Intolerância religiosa, racismo epistêmico e as marcas da opressão cultural, intelectual e social

Main Article Content

Paula Márcia de Castro Marinho

Resumo

Este artigo objetiva delinear os contornos peculiares dos conflitos religiosos no Brasil contemporâneo, a partir de uma reflexão teórica com base na literatura sociológica referente à intolerância religiosa nacional. As reflexões apontam para um entendimento de que este fenômeno encerra genealogia ancorada nas formulações ideológicas de origem colonial construídas para subordinar ou extinguir as experiências, histórias, recursos e produtos culturais de povos colonizados/escravizados marcados pela inferioridade mental e cultural baseada em diferenças raciais artificialmente criadas. Seus desenhos atuais respondem ao legado colonial do racismo epistêmico, entrecruzado com a disputa pelo mercado religioso e as características peculiares da religiosidade nacional crédula de soluções mágico-religiosas para seus problemas cotidianos, sobrepostos à tendência da sociedade brasileira em usar da violência para a solução de conflitos. A tese deste artigo teórico sustenta que a intolerância religiosa brasileira contemporânea se articula por estas quatro vertentes de sinergia e performance que se retroalimentam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
de Castro Marinho, P. M. (2022). Intolerância religiosa, racismo epistêmico e as marcas da opressão cultural, intelectual e social. Sociedade E Estado, 37(02), 489–510. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202237020005
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Paula Márcia de Castro Marinho, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo de. A expansão pentecostal: circulação e flexibilidade. In: TEIXEIRA, Faustino & MENEZES, Renata. (Orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 111-122.

BAPTISTA, Saulo. Pentecostais e neopentecostais na política brasileira: um estudo sobre cultura política, Estado e atores coletivos religiosos no Brasil. São Paulo: Annablume; São Bernardo do Campo: Instituto Metodista Izabela Hendrix, 2009.

BURITY, Joanildo. A. Religião Política e Cultura. Tempo Social Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 83-113, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/rvTvKJ5tW6KLvNt9wB8nqny/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

CHAUÍ. Marilena. Contra a violência. Portal da Fundação Perseu Abramo, 03/04/2007. Disponível em: http://csbh.fpabramo.org.br/contra-violencia-por-marilena-chaui. Acesso em: 03 ago. 2021.

________. Sobre a violência. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

CUNHA, Christina V. “Traficantes Evangélicos” e Intolerância Religiosa nas Favelas Hoje: O Caso de Acari, Rio De Janeiro. XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais. Universidade Federal da Bahia. Salvador: 2011.

DATAFOLHA. Avaliação do STF. Instituto de Pesquisa Datafolha. São Paulo, jan. 2020. Disponível em: http://media.folha.uol.com.br/datafolha/2020/01/02/7e8c42dd3b0fc21750fd09831e73bdd9stf.pdf. Acesso em: 03 ago. 2021.

DREHER, Martin N. A igreja latino-americana no contexto mundial. São Leopoldo: Sinodal, 1999.

FRESTON, Paul. Protestantes e Política no Brasil: da Constituinte ao Impeachment. Tese (Doutorado). Campinas: UNICAMP, 1993. Departamento de Ciências Sociais. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade de Campinas, 1993.

GIUMBELLI, Emerson. Um Projeto de Cristianismo Hegemônico. In: SILVA, V. G. Intolerância Religiosa – Impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Edusp, 2015.

GROSFOGUEL, Ramón. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Trad. Flávia Gouveia Ciência e Cultura. Campinas, vol.59, n.2 p. 32-35, São Paulo, abr./Jun., 2007. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252007000200015. Acesso em: 03 ago. 2021.

______. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Trad. Fernanda Miguens, Maurício B. de Castro e Rafael Maieiro. Revista Sociedade e Estado. Brasília, v. 31, p. 25-49, nº 1, jan./abr. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/xpNFtGdzw4F3dpF6yZVVGgt/?lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

HABERMAS, Jürgman. A Teoria da Adaptação. Trad. Luiz Repa. Caderno Mais. Folha de São Paulo. São Paulo, 2003. Disponível em <http://feeds.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs0501200309.htm>.

