A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE POPULISMO À AMÉRICA LATINA

pela necessidade de classificar, e não desqualificar

Autores

  • João Carlos Amoroso Botelho Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

Populismo, América Latina, Casos paradigmáticos, Classificação

Resumo

Desde que autores como Germani (1962), Di Tella (1969) e Ianni (1975) aplicaram a noção de populismo à América Latina, muito se escreveu sobre o tema. O conceito se estirou tanto que tem servido para definir políticos os mais díspares. Com a ausência das condições socioeconômicas descritas pelas formulações clássicas, a estratégia adotada é limitar a categoria à dimensão política. Esse procedimento, porém, não é capaz de descrever atributos exclusivos suficientes para que o populismo seja um fenômeno específico. Ao mesmo tempo, o conceito está tão enraizado que não é viável abandoná-lo. A solução proposta é avaliar em quais características um político se aproxima e se afasta dos casos paradigmáticos do passado. Assim, ele pode ser populista em certos aspectos e não em outros. Com esse procedimento, se chega a uma classificação, em que um líder apresente mais ou menos atributos descritos pelas definições clássicas, eliminando a necessidade de reformulação constante do conceito para adaptá-lo a novas circunstâncias. Também haveria menos espaço a que o rótulo de populista continuasse servindo para desqualificar políticos latino-americanos. O artigo aborda definições clássicas e recentes aplicadas à América Latina e avalia a viabilidade empírica da estratégia de se concentrar na dimensão política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

João Carlos Amoroso Botelho, Universidade Federal de Goiás

Professor adjunto da Área de Ciência Política e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Política da Universidade Federal de Goiás e doutor em Ciência Política pela Universidad de Salamanca (Espanha)

Referências

DI TELLA, Torcuato S. Por uma política latino-americana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.
DRAKE, Paul. Populism in South America. Latin American Research Review, v. 17, n. 1, p. 190-199, 1982.
FREIDENBERG, Flavia. La tentación populista. Una vía al poder en América Latina. Madri: Síntesis, 2007.
GERMANI, Gino. Política y sociedad en una época de transición: de la sociedad tradicional a la sociedad de masas. Buenos Aires: Paidós, 1962.
______. Democracia representativa y clases populares en América Latina. In: TOURAINE, Alain, GERMANI, Gino. América del Sur: un proletariado nuevo. Barcelona: Nova Terra, 1965a, p. 39-66.
______. Political Change: from Traditional Society to Total Participation in Latin America. Nova York: Institute of Latin American Studies, 1965b.
HERMET, Guy. El populismo como concepto. Revista de Ciencia Política, v. 23, n. 1, p. 5-18, 2003.
IANNI, Octavio. A formação do Estado populista na América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1975.
LACLAU, Ernesto. La razón populista. México-DF: Fondo de Cultura Económica, 2005.
SARTORI, Giovanni. El método de la comparación y la política comparada. In: SARTORI, Giovanni. La política: lógica y método en las Ciencias Sociales. México- DF: Fondo de Cultura Económica, 2002, p. 261-318.

Downloads

Publicado

2013-09-29

Como Citar

Botelho, J. C. A. (2013). A APLICAÇÃO DO CONCEITO DE POPULISMO À AMÉRICA LATINA: pela necessidade de classificar, e não desqualificar. Revista De Estudos E Pesquisas Sobre As Américas, 7(1), 1–13. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/repam/article/view/20212

Edição

Seção

Artigos