O Popular Brasileiro na Cultura Audiovisual Cinematográfica

Main Article Content

Edson Farias
Andréa Borges Leão

Resumo

Neste artigo, o objeto de conhecimento consiste nas problematizações do popular internas aos formatos expressivos (no caso, o filme de longa metragem) próprios à cultura audiovisual no Brasil. As metas relacionadas à correlação entre popular brasileiro e cultura audiovisual, vem a reboque das duas seguintes intuições cruzadas que informam o nosso ponto de partida: a) de um lado, entendemos que, ao ser definido como objeto, o popular participa da constituição de campos epistemológicos e artísticos no país, em alguma medida, mediando-os; b) o popular, igualmente, torna-se subsídios às designações do sistema sociotécnico audiovisual no país. A partir da tradição autoral cinematográfica que emerge entre as décadas de 1950 e 1960, entendemos que o exame das retomadas histórico-empíricas da problematização sobre o popular, nas interrelações do sistema audiovisual com os demais sistemas que compõem a esfera cultural no Brasil, oferece uma oportunidade para a reflexão de como este sistema se insere nos modos de percepção e cognição no arranjo do complexo societário moderno, quando oferece uma alternativa de atribuições de sentido calcadas no seu código ótico, gráfico e oral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Farias, E., & Leão, A. B. . (2022). O Popular Brasileiro na Cultura Audiovisual Cinematográfica . Sociedade E Estado, 37(01), 25–51. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202237010002
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

Edson Farias, Universidade de Brasília (UnB)

Pesquisador do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). Professor do PGSOL/UnB (Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de Brasília), Brasília, DF, Brasil e do PPG em Memória: Sociedade e Linguagem da UESB (Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia). Líder do grupo de pesquisa Cultura, Memória e Desenvolvimento (CMD/UnB). Coordenador do Comitê de Pesquisa em Sociologia da Cultura da SBS. Editor da revista Arquivos do CMD.

Andréa Borges Leão, Universidade Federal do Ceará (UFC)

 Pesquisadora do CNPq. Professora do Departamento de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará. Líder G.E.C.C.A/NE (Grupo de Estudos em Cultura, Comunicação e Arte). Editora auxiliar da Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS). Participa dos seguintes Grupos de Pesquisa: 1. Processos Civilizadores (GPROC), sobre a sociologia de Norbert Elias; 2. Cultura, Memória e Desenvolvimento (CMD); 3. Economia Criativa, Cultura e Sociedade.

Referências

ADORNO, Theodor W. Para uma crítica social da música no rádio. IN: Indústria Cultural – Theodor Adorno. São Paulo: Unesp, 2020.

ADORNO, Theodor W. e HORKHEIMER, Max. A dialética do esclarecimento. RJ: Jorge Zahar Editor, 1985.

ADORNO, Theodor W. Notas sobre o filme. In: Cohn, Gabriel (org.): Adorno. São Paulo, Ática, pp. 100-107, 1986.

AGUIAR, João Henrique Catraio Monteiro. A inserção internacional do cinema brasileiro e interfaces com temporadas culturais e festivais. In: III Seminário Internacional de Políticas Culturais. Rio de Janeiro, 2012.

AHMED, Sara. Strange Encounters: Embodied Others in Post-Coloniality. London e New York: Routledge, 2000.

ALTMANN, Eliska. O Brasil imaginado na América Latina: a crítica de filmes de Glauber Rocha e Walter Salles. Rio de Janeiro: Contra Capa/Faperj, 2010.

AMANCIO, Tunico. Sob a sombra do estado: embrafilme, política e desejo de indústria. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018.

ASTRUC, Alexandre. Nascimento de uma nova vanguarda: a caméra-stylo. L'écran français, n° 144, 30 de março de 1948. Traduzido por Matheus Cartaxo. Acessado em Retiniana Filmes – 19/01/2022: https://pdfcookie.com/documents/nascimento-de-uma-nova-vanguarda-9025x4ejmql

AUGUSTO, Sérgio. Este mundo é um pandeiro: a chanchada de Getúlio a JK. São Paulo: Companhia das Letras/Cinemateca Brasileira, 1989.

BARTHES, Roland. Théorie du texte. IN: Oeuvres complètes. Paris: Editions du Seuil, 1994, pp. 1677-1698, Vol. 2.

BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e Simulações. Lisboa: Relógio d´Água, 1991.

