Do patrimonium ao patrimônio digital 3.0

Autores

Palavras-chave:

Patrimônio, Patrimônio Digital, Web 3.0, Heterosemântica, Heterotopia

Resumo

Esse trabalho apresenta a transformação conceitual do termo patrimônio, da sua origem latina patrimonium até o Patrimônio Digital 3.0. A análise da dinâmica entre sujeito-tecnologia-patrimônio nas fases da internet permitiu refletir sobre as etapas do Patrimônio Digital. As proposições sobre o Patrimônio Digital nortearam-se pela Carta Sobre la Preservación del Patrimônio Digital da UNESCO e pelas propostas de Addison para o Patrimônio Digital 1.0 e 2.0.  Refletimos sobre a constituição do Patrimônio Digital 3.0, a partir da relação com a Web 3.0, marcada pelo algoritmo e pela busca semântica. Realizamos uma revisão da literatura de pesquisas publicadas entre 2014 a 2019 nas plataformas Google Acadêmico, Science Direct e Periódicos Capes. Assim, identificamos a natureza heterosemântica dos objetos patrimoniais digitais 3.0, ao tecer as características do Patrimônio Digital 3.0, afetada pelo ambiente heterotópico. Com esse percurso, esperamos evidenciar a urgência de legislações e critérios específicos para preservar o Patrimônio Digital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ana Lidia Vieira, Universidade Federal do Pará

Assessora de Comunicação do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Pará. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Patrimônio Cultural (PPGPatri) da Universidade Federal do Pará. Pós-graduada em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais na Faculdade Estácio de Sá. Consultora de e-Commerce e Negócios Digitais pela Escola Superior de Propaganda e Marketing. Graduada em Comunicação Social com habilitação em Publicidade e Propaganda na Universidade Federal do Pará (UFPA) com período bolsista na Universidad de Salamanca (2015-2016). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Mídias Digitais, Social Mídia e Planejamento Estratégico Digital. Atua nas áreas do Marketing, Marketing Digital e Transmídia.

Carmen Lúcia Souza da Silva, Universidade Federal do Pará

Professora associada do curso de graduação em Museologia e do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Patrimônio Cultural da Universidade Federal do Pará (UFPA). É doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos-RS), mestre em Ciências da Informação e da Comunicação pela Universidade Lyon 2 (França) e especialista em Poéticas Visuais: Gravura, Fotografia e Imagem Digital pela Universidade Feevale (RS). Atua nas áreas de Comunicação, Museologia, Cultura e Artes, com ênfase em comunicação museológica, cultura digital, imagem e fotografia. Em diálogos interdisciplinares, desenvolve estudos de recepção e sobre transmídia, tecnologias digitais e de conexão em rede, aplicadas à Museologia e ao Patrimônio Cultural, inclusive sobre virtualização do patrimônio, através de modelagem 3D voltada a visitas imersivas e interativas na internet.

Referências

ADDISON, C. Digital Heritage 2.0: Strategies for Safeguarding Culture in a Disappearing World. In: INTERNATIONAL SYMPOSIUM ON INFORMATION AND COMMUNICATION TECHNOLOGIES IN CULTURAL HERITAGE, 2008, Ioannina. Resumos... Ioannina: The University of Ioannina, 2008, p. 9-18.

BOITO, C. Os restauradores. Tradução Beatriz Khul. São Paulo: Ateliê Editorial, 2008.

BRASIL, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.

BRASIL, Decreto-Lei nº 25, de 30 de novembro de 1937. Organiza a Proteção do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Distrito Federal: Casa Civil, 1937.

BURGESS, J.; GREEN, J. Youtube: Online Video and Participatory Culture. Cambridge: Polity, 2018.

CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução Heloísa P. Cintrão e Ana Regina Lessa. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 1998.

Carta de Atenas. ICOMOS, Conselho Internacional de Monumentos e Sítios. Atenas, 1933.

Carta Mar del Plata sobre Patrimônio Intangível. MERCOSUL, Mercado Comum do Sul. Mar del Plata: 1997. Disponível em: <http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Mar%20del%20Plata%201997.pdf> Acesso em: 01 de outubro de 2019.

