COLONIALIDADE E EDUCAÇÃO:

O CURRÍCULO DE FILOSOFIA BRASILEIRO ENTRE DISCURSOS COLONIAIS

Autores

  • Wanderson Flor do Nascimento Universidade de Brasília
  • Denise Botelho

DOI:

https://doi.org/10.26512/resafe.v0i14.4398

Palavras-chave:

Ensino de Filosofia, Filosofia da Educação, Educação, Colonialidade, Diálogo, Currículo

Resumo

O presente texto busca discutir o silenciamento de produções nacionais, latino-americanas e africanas nos currículos de filosofia brasileiros como um sintoma de uma internalização dos discursos coloniais que constituíram a maneira moderna de lidarmos com a filosofia, com a educação, com o ensino de filosofia. Algumas das principais categorias dos estudos sobre a colonialidade serão utilizadas como roteiro para essa discussão. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wanderson Flor do Nascimento, Universidade de Brasília

Graduado, especialista e mestre em filosofia, doutor em Bioética, pela Universidade de Brasília.

Denise Botelho

Professora da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília

Referências

APPIAH, Kwame. Na casa de meu pai. A África na Filosofia da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

ARANTES, Paulo. Um departamentofrancês de ultramar. Ensaios sobre a formação da cultura filosófica uspiana. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

ARENDT, Hannah. A condição Humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

BRASIL/MEC. Orientações Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CABRERA, Julio. Diário de um filósofo no Brasil. Ijuí: EdUnIJUÃ, 2010.

CASANOVA, Pablo González. As novas ciências e as humanidades: da academia à política. São Paulo: Boitempo, 2006.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre el colonialismo. México DF: UNAM, 1979.

COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002.

DUSSEL, Enrique. 1492: O encobrimento do outro. A origem do Mito da Modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

ESCOBAR, Arturo. Mundos y conocimientos de otro modo: el programa de investigación de modernidad/colonialidad Latinoamericano. Tabula Rasa, Bogotá, n. 1, p. 51-86, ene.”“dec., 2003

FANON, Franz. Racismo y cultura. In: Por la revolución africana. México -DF: Fondo de Cultura Económica, p. 38-52, 1965.

____. Os condenados da terra. Juiz de Fora: UFJF, 1979.

____. Pele Negra, Máscaras Brancas. Salvador: EdUFBA, 2008.

FORNET-BETANCOURT, Raúl. Questões de método para uma filosofia intercultural. São Leopoldo: Unisinos, 1993.

____. Transformación intercultural de la filosofía. Bilbao: Desclée de Brouwer, 2001.

FOUCAULT, Michel. Verdade e Poder. In: Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, p. 1-14, 1988.

____. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1999.

____. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

____. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2002.

GOMES, Roberto. Crítica da Razão Tupiniquim. São Paulo: FTD, 1994.

GULDBERG, Horacio Cerutti. Filosofar desdeNuestra América. Ensayo problematizador de su modus operandi. México DF: Centro Regional de Investigaciones Multidisciplinarias, 2000.

HUSSERL, Edmund. A crise da humanidade européia e a filosofia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

KANT, Immanuel. Obras.(Prolegómenos a toda metafísica del porvenir, Observaciones sobre el sentimiento de lo bello y lo sublime, Crítica del Juicio). México DF: Porrúa 1985.

LATOUR, Bruno. Give me a Laboratory and I Will Rise a World. In: KNORR, K. & MULKAY, M. (eds.) Science Observed. London: Sage Publications, p. 141-174, 1992.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento. In: SOUSA SANTOS; Boaventura de; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, p. 396-443, 2010.

MANCE, Euclides André. As Filosofias Africanas e a Temática de Libertação. Arquivos do Instituto de Filosofia da Libertação. Curitiba: IFIL, 1995. Disponível em: <http://www.ifil.org>. Acesso em 10.06.2010.

MIGNOLO, Walter. Histórias Locais/Projetos Globais. Colonialidade, Saberes Subalternos e Pensamento Liminar. Belo Horizonte: EdUFMG, 2003.

NASCIMENTO, Abdias do. Quilombismo. Vozes: Petrópolis, 1980.

OLIVEIRA, Eduardo. Cosmovisão africana no Brasil. Elementos para uma filosofia afrodescencente. Curitiba: IPAD, 2006.

____. Filosofia da Ancestralidade. Curitiba: Popular, 2007a.

____. A ancestralidade na encruzilhada. Curitiba: PRPAAE-UFRB, 2007b.

PALASCIOS, Gonzalo Armijos. De como fazer filosofia sem ser grego, estar morto ou ser gênio. Goiânia: EdUFG, 2000.

PORCHAT PEREIRA, Oswaldo. Discurso aos estudantes sobre a pesquisa em filosofia. In: SOUZA, José Crisóstomo de (org.). A filosofia entre nós. Ijuí: EdUnIJUÃ, 2005.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad-racionalidad. In: BONILLO, Heraclio (comp.). Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones; Flacso, p. 437-449, 1992.

____. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of World-Systems Research. Santa Cruz/California, VI, 2, summer/fall, p. 342-386, 2000.

____. Diversidade Étnica. In: SADER, Emir et alii (coords.). Latinoamericana. Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe. Rio de Janeiro/São Paulo: Laboratório de Políticas Públicas ”“UERJ/Boitempo, p. 520-530, 2006.

RICOEUR, Paul. Le conflit des interprétations, Paris: Seuil, 1969.

SANTOS, Milton. O lugar e o cotidiano. In: SOUSA SANTOS; Boaventura de; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, p. 584-602, 2010.

SOUSA SANTOS; Boaventura de; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SPIVAK, Gayatri. Can the Subaltern Speak? In: WILLIAMS, Patrick; CHRISMAN, Laura. (eds.) Colonial Discourse and Postcolonial Theory. New York: Columbia University Press, p. 66-111, 1994.

UNESCO. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a Unesco da comissão de Educação para o Séc. XXI. São Paulo/Brasília: Cortez/Unesco, MEC, 1998.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, conocimientos y decolonialidad. Signo y Pensamiento. n. 46, vol. XXIV, Quito: p. 39-50, enero-junio2005.

WIREDU, Kwasi (ed). A Companion to African Philosophy. London: Blackwell, 2004.

Downloads

Como Citar

Flor do Nascimento, W., & Botelho, D. (2011). COLONIALIDADE E EDUCAÇÃO:: O CURRÍCULO DE FILOSOFIA BRASILEIRO ENTRE DISCURSOS COLONIAIS. Revista Sul-Americana De Filosofia E Educação (RESAFE), (14), 66–89. https://doi.org/10.26512/resafe.v0i14.4398

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)