BAZIN, André. L’évolution du language cinématographique. In: André Bazin. Qu’estce que le cinéma?. Paris, Éditions du Cerf, 1985.

BELTING, Hans. O fim da história da arte. São Paulo: Cosac Nayf, 2006.

BENJAMIN, W. A obra de arte no tempo da sua reprodutibilidade técnica. In: Benjamin et al. (Org.): Tadeu Capistrano. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. p. 09-40.

BERLINCK, Manoel T. O centro popular de cultura da UNE. Campinas: Papirus, 1984.

BOCCIA, Leonardo Vincenzo. A chave de Orfeu: cinema brasileiro no espírito da música. Linguagens-Revista de Letras, Artes e Comunicação, v. 6, n. 1, p. 82-104, 2012.

BOLZ, Norbert. É preciso teologia para pensar a história? Revista da USP, n.15, pp.92-98, 1992.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1992.

DELEUZE, Gilles. A Imagem-Tempo. São Paulo: Brasiliense, 2005.

EDUARDO, Cléber. Continuidade expandida e o novo cinema autoral (2005-2016). In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. Deporte y ocio en el processo de la civilizcion. México e Madrid: Fundo de Cultura Econômica, 1992.

FARIAS, Edson. A duplicação audiovisual na cultura contemporânea: uma leitura sociológica do filme um toque de rosa. In: Milene Silveira Gusmão; Salete Nery (orgas): Memória e imagens: entre filmes, séries, fotografias e significados. Jundiaí (SP): Paco, 2020, pp.11-42.

FARIAS, Edson Silva de. Sociologia e a esfera cultural contemporânea. Ciências Sociais Unisinos, v. 53, n. 1, pp. 3-14, 2017.

FARIAS, Edson. Orfeus em tempo de modernidade no desfile de carnaval carioca. Estudos Afro-Asiáticos, pp.49-79, 1998.

FARIAS, Edson e MIRA, Maria Celeste. Mensagens do pós-nacional-popular (Introdução). IN: FARIAS, Edson e MIRA, Maria Celeste (orgs.): Faces Contemporâneas da Cultura Popular. Jundiaí (SP): Paco, 2014.

FLÉCHET, Anaïs. Um mito exótico? A recepção crítica de Orfeu Negro de Marcel Camus (1959-2008). Significação, nº32, 43, 2009.

FRANCASTEL, Pierre. Les mécanismes de l’illusion filmique. In: Pierre Francastel. L’image, la vision et l’imagination. Paris, Denöel/Gonthier, pp. 191-206, 1983.

GAMO, Alessandro; MELO, Luís A. R. Histórias da boca e do beco. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018.

GRAZINOLI, Henry. Produções curtas, médias e longas. Arquivado em 25 de janeiro de 2014, no ayback Machine. Tela Brasil.

HIRANO, Luís Felipe Kojima. Grande Otelo: um intérprete do cinema e do racismo no Brasil (1917-1993). Belo Horizonte: Editora UFMG, 2019, 549p.

HIRANO, Luís Felipe Kojima. Cinema em verde amarelo: Gilberto Freyre e Mário de Andrade na obra de José Carlos Burle. 33º Encontro Anual da ANPOCS. Trabalho apresentado no GT 30: Pensamento Social no Brasil – Caxambu (MG), outubro de 2009.

HIRANO, Luís Felipe Kojima. Atlântida: carnavalizando o cinema brasileiro. Humanidades em Diálogo, v. 2, n. 1, pp. 153-168, 2008.

JAHNSON, Randal & STAM, Robert. Brazilian cinema – expanded edition. New York: Columbia, 1995.

KANG, Jaeho. O espetáculo da modernidade: a crítica da cultura de Walter Benjamin. Novos estudos CEBRAP , p. 215-233, 2009.

KRACAUER, Siegfried. Ornamento da Massa. São Paulo: CosacNaify, 2009.

LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A Tela global: mídias culturais e cinema na era hipermoderna. Porto Alegre: Salinas, 2009.

LUHMANN, Niklas. Por que uma “teoria dos sistemas?” In: Clarissa Baeta Neves e Eva Machado Barbosa Samios (orgs): Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, Goethe-Institut/ICBA, 1997a.

LUHMANN, Niklas. “Novos desenvolvimentos na teoria dos sistemas” In: Clarissa Baeta Neves e Eva Machado Barbosa Samios (orgs): Niklas Luhmann: a nova teoria dos sistemas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, Goethe-Institut/ICBA, 1997b.