Carta sobre la Preservación del Patrimonio Digital. UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Paris, 2003. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000133171_spa> Acesso em 25 de julho de 2019. 2003.

CHRISTIAN, B.; GRIFFITHS, T. Algoritmos para viver: A ciência exata das decisões humanas. Tradução Paulo Geiger. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. Tradução Luciano Vieira Machado. São Paulo: Estação Liberdade, 2014. 282 p.

CHOUDHURY, N. World Wide Web and Its Journey from Web 1.0 to Web 4.0. International Journal of Computer Science and Information Technologies. v. 5, p. 8096 - 8100, 2014. Disponível em: < http://ijcsit.com/docs/Volume%205/vol5issue06/ijcsit20140506265.pdf> Acesso em 14 de fevereiro de 2020.

CORMODE, G., KRISHNAMURTHY, B. Key differences between Web 1.0 and Web 2.0. First Monday, v. 13, n. 6, 2008. Disponível em: < https://firstmonday.org/ojs/index.php/fm/article/view/2125> Acesso em 14 de fevereiro de 2020.

COSTA, E; BITTENCOUT, I; MIZOGUCHI, R; ISOTANIL, S. Web 3.0 - Os Rumos da Web Semântica e da Web 2.0 nos Ambientes Educacionais. In: XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, Anais... Fortaleza: Sociedade Brasileira de Computação, 2008. Disponível em: < https://www.br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/767> Acesso em 16 de fevereiro de 2020.

DESVALLÉES, A.;MAIRESSE, F (Ed.) Conceitos-chave de Museologia. Tradução Bruno Brulon Soares e Marília Xavier Cury. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, 2013.

DEVEDZIC, V. Semantic Web and Education. Springer, 2006.

DODEBEI, V. Patrimônio e Memória Digital. In: XXIX ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, Tópico Temático... Caxambu: ANPOCS, 2006. Disponível em: <http://www.seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/download/4759/4250> Acesso em: 28 de setembro de 2019.

____________. Memoração e patrimonialização em três tempos: mito, razão e interação digital. In: TARDY, C.; DODEBEI, V. (Org.). Memória e novos patrimônios. Marseille: Open Edition Press, 2015.

FOUCAULT, M. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FUNARI, P.; PELEGRINI, S. Patrimônio Histórico e Cultural. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

GONÇALVES, R. Ressonância, Materialidade e Subjetividade: as culturas como patrimônio. Horizontes Antropológicos. v. 23, p. 15-26, 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-71832005000100002> Acesso em 15 de fevereiro de 2020.

GRUBLER, M.; GLAHN, C. E-Learning for Arts and Cultural Heritage Education in Archives and Museums. 2009. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/283301043_E- learning_for_arts_and_cultural_heritage_education_in_archives_and_museums > Acesso em: 29 de setembro de 2019.

HERT, P. Internet comme dispositif hétérotopique. Hermès, La Revue, v. 25, p. 93 – 107, 1999. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-hermes-la-revue-1999-3-page-93.html. Acesso em: 31 de janeiro de 2020.

KUHL, B. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. São Paulo: Atêlie Editorial Fapesp Secretaria da Cultura, 1998.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.; SETIAWAN, I. Marketing 3.0: as forças que estão

definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier,2010.

LAGARTO, J. Tecnologias (digitais) e património cultural. In: ILHARCO, F.; HANENBERG, P.; LOPES, M. (Org.). Património Cultural e Transformação Digital. Lisboa: Universidade Católica Editora, p. 82-101, 2018.

LANUZA, A; RODRIGUEZ, R; ARECHIGA, E. Big data: posicionamiento de los sitios patrimonio de la humanidad por turistas internautas en la web 3.0. Revista Turismo y Desarrollo Local, v. 8, n. 18, 2015. Disponível em: < http://www.eumed.net/rev/turydes/18/big-data.html> Acesso em: 16 de fevereiro de 2020.

LIMEIRA, T. E-Marketing: O marketing na internet com casos brasileiros. São Paulo: Saraiva, 2007.

