MULHERES ENCARCERADAS:

A VIVÊNCIA DA MATERNIDADE POR MULHERES PRIVADAS DE LIBERDADE NA CIDADE DE VITÓRIA DA CONQUISTA – BAHIA

Autores

  • Sabrina Silva Moreira FAINOR
  • José Carlos Mélo Miranda de Oliveira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Palavras-chave:

Aprisionamento Feminino. Maternidade. Prisão Domiciliar. Direitos Humanos.

Resumo

Experiência afetiva entre mães privadas de liberdade com seus filhos e filhas, na cidade de Vitória da Conquista – Bahia. Apesar da existência de normas, constitucionais e internacionais, que disciplinam a dinâmica do encarceramento, a literatura sobre o tema parte da perspectiva de que as instituições prisionais favorecem a violação de direitos humanos. Assim, a presente pesquisa intenta investigar as condições para a vivência da maternidade por mulheres privadas de liberdade em Vitória da Conquista, na Bahia. Desse modo, surgiram as seguintes hipóteses: se ocorre a materialização dos direitos garantidos às mães encarceradas ou se existe algum obstáculo para a manutenção do vínculo afetivo entre essas mulheres com seus filhos e filhas, em razão da condição de aprisionamento. À vista disso, o presente estudo, visa, portanto, conhecer as circunstâncias fáticas em que estas mulheres estão inseridas e, por fim, analisar se existe efetiva materialização dos direitos que são garantidos pelo ordenamento jurídico vigente. Nesse viés, a pesquisa empírica foi conduzida pelo método dialético, por meio da abordagem qualitativa. De igual modo, a pesquisa exploratória permitiu o estudo do tema sob diversos aspectos, objetivando uma melhor compreensão sobre o problema proposto, como levantamento bibliográfico, documental e entrevistas com pessoas que possuem experiência prática com o problema pesquisado. Desse modo, estima-se que o debate sobre a vivência da maternidade por mulheres na condição prisional seja imprescindível para o conhecimento civil e acadêmico e, ainda, contribuirá com possíveis reflexões acerca dos principais obstáculos à efetivação de direitos formalmente garantidos a uma maternidade saudável e, também, pensar em possíveis soluções práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, M. N. de; PEREIRA, L. U. O julgamento do Habeas Corpus n. 143.641 a partir de uma perspectiva de direitos reprodutivos. Revista de Direito Sanitário, Universidade de São Paulo – Brasil, v. 20, n. 1, p. 263-282, 2019. DOI: 10.11606/issn.2316-9044.v20i1p263-282. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rdisan/article/view/164220. Acesso em: 31 mar. 2021.

BRAGA, A. G.; ANGOTTI, B. Dar à luz na sombra: exercício da maternidade na prisão. São Paulo: editora Unesp Digital, 2019.

BRAGA, A. G.; FRANKLIN, N. I. C. Quando a casa é a prisão: uma análise de decisões de prisão domiciliar de grávidas e mães após a lei 12.403/2011. Revista Quaestio Iuris, Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Brasil, v. 9 n. 1, p. 349-375, 2016. DOI: 10.12957/rqi.2016.18579. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/quaestioiuris/article/view/18579. Acesso: 20 abr. 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 19 nov. 2021.

BRASIL. Decreto-lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm. Acesso em: 19 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984. Institui a Lei de Execuções Penais. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l7210.htm. Acesso em: 15 mai. de 2021.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8069.htm. Acesso em: 23 nov. 2021.

BRASIL. Regras de Bangkok: regras das Nações Unidas para o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras. Coordenação: Luís Geraldo Sant’Ana Lanfredi - Brasília: CNJ, 2016. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/poder-judiciario/relacoes-internacionais/tratados/. Acesso em: 18 nov. 2021.

CARLOS, P. P. Gênero, maternidade e direitos sexuais e reprodutivos. Revista Jurídica Luso - Brasileira, Faculdade de Direito – Universidade de Lisboa, Lisboa, v. 5, n. 1, p. 1745-1781, 2019. Disponível em: https://www.cidp.pt/publicacao/revista-juridica-lusobrasileira-ano-5-2019-n-1/186. Acesso em: 21 set. 2021.

CORRÊA, S.; PETCHESKY, R. Direitos sexuais e reprodutivos: uma perspectiva feminista. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1/2, p. 147-177, 1996. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-73311996000100008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/physis/a/K7L76NSSqymrLxfsPz8y87F/#. Acesso em: 02 nov. 2021.

ESPINOZA, O. A mulher encarcerada em face do poder punitivo. São Paulo: Ibccrim, 2004.

PRODANOV; C. C. FREITAS; E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (recurso eletrônico). 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

GUSTIN, M. B. S.; DIAS, M. T. F.; NICÁCIO, C. S. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e prática. 5. ed. rev., ampl. e atual. – São Paulo: Almedina, 2020.

MATTAR, L. D. Reconhecimento jurídico dos direitos sexuais: uma análise comparativa com os direitos reprodutivos. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 5, n. 8, p. 60-83, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S1806-64452008000100004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/sur/a/CwLVRN4HBQzfcPsGb8WJc9q/?lang=pt. Acesso em: 28 out. 2021.

PIOVESAN, F.; PIROTTA, W. R. B. A proteção dos direitos reprodutivos no direito internacional e no direito interno. In: PIOVESAN, F. Temas de direitos humanos. 11th edição, Editora Saraiva, 2018, p. 480-510. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788553600298/. Acesso em: 01 nov. 2021.

SANTA RITA, R. P. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade da pessoa humana. 2006. Dissertação (Mestrado em Política Social) – Programa de Pós-Graduação em Política Social, Departamento de Serviço Social, Universidade de Brasília, Brasília, 2006. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/6377. Acesso em: 31 mar. 2021.

SCAVONE, L. A maternidade e o feminismo: diálogo com as ciências sociais. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 16, p. 137–150, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644543. Acesso em: 11 mar. 2021.

Downloads

Publicado

02-02-2023

Como Citar

SILVA MOREIRA, Sabrina; MÉLO MIRANDA DE OLIVEIRA, José Carlos. MULHERES ENCARCERADAS:: A VIVÊNCIA DA MATERNIDADE POR MULHERES PRIVADAS DE LIBERDADE NA CIDADE DE VITÓRIA DA CONQUISTA – BAHIA. Revista dos Estudantes de Direito da Universidade de Brasília, [S. l.], v. 18, n. 2, p. 257–282, 2023. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/redunb/article/view/44987. Acesso em: 21 abr. 2024.