Eurocentrismo e Racismo:

o fetiche nas relações sociais da sociedade capitalista

Autores

  • Silvia Cristina de Sousa Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.26512/ser_social.v19i41.14941

Palavras-chave:

Eurocentrismo, Racismo, Fetiche, Classes sociais

Resumo

O presente artigo versa sobre como as relações raciais na sociedade capitalista foram forjadas sob um discurso fetichizado de progresso e civilizatório por meio da expansão colonial do final do século XV, e, posteriormente por meio dos princípios Iluministas das revoluções burguesas do século XVIII do qual havia como fim último a acumulação de riquezas. Dessa maneira, apresentamos brevemente, como as classes sociais, na sociedade das mercadorias, se conformaram sob uma hierarquia racial e uma racionalidade eurocêntrica. Nos apropriamos das análises das categorias marxianas, como mercadoria e fetiche, para melhor compreender esse processo, tendo em vista que o interesse de Marx em desvendar a sociedade burguesa, bem como as relações inerentes à mesma. Consideramos necessário esse resgate histórico e conceitual, pois, o racismo exacerbado no período colonial ainda se faz presente na contemporaneidade, através do que foi conceituado por intelectuais do pensamento social crítico latino-americano como uma colonialidade do poder. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2010.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador-BA: Edufba. 2010.

HARVEY, David. Espaços de esperança. Trad. Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Loyola, 2004.

LANDER, Edgar. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino -americanas. Edgardo Lander (Org.). Colección Sur Sur, Ciudad Autónoma

de Buenos Aires-Argentina: Clacso, 2000.

LOSURDO, Domenico. Contra-história do liberalismo. São Paulo: Ideias e Letras, 2006.

MARX, Karl. O capital. Mercadoria. V. 1, parte 1. Coleção Os Economistas. São Paulo: Abril, 1996.

______. O capital. Crítica da Economia Política, Livro Primeiro O processo de produção do capital Tomo 2 (Capítulos XIII a XXV) Coord. e rev. Paul Singer. Trad. Regis Barbosa; Flávio R. Kothe. São Paulo: Nova Cultural, 1996(a).

______. O 18 brumário. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã. (I ”“ Feuerbach). 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1986(a).

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2014.

MENEGAT, Marildo. A crise da modernidade e a barbárie. Saúde Coletiva, n. 10, 2000.

______. Estudos sobre ruínas. 1. ed. Rio de Janeiro: Revan / Instituto Carioca de Criminologia, 2012.

MIRANDA, Adelaide Calhman de. Pensar o local: gênero e espaço urbano na narrativa brasileira contemporânea. Tese de Doutorado. Programa de Pós- Graduação em Literaturas do Departamento de Teoria Literária e Literaturas da Universidade de Brasília. Brasília: UnB, 2013.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (Org.). Colección Sur Sur, Ciudad Autónoma de Buenos Aires-Argentina: Clacso, 2005.

OLIVA, Anderson Ribeiro. A história africana nos cursos de formação de professores. Panorama, perspectivas e experiências. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 28, nos 1-2-3, jan.-dez./2006, p. 187-220.

WILLIAMS, Eric. Capitalismo e escravidão. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

02/06/2018

Como Citar

CARVALHO, Silvia Cristina de Sousa. Eurocentrismo e Racismo:: o fetiche nas relações sociais da sociedade capitalista. SER Social, [S. l.], v. 19, n. 41, p. 296–313, 2018. DOI: 10.26512/ser_social.v19i41.14941. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/14941. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos Cientí­ficos - Temáticos