A “meada” do negacionismo climático e o impedimento da governamentalização ambiental no Brasil

Main Article Content

Jean Carlos Hochsprung Miguel

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir criticamente a respeito do fenômeno do negacionismo científico e da chamada “política de pós-verdade”, investigando as condições específicas de emergência, existência e ação do negacionismo climático no Brasil. Metodologicamente, capta-se o aparecimento do negacionismo climático a partir de problemas que o situaram como elemento de um “dispositivo” de natureza essencialmente estratégica. Em nossas análises, destacaremos o papel estratégico do negacionismo climático na visão de mundo liberal conservadora e sua ação de impedimento de processos de governamentalização ambiental no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
Hochsprung Miguel, J. C. (2022). A “meada” do negacionismo climático e o impedimento da governamentalização ambiental no Brasil. Sociedade E Estado, 37(01), 293–315. https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202237010013
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Jean Carlos Hochsprung Miguel, Universidade Federal de São Paulo

Universidade Federal de São Paulo, Campus Guarulhos, SP, Brasil, Pesquisador. Doutor em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Referências

ARAÚJO, Ernesto. Sequestrar e perverter, 2018. Disponível em: <https://www.metapoliticabrasil.com/post/sequestrar-e-perverter>. Acesso em: 06 Jan. 2020.

» https://www.metapoliticabrasil.com/post/sequestrar-e-perverter

AZEVEDO, José Carlos de. O aquecimento da Terra. O Estado de S. Paulo, 07 Nov. 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2015.

BERNARDIN, Pascal. O império ecológico ou a subversão da ecologia pelo globalismo. Campinas, SP: Vide Editorial. 2015.

BRAGANÇA, Bertrand de Orleans. Psicose ambientalista: os bastidores do ecoterrorismo para implantar uma “religião” ecológica, igualitária e anticristã. São Paulo: Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, 2012.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. PL 1876/99 - Código Florestal Brasileiro. Audiência Pública, 12 de novembro de 2009a.

______. PL 1876/99 - Código Florestal Brasileiro. Audiência Pública, 1o de dezembro de 2009b.

CARVALHO, Olavo de. ONU, Nova Ordem Mundial e a escravização mundial, 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=e2bBHef6u60>. Acesso em: 06 Jan. 2019.

» https://www.youtube.com/watch?v=e2bBHef6u60

______. Aquecimento global para Olavo de Carvalho. 2012 Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=t8FgrKnk2AA>. Acesso em: 24 Abr. 2019.

» https://www.youtube.com/watch?v=t8FgrKnk2AA

______. Ciência ou palhaçada? Jornal Diário do Comércio, 21 Maio 2007.

______. Do marxismo cultural. 2002. Disponível em: <http://olavodecarvalho.org/do-marxismo-cultural/>. Acesso em: 06 Jan. 2019.

» http://olavodecarvalho.org/do-marxismo-cultural

DANOWSKI, Debora. O hiper-realismo das mudanças climáticas e as várias faces do negacionismo. Sopro (Panfleto Político-Cultural), p. 2-11, 2012.

DELEUZE, Gilles. What is a dispositif? In: ARMSTRONG. T. J. (Ed.). Michel Foucault philosopher, p. 159-168. Hemel Hempstead, UK: Harvester Wheatsheaf, 1992.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

______. The birth of biopolitics. New York: Palgrave Macmillan, 2008a.

______. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

______. Microfísica do poder, 17. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

HOGGAN, James. Climate cover-up. The crusade to deny global warming. Vancouver, CA: Greystone Books, 2009.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE). Atlas de cenários futuros para o Brasil (versão 1.0). Cachoeira Paulista, SP: Inpe, 2007.

JASANOFF, Sheila.; SIMMET, Hilton. No funeral bells: Public reason in a “post-truth” age. Social Studies of Science, v. 47, n. 5, p.751-770, 2017.

JAKUBAZKO, Richard; MOLION, C. B. Luiz; OLIVEIRA, C. P. José. CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando? São Paulo: DBO Editores Associados, 2015.

KAKUTANI, Michiko. A morte da verdade: notas sobre a mentira na era Trump. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

KALPOKAS, Ignas. A political theory of post-truth. New York: Palgrave Macmillan, 2018.

LAHSEN, Myanna. Anatomy of dissent: a cultural analysis of climate skepticism. American Behavioral Scientist, v. 57, p. 732-753, 2013.

MIGUEL, Jean. Negacionismo climático no Brasil. Coletiva, Dossiê 27, Crise climática, 2020.

______. Ciência, política e a reformulação do Código Florestal. Política & Sociedade, v. 13, p. 137-152, 2014.

MIGUEL, Jean.; MAHONY, Martin.; MONTEIRO, Marko. Infrastructural geopolitics of climate knowledge: the Brazilian Earth System Model and the North-South knowledge divide. Sociologias, v. 21, p. 44-75, 2019.

NOBRE, Carlos. Sobre um físico e a feliz ignorância. Folha de S. Paulo, 13 Dez. 2007.

ORESKES, Naomi.; CONWAY, Erik. Merchants of doubt. New York: Bloomsberry Press, 2010.

REIS, José. Volta ao carvão pode alterar o clima. Folha de S. Paulo, 1978. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/folha-100-anos/2020/09/aquecimento-global-apareceu-na-folha-pela-primeira-vez-em-1978.shtml>. Acesso em: 09 Jun. 2021.

» https://www1.folha.uol.com.br/folha-100-anos/2020/09/aquecimento-global-apareceu-na-folha-pela-primeira-vez-em-1978.shtml

SANTOS, Renan. Entre o “cuidado da casa comum” e a “psicose ambientalista”: disputas em torno da ecoteologia católica no Brasil. Revista Brasileira de Sociologia, v. 8, n. 20, p. 78-101, 2020.

SOLANO, Esther (Org.). O ódio como política. A reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

VIOLA, Eduardo. O regime internacional de mudanças climáticas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 50, p. 25-46, 2002.