepss. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, 2009, p. 341-375.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Renovação e conservadorismo no Serviço Social. Ensaios críticos. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2013.

IAMAMOTO, Marilda Villela; CARVALHO, Raul de. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 39. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Disponível em: <https://censo2010.ibge.gov.br/> Acesso em: 27/04/2019.

KOENIG, Harold G. Religião, espiritualidade e psiquiatria: uma nova era na atenção à Saúde Mental. Revista de Psiquiatria Clínica. 2007a, v. 34, supl 1; p. 5-7.

KOENIG, Harold G. Religião, espiritualidade e transtornos psicóticos. Revista de Psiquiatria Clínica. 2007b, v. 34, supl. 1, p. 95-104.

LEÃO, Frederico Camelo; LOTUFO NETO, Francisco. Uso de práticas espirituais em instituição para portadores de deficiência mental. Revista de Psiquiatria Clínica, São Paulo, v. 34, supl. 1, p. 54-59, 2007.

LÖWY, Michael. O que é Cristianismo da Libertação: religião e política na América Latina. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

MAGALHÃES, Vinicius Pinheiro de. Serviço Social, (des)patologização da vida e religiosidade em saúde mental. 204f. Dissertação. Mestrado em Serviço Social. Sergipe:, Universidade Federal de Sergipe/São Cristóvão, 2020.

MANO, Raquel de Paiva. O sofrimento psíquico grave no contexto da religião protestante pentecostal e neopentecostal: repercussões da religião na formação das crises do tipo psicótica. 2010. 178f. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura. Brasília: Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia, Departamento de Psicologia Clínica e Cultura, 2010.

MORAES, Paulo Augusto Costivelli de; DALGALARRONDO, Paulo. Mulheres encarceradas em São Paulo: Saúde Mental e religiosidade. Jornal Brasileiro de Psiquiatria. 2006, 55(1). p. 50-56.

MURAKAMI, Rose; CAMPOS, Claudinei José Gomes. Religião e Saúde Mental: desafio de integrar a religiosidade ao cuidado com o paciente. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília 2012, 65(2), p. 361-7.

NETTO, José Paulo. Capitalismo monopolista e Serviço Social. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 4 ed. São Paulo: Cortez, 1998.

PERRONE, Pablo Andrés Kurlander. A comunidade terapêutica para recuperação da dependência do álcool e outras drogas no Brasil: mão ou contramão da reforma psiquiátrica? Ciência & Saúde Coletiva. São Paulo, 2014, 19(2), p. 569-580.

PINHEIRO, Lucí Faria. Serviço social, religião e movimentos sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Gramma, 2010.

PORTO, Priscila Nunes; REIS, Helca Franciolli Teixeira. Religiosidade e Saúde Mental: um estudo de revisão integrativa. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 37, n. 2, p. 375-393.

REINALDO, Amanda Márcia dos Santos; SANTOS, Raquel Lana Fernandes dos. Religião e transtornos mentais na perspectiva de profissionais de saúde, pacientes psiquiátricos e seus familiares. Saúde debate, 40(110), p. 162-171.

SALIMENA, Anna Maria de Oliveira et al. Compreensão da espiritualidade para os portadores de transtorno mental: contribuições para o cuidado de enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem. 37(3), p. 1-7, 2016.

SIMÕES, Pedro. Assistentes sociais e religião. Um estudo Brasil/Inglaterra. São Paulo: Cortez, 2005.

SIMÕES, Pedro. Religião e Política entre alunos de Serviço Social (UFRJ). Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, 2007, 27(1), p. 175-192.

SOEIRO, Rachel Esteves et al. Religião e transtornos mentais em pacientes internados em um hospital geral universitário. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 793-799, 2008.

STROPPA, André; ALMEIDA, Alexander Moreira. Religiosidade e espiritualidade no transtorno bipolar do humor. Revista de Psiquiatria Clínica. 2009; 36(5), p. 190-6.

TONET, Ivo. Marxismo, religiosidade e emancipação humana. Maceió: Coletivo Veredas, 2016.

VALLA, Victor Vincent. O que a saúde tem a ver com a religião? In: VALLA, Victor Vincent. (org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, p. 113-139.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. Da hiperpsicologização normatizadora ao recalcamento da subjetividade: notas históricas sobre Serviço Social, subjetividade e Saúde Mental no Brasil e no Rio de Janeiro. In: VASCONCELOS, Eduardo Mourão (org.). Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2010. p. 181-214.

VASCONCELOS, Eduardo Mourão. O campo das ciências das religiões, o paradoxo apoio social – intolerância e as práticas no lidar com situações existenciais/sociais limite e com as drogas. In: VASCONCELOS, Eduardo Mourão; CAVALCANTE, Rita (orgs.). Religiões e o paradoxo apoio social – intolerância, e implicações na política de drogas e comunidades terapêuticas. São Paulo: Hucitec, 2019, p. 31-188.

Downloads

Publicado

07/30/2021

Como Citar

MAGALHÃES, Vinicius Pinheiro de; SANTOS, Vera Núbia. Relação religiosidade-saúde mental na perspectiva de assistentes sociais. SER Social, [S. l.], v. 23, n. 49, p. 431–450, 2021. DOI: 10.26512/sersocial.v23i49.29780. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/29780. Acesso em: 24 fev. 2024.