MAZDON, Lucy. 2007. Transnational ‘french’ cinema: the Cannes film festival. Modern & Contemporary France, 15:1,PP. 9-20.

MENEZES, Paulo Roberto Arruda de. Cinema: imagem e interpretação. Tempo Social, v. 8, p. 83-104, 1996.

MIRA, Maria Celeste. O masculino e o feminino nas narrativas da cultura de massas ou o deslocamento do olhar. Cadernos Pagu, pp. 13-38, 2003.

MORETTIN, Eduardo. O cinema em perspectiva transatlântica: práticas históricas e culturais nas exposições universais. Revista USP, (123), 85-103, 2019, pp. 85-103.

NICHOLS, Bill.. Discovering form, inferring meaning: new cinemas and the film festival circuit. In: Film Quarterly, Vol. 47, N. 3, 1994, pp. 16-30. University of California Press. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1212956. Acesso em: 10 out. 2021.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. Sertão e narração: Guimarães Rosa, Glauber Rocha e seus desenredos. Sociedade e Estado, Brasília, v. 23, n. 1, p. 51-87, jan./abr. 2008.

RAMOS, Fernando P. A ascensão do novo jovem cinema. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018.

RAMOS, Fernando P. Cinema novo/cinema curtição. Entre curtição e exasperação. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018b.

RAMOS, Fernando P. A grande crise: modernismo, fim da embrafilme e da pornochanchada. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018c.

RAMOS, Fernando P. A retomada: nação inviável, narcisismo às avessas e má consciência. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018d.

RAMOS, José Mário Ortiz. Cinema, televisão e publicidade: cultura popular de massa no Brasil nos anos 1970-1980. São Paulo: Annablume, 2004.

RAMOS, José M. O. Cultura audiovisual e cultura contemporânea. São Paulo em Perspectiva, 15(3) 2001, pp. 10-17.RAMOS, José M. O. Cinema, Estado e Lutas Culturais – Anos 50/60/70. São Paulo: Paz e Terra, 1983.

RAMOS, José Mário Ortiz; AUTRAN, Arthur. O cinema brasileiro das décadas de 1870 e 1980. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. São Paulo: Unesp, 2016.

ROCHA, Glauber. Uma Estética da Fome. Portal Vermelho. Acessado em 24 de janeiro: https://vermelho.org.br/prosa-poesia-arte/leia-a-integra-do-manifesto-uma-estetica-da-fome-de-glauber-rocha/

ROSSI, Túlio Cunha. Problematizando a indústria dos sonhos: questões sociológicas para analisar o cinema de entretenimento estadunidense. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, Vol. 50, N. 2, p. 137-145, mai/ago 2014.

SAER, Juan José. O conceito de ficção. Revista FronteiraZ, São Paulo, n. 9, pp. 320-325, dezembro de 2012.

SALLES GOMES, Paulo Emilio. Cinema e Política. São Paulo. Peguin & Cia das Letras, 2021.

SALLES GOMES, Paulo Emilio. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra/Embrafilme, 1980.

SCHVARMAN, Sheila. Cinema brasileiro de grande bilheteria. In: Fernando Pessoa Ramos e Sheila Schvarzman (orgs.): Nova história do cinema brasileiro. São Paulo: SESC, 2018d.

SIMMIS, Anita. Estado e cinema no Brasil. Anablume, 2008.

SOUZA, José Inácio de Mello. Imagens do passado: São Paulo e Rio de Janeiro nos primórdios do cinema. São Paulo: Senac, 2004.

SUBIRATS, Eduardo. A cultura como espetáculo. São Paulo: Nobel, 1989.

SÜSSEKIND, Flora. Cinematógrafo de letras. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

VALCK, Marijke de. As várias faces dos festivais de cinema europeus. In: Meleiro, Alessandra (org). Cinema no mundo: indústria, política e mercado – Europa V. São Paulo: Escrituras Editora, 2007.

VIANY, Alex. Introdução ao cinema brasileiro. 2ª ed. Rio de Janeiro: Alhambra/Embrafilme, 1987.

XAVIER, Ismail. Sertão Mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Editora 34, 2019.

XAVIER, Ismail. O Discurso Cinematográfico: a opacidade e a transparência. Rio de Janeiro – São Paulo: Paz e Terra, 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>