A partir de onde fala Foucault?

Palavras-chave: Foucault. Linguagem. Verdade.

Resumo

Proponho neste trabalho uma reflexão sobre o lugar de fala de Michel Foucault, dado que ele mesmo negava a filosofia, as ciências sociais ou a história como seus territórios. Sugiro que tais negações podem estar ligadas à dissociação que Foucault fazia entre linguagem e verdade. Foucault entendia que a natureza infinita da linguagem apagaria qualquer sistema de referências. O simples ato de falar sobre as coisas franquearia, portanto, uma distância, que seria, em si mesma, ficção. Concluo argumentando que talvez Foucault possa ser melhor compreendido não a partir de possíveis posicionamentos fixos, mas em seus incessantes e propositais deslocamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otávio Ventura, Universidade de Brasília, UnB

Mestre em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB). Graduado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Pesquisador de temas relacionados a Estado, burocracia e políticas públicas. Atualmente é doutorando em Ciência Política pela UnB, e membro da carreira federal de planejamento e orçamento.

Referências

BORGES, Jorge Luis. A biblioteca de Babel. In: Ficções. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BORGES, Jorge Luis. O idioma analítico de John Wilkins. In: Outras Inquisições. São Paulo: Companhia das Letras, 2007a.

BORGES, Jorge Luis. O livro de areia. In: O livro de areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BOURDIEU, Pierre. Os fundamentos históricos da razão. In: Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001, pp. 113-156.

DERRIDA, Jacques. Cogito e a história da loucura. In: A escritura e a diferença. 4ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

FOUCAULT, Michel. Folie et Déraison. Paris: Plon, 1961.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1977.

FOUCAULT, Michel. O que é o Iluminismo? Magazine Littéraire, nº 207, 1984, pp. 35-39. (Original de 1983, tradução para o português por wanderson flor do nascimento, disponível em <http://michel-foucault.weebly.com/>)

FOUCAULT, Michel. Uma estética da existência. Le Monde, 15 de julho de 1984b. (Tradução para o português por Wanderson Flor do Nascimento, disponível em <http://michel-foucault.weebly.com/>)

FOUCAULT, Michel. Além das fronteiras da filosofia. Le Monde, 6 de setembro de 1986. (Original de 1975, tradução para o português por wanderson flor do nascimento, disponível em <http://michel-foucault.weebly.com/>)

FOUCAULT, Michel. O que é a crítica? Bulletin de la Société Française de Philosophie, Vol. 82, nº 2, 1990, pp. 35-63. (Original de 1978, tradução para o português por wanderson flor do nascimento, disponível em <http://michel-foucault.weebly.com/>)

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, Freud e Marx. São Paulo: Princípio Editora, 1997. (Original de 1975)

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade 2: o uso dos prazeres. 8ª ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1998. (Original de 1984)

FOUCAULT, Michel. A Ética do Cuidado de Si como Prática da Liberdade. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. V). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, pp. 264-287. (Original de 1984)

FOUCAULT, Michel. Estruturalismo e Pós-estruturalismo. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. II). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005, pp. 307-334. (Original de 1983)

FOUCAULT, Michel. Foucault estuda a Razão de Estado. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. IV). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, pp. 317-322. (Original de 1979)

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. A Linguagem ao Infinito In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009, pp. 47-59. (Original de 1963)

FOUCAULT, Michel. Distância, Aspecto, Origem. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009a, pp. 60-74. (Original de 1963)

FOUCAULT, Michel. O pensamento do exterior. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009b, pp. 219-242. (Original de 1966)

FOUCAULT, Michel. A pintura de Manet. Visualidades. Vol. 8, n. 2, pp. 259-285, 2010. (Original de 1971, tradução para o português por Rodolfo Eduardo Scachetti)

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2010a.

FOUCAULT, Michel. Conversa com Michel Foucault. In: MOTTA, Manuel Barros da (Org.). Ditos e Escritos (Vol. VI). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010b, pp. 289-347. (Original de 1978)

FOUCAULT, Michel. A coragem da verdade. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2014.

FOUCAULT, Michel. Isso não é um cachimbo. São Paulo: Paz e Terra, 2014a.

FOUCAULT, Michel. Que é o senhor, professor Foucault? In: Ditos e Escritos (Vol. X). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014b, pp. 29-49.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes, 2014c.

GINZBURG, Carlo. Descobertas de um espectador. São Paulo: Folha, 1999. (Entrevista concedida a Maria Lúcia G. Pallares-Burke em 13/06/1999, disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs13069912.htm>)

HABERMAS, Jürgen. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LYOTARD, Jean-François. A condição pós-moderna. 12ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009.

MAGRITTE, René. Duas cartas de René Magritte. In: FOUCAULT, Michel. Isso não é um cachimbo. São Paulo: Paz e Terra, 2014, pp. 75-78.

MENEZES, Antônio B. N. T. Foucault, Borges e a experiência da linguagem. Saberes. Vol. 1, n. 1, 2008.

Publicado
2019-05-13
Como Citar
VENTURA, O. A partir de onde fala Foucault?. Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, v. 7, n. 1, p. 131-156, 13 maio 2019.