ESTUDANTES INDÍGENAS NO ENSINO SUPERIOR E OS IMPASSES DE UMA CIDADANIA AFIRMATIVA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Eduardo Harder
Ana Elisa Castro Freitas

Resumo

A cena se repete diversas vezes: uma jovem mãe indígena é proibida de utilizar o veículo oficial da universidade por estar acompanhada de sua pequena filha. A rotina da política pública segue um padrão institucional de corte individualista, aplicado de modo universal a todos e todas as estudantes, indiscriminadamente, embasada por um argumento de base contratual – somente pessoas com vínculo institucional podem acessar o transporte devido a restrições resultantes de seguros de vida e/ou imposições dos órgãos de controle externos à universidade. Uma nova geração de estudantes indígenas universitários vive no Brasil as contradições na execução de políticas públicas que, na origem, reconhecem direitos humanos de caráter étnico e suas interfaces com ações que visam a equidade social e a justiça. Embora o ordenamento jurídico democrático do país, instituído pela Constituição Federal em 1988, preveja tais direitos, nas rotinas administrativas das universidades nacionais residem práticas que reiteram a integração e a redução das alteridades indígenas a padrões genéricos e hegemônicos presentes na sociedade envolvente. Em 2006, o jurista estadunidense de origem nipônica Kenji Yoshino resgata a noção de covering, cunhada originalmente por Erving Goffman em suas notas sobre estigma e identidade, para refletir sobre os processos de “encobrimento” de alteridades emergentes frente a estruturas estereotipantes. No presente estudo buscamos lançar um olhar sobre o fenômeno de reiteração das práticas coloniais de integração de indígenas à sociedade nacional brasileira focalizando-o a partir de uma análise de casos de covering recorrentes no cotidiano das universidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Harder, Eduardo, e Ana Elisa Freitas. 2019. ESTUDANTES INDÍGENAS NO ENSINO SUPERIOR E OS IMPASSES DE UMA CIDADANIA AFIRMATIVA. Abya-Yala: Revista Sobre Acesso à Justiça E Direitos Nas Américas 3 (1), 207 a 228. https://doi.org/10.26512/abya-yala.v3i2.24615.
Seção
Dossiê

Referências

AUPETIT, Sylvie Didou; ALLIONE, Eduardo Remedi. “Los olvidados: acción afirmativa de base étnica e instituciones de educación superior en América Latina. “México - DF: Juan Pablos Editor, 2009.

BOBBIO, Noberto. Igualdade e liberdade. Rio de Janeiro - RJ: Ediouro, 1996.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. A Sociologia do Brasil Indígena. Rio de Janeiro - RJ: Tempo Brasileiro, 1972.

CINEP. “Esboço de um perfil do estudante indígena no ensino superior no Brasil”. In: LUCIANO, Gersen.; HOFFMANN, Maria Barroso. (Org.) Olhares indígenas contemporâneos. Brasília - DF: Centro Indígena de Estudos e Pesquisas, 2010, pp. 204-259.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Índios no Brasil: história, direitos e cidadania. São Paulo - SP: Claro Enigma, 2012.

DWORKIN, Ronald. Justice for hedgehogs. Cambridge/London: Harvard University Press, 2011.

FREITAS, Ana Elisa de Castro (Org.) Intelectuais indígenas e a construção da universidade pluriétnica no Brasil: Povos Indígenas e os novos contornos do Programa de Educação Tutorial/Conexões de Saberes. Rio de Janeiro - RJ: E-papers/LACED/Museu Nacional/UFRJ, 2015a.

_____. “A Resolução 37/04-COUN e a educação superior para indígenas na UFPR”. In: ZAINKO, Maria Amélia; FREITAS, Ana Elisa de Castro; CERVI, Emerson; CUNHA, Josafá e VON DER HEYDE, R. Relatório da Comissão encarregada de avaliar os 10 anos de implantação do Plano de Metas de Inclusão Racial e Social na UFPR. Curitiba: PROGRAD/UFPR, 2015b, pp.5 – 27.

FREITAS, Ana Elisa de Castro; HARDER, Eduardo. “Da política de estado ao estado da política, panorama de uma década de ensino superior indígena no Paraná”. In: BERGAMASCHI, Maria Aparecida; NABARRO, Edilson e BENITES, Andréa. (Org.) Estudantes Indígenas no Ensino Superior: uma abordagem a partir da experiência da UFRGS. Porto Alegre - RS: Editora da Universidade, 2013a., pp. 169-182.

_____. “Entre equidade e assimetria de poder: uma análise da implementação de políticas afirmativas de educação superior indígena no Brasil. Século XXI” – Revista de Ciências Sociais. UFSM, Vol. 3, n. 1, Jan./Jun. 2013b.

_____. “Os Povos Indígenas no ensino superior e os caminhos para a efetivação da justiça e do bem viver”. In: FONSECA, Ana Carolina da Costa e; LEIVAS, Paulo Gilberto Cogo (Org.). Direitos humanos e saúde: volume 1. Porto Alegre - RS: Editora da UFCSPA, 2018, pp. 303-319.

_____. “ “Sobreviver na diferença”: o olhar dos estudantes indígenas e suas contribuições ao II Encontro de Educação Superior Indígena no Paraná”. In: NOVAK, Maria Simone Jacomini; et alli .(Orgs.) Educação Superior Indígena no Paraná. Maringá - PR: EDUEM, 2010, pp. 77-91.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4.ed. Tradução Márcia Bandeira de Melo Leite Nunes. Rio de Janeiro - RJ: LTC, 2013.

_____. A representação do eu na vida cotidiana. 10ª. ed. Tradução Maria Célia Santos Raposo. Petrópolis - RJ: Editora Vozes, 2002.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática dos conflitos sociais. Tradução Luiz Reppa. São Paulo - SP: Editora 34, 2003.

INGOLD, Tim. Estar Vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Tradução Fábio Creder. Coleção Antropologia. Petrópolis – RJ: Vozes, 2015.

JACINTO DA ROSA, Douglas. Gestão socioambiental e territoral de terras indígenas sob uma perspectiva Kaingang: um ensaio (auto) etnográfico em Re Kuju - Campo do Meio, Bacia Hidrografica do Alto Uruguai, atual estado do Rio Grande do Sul. Trabalho de Conclusão do Curso de Bacharelado em Gestão Ambiental, Matinhos – PR: UFPR/LITORAL, 2015.

NERES, Irosângela Correa. Sentimentos e sentidos das experiências vividas por estudantes indígenas na UFPR. Trabalho de Conclusão de Curso em Pedagogia. Setor de Educação. Curitiba - PR: UFPR. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B3pIPIL_V-1DYUFuTzVQOXJBRzhKSVdIWHNxM2pGUUFEcEVj/view. Acesso em: 20/08/2018.

PALADINO, Mariana; ALMEIDA, Nina Paiva. Entre a diversidade e a desigualdade: uma análise das políticas públicas para a educação escolar indígena no Brasil dos governos Lula. Rio de Janeiro - RJ: Contra Capa/LACED/Museu Nacional/UFRJ, 2012.

SANDEL, Michael J. Justiça: o que é fazer a coisa certa. Tradução Heloisa Matias e Maria Alice Maximo. Rio de Janeiro - RJ: Civilização Brasileira, 2011.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio.” Mana vol.2 no.2 Rio de Janeiro. Oct. 1996.

YOSHINO, Kenji. Covering: the hidden assault on our civil rights. New York: Random House, 2006.

ZONINSEIN, Jonas; FERES Júnior, João. “Ação afirmativa no ensino superior brasileiro.” Belo Horizonte - MG: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2008.