A dicotomia documento ou obra de arte

Autores

  • Bruno César Rodrigues

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.34971

Palavras-chave:

Documento. Registro. Obra de arte. Performance. Arte contemporânea.

Resumo

O documento é entendido aqui como o objeto sob o qual é registrada a informação, uma comunicação, mas nem todos nascem com esta função; há aqueles sobre o quais atribuímos a posteriori esta ideia documental.  Assim, podemos dizer que seria o uso que define, de fato, o objeto como documento. Na arte da performance é comum se apresentar os registros feitos dela, seja em fotografia ou vídeo, e a interpretação dada a este material no momento de sua musealização, ou mesmo de sua exposição, pode afetar seu real funcionamento como peça-chave no processo artístico. Há, então, uma dicotomia que faz a distinção documento ou arte. No entanto, um registro não deve ter apartado de si seu valor documental, pois ele é capaz de instruir, de informar, além de servir como prova. Ao mesmo tempo, ele também pode se tornar autônomo e, assim, abarcar o duplo estatuto: documento e obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

ARANTES, Priscila. Re/escrituras da arte contemporânea: história, arquivo e mídia. Porto Alegre: Sulina, 2015.

AUSLANDER, Philip. A performatividade na documentação de performance. Poiésis, Niterói, v. 20, n. 33, p. 337-352, jan.-jun. 2019. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/poiesis/article/view/29014>. Acesso em: 30 jul 2020.

BÉNICHOU, Anne. Esses documentos que também são obras... Revista-Valise, Porto Alegre, v. 3, n. 6, ano 3, p. 171-191, dez. 2013. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/RevistaValise/article/viewFile/44418/28601>. Acesso em: 29 ago 2020

BÉNICHOU, Anne. Expor a arte da performance: um laboratório historiográfico? A hipermídia, a heterotopia, o repertório e a paralaxe. Museologia & Interdisciplinaridade, v. 5, n. 10, p. 74 - 87, jul.-dez. 2016. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/museologia/article/view/17727>. Acesso em: 16 ago 2020

BRIET, Suzanne. Qu’est-ce que la documentation? Paris: Éditions Documentaires Industrielles et Techniques, 1951. Disponível em: <http://martinetl.free.fr/suzannebriet/questcequeladocumentation/briet.pdf>. Acesso em: 24 jul 2013.

BUCKLAND, Michael K. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science, v. 42, n. 05, p. 351-360, 1991. Disponível em: < http://onlinelibrary.wiley.com/journal/10.1002/(ISSN)2330-1643/issues>. Acesso em: 22 ago 2006.

BUCKLAND, Michael K. What is a document? Journal of American Society for Information Science, v. 48, n.9, 1997. p. 804-809. Disponível em: <http://people.ischool.berkeley.edu/~buckland/whatdoc.html>. Acesso em: 22 ago 2006.

COSTA, Luiz Cláudio da (Org.). Registro e arquivo na arte: disponibilidade, modos e transferências fantasmática de escrituras. Anais do 17° Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas. Panorama da Pesquisa em Artes Visuais. Florianópolis, de 19 a 23 de agosto de 2008. Disponível em: <http://www.anpap.org.br/anais/2008/artigos/037.pdf>. Acesso em: 30 de jul 2020

COTTON, Charlotte. A fotografia como arte contemporânea. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

CRUZ, Roberto Moreira S. Cortes e recortes eletrônicos. In: MACHADO, Arlindo (Org). Made in Brasil: três décadas de vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras/ Itaú Cultural, 2007.

DESVALLÉS, André; MAIRESSE, François. Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: ICOM/ Armand Colin, 2013.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 1994.

FREIRE, Cristina. Arte conceitual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006a.

FREIRE, Cristina. Paulo Bruscky: arte, arquivo e utopia. São Paulo: S/Ed., 2006b.

FREIRE, Cristina. Poéticas do processo: arte conceitual no museu. São Paulo: Iluminuras, 1999.

LARA, Marilda Lopes Ginez de; ORTEGA, Cristina Dotta. Para uma abordagem contemporânea do documento na Ciência da Informação. Actas do X Congreso de ISKO-España. Ferrol 20 de junio-1 de julio de 2011; 2013: 371-387. Disponível em: <http://hdl.handle.net/2183/11621>. Acessado em: 27 de fev 2015

LE GOFF, Jacques. Documento/Monumento. In: ______. História e Memória. Campinas: Editora Unicamp, 2003. p. 525-541

LÓPEZ YEPES, José. Reflexiones sobre el concepto de documento ante la revolución de la información: ¿un nuevo profesional del documento? Scire, Zaragosa, v. 3, n. 1, ene/jun. 1997, p. 11-29.

LOUREIRO, M. L. N. M. Preservação in situ X ex situ: reflexões sobre um falso dilema. In: Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola, 3., Madri, 2011. Anais eletrônicos. Madri, Espanha, 2011. Disponível em: <https://repositorio.uam.es/bitstream/handle/10486/11607/57448_16.pdf?sequence=1>. Acesso em: 18 jul 2014.

MACHADO, Arlindo (org). Made in Brasil: três décadas de vídeo brasileiro. São Paulo: Iluminuras/ Itaú Cultural, 2007.

MACHADO, Arlindo (org). Arte e Mídia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Memória e cultura material: documentos pessoais no espaço público. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 11, n. 21, 1998, p. 89-103.

MENSCH, Peter Van. Towards a methodology of museology. Zagreb, 1992. Tese (Doutorado em Museologia), University of Zagreb. Disponível em: <http://emuzeum.cz/admin/files/Peter-van-Mensch-disertace.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2020.

ROUILLÉ, André. A fotografia: entre documento e arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac, 2009.

SENRA, Stella. Artur Barrio: fricções entre arte e registro. In: COSTA, Luiz Cláudio da (Org.). Dispositivos de registros na arte contemporânea. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2009.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. São Paulo: Companhia das Letra, 2004.

Downloads

Publicado

2020-11-03

Como Citar

César Rodrigues, B. (2020). A dicotomia documento ou obra de arte. Museologia & Interdisciplinaridade, 9(18), 224–237. https://doi.org/10.26512/museologia.v9i18.34971

Edição

Seção

Dossiê Musealização da Performatividade em Coleções Públicas e Privadas