MARTIN-BARBERO, J. Dos Meios às Mediações: Comunicação, cultura e hegemonia. 6. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2009.

OLIVEIRA, J. Virtuais e Digitais: o patrimônio museológico em bits. In: MAGALHÃES, F.; COSTA, L.; HERNÁNDEZ, F.; CURCINO, A. (coord). Museologia e Patrimônio. Leira: Instituto Politécnico de Leira, 2019, v. 1, p 115 – 150.

O’REILLY, T. What Is Web 2.0: Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software. Communications & Strategies, v. 65, p. 17, 2007. Disponível em: https://mpra.ub.uni-muenchen.de/4580/. Acesso em 15 de fevereiro de 2020.

RAMIRES, J. Ciberespaço e patrimônio cultural digital: algumas reflexões. PatryTer – Revista Latinoamericana e Caribenha de Geografia e Humanidades, Brasília: Editora UNB, v. 2, n. 3, p. 26-36, 2019.

Recomendação de Paris. UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Paris, 2003. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Recomendacao%20Paris%202003.pdf> Acessado em 25 de julho de 2019.

Recomendação sobre a salvaguarda da cultura tradicional e popular. UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Paris, 1989. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Recomendacao%20Paris%201989.pdf> Acesso em 25 de julho de 2019.

REIS, G.; SERRES, P.; NUNES, I. Bens culturais digitais: reflexões conceituais a partir do contexto virtual. Encontros Bibli – Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Florianópolis, v. 21, n. 45, p. 54-69, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/1518-2924.2016v21n45p54> Acesso em: 29 de setembro de 2019.

RIEGL, A. O culto moderno dos monumentos: sua essência e sua gênese. Tradução Elane Ribeiro Peixoto e Albertina Vicentini. Goiânia: Editora da UCG, 2014.

ROZESTRATEN, A. et al. Reflexões sobre o patrimônio digital a partir da experiência do projeto Arquigrafia. Liinc em Revista. Rio de Janeiro. v. 11, n. 1, p. 197- 207, 2015. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/314196172_Reflexoes_sobre_o_patrimonio_digital_a_partir_da_experiencia_do_projeto_Arquigrafia_Digital_heritage_reflections_on_the_Arquigrafia_project> Acesso em: 30 de setembro de 2019.

SANT'ANNA, M. Patrimônio Material e Imaterial: dimensões de uma mesma ideia. In: GOMES, M.; CORRÊA, E. (Org.). Reconceituações contemporâneas do patrimônio. Salvador: EDUFBA, 2011, v. 1, p. 193-198.

SCIFONI, S. A Construção do Patrimônio Natural. 2006. 294 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

SILVA, C. A expansão do Patrimônio Cultural diante das tecnologias digitais: entre o atual e o virtual. In: MAGALHÃES, F.; COSTA, L.; HERNÁNDEZ, F.; CURCINO, A. (coord). Museologia e Patrimônio. Leira: Instituto Politécnico de Leira, 2019, v. 1, p 255 – 272.

VIANNA, L. Patrimônio Imaterial. In: GRIECO, B.; TEIXEIRA, L.; THOMPSON, A. (Org.). Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. 2. ed. Rio de Janeiro, Brasília: IPHAN/DAF/Copedoc, 2016.

VIÑAS, Salvador M. Teoría Contemporánea de la Restauración: Patrimônio Cultural. Madrid: Sintesis, 2010.

VOGT, O. Patrimônio cultural: um conceito em construção. MÉTIS: história & cultura. Rio Grande do Sul. v. 7, n. 13, p. 13-31, 2008. Disponível em: <http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/687> Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

WILL, L. Museum Objects as Sources of Information. ASLIB Managing Information, v. 94, n. 1:1, 1994. p. 32-34.

Downloads

Publicado

2021-12-18

Como Citar

Marreiros Tavares Vieira, A. L., & Souza da Silva, C. L. . (2021). Do patrimonium ao patrimônio digital 3.0. Museologia & Interdisciplinaridade, 10(Especial), 179–194. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/37686

Edição

Seção

Dossiê Museologia e Cultura Digital