CONTRATAÇÃO IRREGULAR DE TERCEIROS PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: DELINEAMENTOS PARA A CONFIGURAÇÃO DE ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

  • Júlio César Souza dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Palavras-chave: Contratação temporária. Terceirização. Desvio de finalidade. Proporcionalidade. Improbidade. Direito. Direito do Trabalho.

Resumo

O presente artigo visa examinar a possibilidade de responsabilização por ato de improbidade administrativa, de acordo com a Lei no 8.429/92, diante da contratação irregular de terceiros pela Administração Pública, a qual pode se dar através de irregularidades na contratação temporária por excepcional interesse público e na terceirização. Neste contexto, a partir de uma análise teórico-descritiva buscar-se-á demonstrar a caracterização de ato ímprobo quando tais contratações não observarem determinados requisitos. Os requisitos em questão serão sistematizados tomando como substrato as exigências legais e constitucionais a partir de uma leitura principiológica e teleológica destes institutos. Desta forma, buscar-se-á, a um só tempo, identificar critérios para afastar condenações desproporcionais diante da prática de meras irregularidades, em regra sanáveis, assim como para punir os maus gestores por atos administrativos eivados de desvio de finalidade, em clara afronta aos princípios e às regras que norteiam a atividade da Administração Pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM, Helder Santos. Terceirização no serviço público: uma análise à luz da nova

hermenêutica constitucional. São Paulo: LTr, 2009.

BITENCOURT NETO, Eurico. Improbidade administrativa e violação de princípios. Belo

Horizonte: Del Rey, 2005.

BUSQUETS, Cristina Del Pilar Pinheiro. Registro de atos pelo Tribunal de Contas.

Boletim de Direito Municipal [recurso eletrônico], São Paulo, v. 27, n. 11, p. 766-781, nov.

Disponível em:

<http://dspace/xmlui/bitstream/item/13684/geicIC_FRM_0000_pdf.pdf?sequence=1>. Acesso

em: 7 nov. 2014.

CARELLI, Rodrigo de Lacerda. Terceirização e intermediação de mão-de-obra: ruptura do

sistema trabalhista, precarização do trabalho e exclusão social. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 26ª ed. São

Paulo: Atlas, 2013.

DELGADO, Maurício Godinho. Curso de Direito do Trabalho. 11ª ed. São Paulo: LTr,

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 27ª ed. São Paulo: Editora Atlas,

FURTADO, Lucas Rocha. Curso de Direito Administrativo. Belo Horizonte: Fórum, 2007.

GARCIA, Emerson. ALVES, Rogério Pacheco. Improbidade Administrativa. 7ª ed. São

Paulo: Saraiva, 2013

MARTINS JÚNIOR, Wallace Paiva. Probidade administrativa. 4ª ed. São Paulo: Saraiva,

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 32ª ed. São Paulo:

Malheiros, 2015.

RAMOS, Dora Maria de Oliveira. Terceirização na Administração Pública. São Paulo:

LTr, 2001.

ROCHA, Cármem Lúcia Antunes. Princípios constitucionais dos servidores públicos. São

Paulo: Malheiros, 1999.

RIZZARDO, Arnaldo. Ação civil pública e ação de improbidade administrativa. 3ª ed. Rio

de Janeiro: Forense, 2014.

SERRANO, Hermes Wagner Betete; PAZETO, Henrique Parisi. A ação de improbidade

administrativa como tutela da moralidade administrativa. Fórum Administrativo – FA, Belo

Horizonte, ano 14, n. 165, p. 45-52, nov. 2014.

SILVA, Patrícia Pinheiro. Terceirização nos serviços públicos. Revista do Tribunal

Superior do Trabalho, São Paulo, v. 77, n. 1 p. 95-130, jan./mar. 2011.

Publicado
2018-09-28
Como Citar
dos Santos, J. C. (2018). CONTRATAÇÃO IRREGULAR DE TERCEIROS PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: DELINEAMENTOS PARA A CONFIGURAÇÃO DE ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. Revista Dos Estudantes De Direito Da UnB, (14), 144 - 161. Recuperado de http://periodicos.unb.br/index.php/redunb/article/view/16568
Seção
Trabalhos Acadêmicos