IANNI, Octávio. Dialética das relações raciais. Estudos Avançados. São Paulo, v.18, n. 50, fev. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000100003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/78rQndTBbYLBzHMdc3ygj4w/abstract/?lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

MAGGIE, Yvonne. Medo do feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Religion, Conquest, and Race in the Foundations of the Modern/Colonial World. Journal of the American Academy of Religion, vol. 82, n. 3, p. 636–665, Sep. 2014. DOI: https://doi.org/10.1093/jaarel/lfu054. Disponível em: https://academic.oup.com/jaar/article-abstract/82/3/636/2931355. Acesso em: 03 ago. 2021.

MARIANO, Ricardo. Mudanças no Campo Religioso Brasileiro no Censo 2010. Debates do NER, Porto Alegre, ano 14, n. 24, p. 119-137, jul./dez. 2013.

______. Pentecostais em ação – a demonização dos cultos afro-brasileiros. In: SILVA, V. G. Intolerância Religiosa – Impactos do neopentecostalismo no campo religioso afro-brasileiro. São Paulo: Edusp, 2015.

MIGNOLO, Walter. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 32, n° 94 p. 1-18, jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.17666/329402/2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/nKwQNPrx5Zr3yrMjh7tCZVk/abstract/?lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

MISSE, Michel. "Violência: o que foi que aconteceu?" Jornal do SINTURF - Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFRJ, ano XVII, n. 529, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Violência e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2006.

ORO, Ari. P. Neopentecostais e afro-brasileiros: quem vencerá esta guerra? Debates do NER, n. 1, p. 10-37, 1997. DOI: http://dx.doi.org/10.36482/1809-5267.arbp2020v72s1p.48-65. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-

Acesso em: 03 ago. 2021.

ORO, A. P. & BEM, Daniel F. de. A discriminação contra as religiões afro-brasileiras: ontem e hoje. Ciências & Letras. Porto Alegre, n. 44: 301-318, jul./dez, 2008. Disponível em https://docplayer.com.br/39757369-A-discriminacao-contra-as-religioes-afro-brasileiras-ontem-e-hoje.html. Acesso em 0/08/2021.

PIERUCCI, Antônio F. De olho na modernidade religiosa. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 20, n. 2, nov. 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-20702008000200001. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/CWXGfjkWSPJRjjr35Cz8p9q/?lang=pt. Acesso em: 10082021.

PRANDI, Reginaldo. Referências sociais das religiões afro-brasileiras: sincretismo, branqueamento, africanização. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 151-167, jun. 1998. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71831998000100008. Disponível em:

https://www.scielo.br/j/ha/a/g35m5TSrGjDp9HxYGjBqNGg/?lang=pt. Acesso em: 03 ago.

______. As religiões afro-brasileiras e seus seguidores. Civitas. Porto Alegre, v. 3, nº 1 p. 15-33, jun. 2003.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

______. “Raza”, “etnia” y “nación” en Mariátegui: cuestiones abiertas. In: Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014.

SILVA, Vagner G. Candomblé e Umbanda: caminhos da devoção brasileira. 5ª ed. São Paulo: Selo Negro, 2005.

______. Neopentecostalismo e Religiões Afrobrasileiras: Significados do ataque aos símbolos da herança religiosa africana no Brasil contemporâneo. Mana Estudos de Antropologia Social. Rio de Janeiro, v. 13, n. 1 p. 207-236, abr. 2007.

______. Prefácio ou Notícias de uma guerra nada particular: Os ataques neopentecostais às religiões afro-brasileiras e aos símbolos da herança africana no Brasil. In Intolerância Religiosa: Impactos do Neopentecostalismo no Campo Religioso Afro-Brasileiro. SILVA, Vagner Gonçalves da (org.). São Paulo, EDUSP, 2015. pp 9-27.

TEIXEIRA, Faustino. O Censo de 2010 e as religiões no Brasil: esboço de apresentação. In:

TEIXEIRA, F.; MENEZES, R. (Org.). Religiões em Movimento: o censo de 2010.

Petrópolis: Vozes, 2013.