Há sentido na Educação Não Formal na perspectiva da Formação Integral?

Autores

  • Fernanda Santana Rabello de Castro Educadora nos Museus Castro Maya - Chácara do Céu/Instituto Brasileiro de Museus, doutoranda no PPGE da Universidade Federal Fluminense e bolsista CNPQ

DOI:

https://doi.org/10.26512/museologia.v4i8.17166

Palavras-chave:

Educação Não formal, Formação Integral, Educação Museal

Resumo

Apresentamos os conceitos de educação não formal e de formação integral a partir de autores selecionados, problematizando o primeiro. Defendemos a concepção de que uma formação integral engloba diferentes modalidades ou tipologias de educação, de forma integrada e com objetivos comuns, de modo que a ideia de educação não formal perde o sentido diante de uma perspectiva de formação integral. Apresentamos o exemplo específico da educação museal como parte da trama que tece a formação integral, apresentando algumas polêmicas conceituais deste campo específico. Concluímos apresentando a formação integral como ponto de partida para construção de processos educativos emancipatórios e transformadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Santana Rabello de Castro, Educadora nos Museus Castro Maya - Chácara do Céu/Instituto Brasileiro de Museus, doutoranda no PPGE da Universidade Federal Fluminense e bolsista CNPQ

Licenciada e Bacharel em História pela UFRJ (2005), Especialista em Ensino de História e Cultura da África e do Negro no Brasil pela UCAM (2007) e Mestre em Educação pela UFRJ (2013). Doutoranda na Faculdade de Educação da UFF (2014-2018). Foi professora de história no Ensino Básico nas redes públicas dop Município de Teresópolis e do Estado do Rio de Janeiro (2006-2010). É educadora no Museu da Chácara do Céu - IBRAM/RJ, desde 2010, e integra a coordenação do Curso de Especialização em Educação Museal, do ISERJ-FAETEC. Realiza pesquisas na área de políticas públicas. Membro do Comitê Gestor da Rede de Educadores em Museus e Centros Culturais do Rio de Janeiro. Coordena o GT de Redes e Parcerias do Programa Nacional de Educação Museal do Ibram.

Referências

BRASIL. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O que é Educação Patrimonial?; Como funciona a política do Iphan para a Educação Patrimonial?. Perguntas Frequentes. Brasília, 2014a. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/perguntasFrequentes?pagina=3>. Acesso em: 6 abr. 2015.

BRASIL. Ministério da Cultura. Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Carta de Belém-PA. Belém, 2014b. Disponível em: <http://fnm.museus.gov.br/wp-content/uploads/2014/11/Carta_Belem_PNEM_6FNM.pdf>. Acesso em: 7 abr. 2015.

BRASIL. Ministério da Cultura. Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Documento Preliminar do Programa Nacional de Educação Museal. Brasília, 2013. Disponível em: <http://pnem.museus.gov.br/wp-content/uploads/2014/02/DOCUMENTO-PRELIMINAR.pdf>. Acesso em: 7 abr. 2015.

CABRAL, Magaly. Educação Patrimonial x Educação Museal? In: TOLENTINO, Átila. (Org.). Educação Patrimonial: reflexões e práticas. João Pessoa: Superintendência do IPHAN na Paraíba, 2012. p. 38-43. (Caderno Temático, 2). Disponível em: <http://issuu.com/daniellalira/docs/caderno_tem_tico_02_-_baixa_resolu__o/47?e=0>. Acesso em: 7 abr. 2015.

CHAGAS, Mário. Diabruras do Saci: museu, memória, educação e patrimônio. Revista Musas, v. 1. n. 1. Rio de Janeiro: IPHAN, 2004. p. 135-146.

DEVALLÈS, André; MAIRESSE, François. Conceitos-chave de museologia. Tradução comentários Bruno Brulon Soares Soares e Marília Xavier Cury. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus; Conselho Internacional de Museus; Pinacoteca do Estado de São Paulo; Secretaria de Estado da Cultura, 2013. Disponível em: < http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2015.

FÁVERO, Osmar. Educação não-formal: contextos, percursos e sujeitos. Educ.Soc., Campinas, v. 28, n. 99, p. 614-617, maio-ago. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v28n99/a17v2899>. Acesso em: 24 mar. 2015.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação e crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 2010.

GADOTTI, Moacir. A questão da educação formal/não formal. Suíça: Institut Inter- Suíça: Institut International des Droit de l’enfant (IDE), 2005. Disponível em: <http://www.vdl.ufc.br/solar/aula_link/lquim/A_a_H/estrutura_pol_gest_educacional/aula_01/imagens/01/Educacao_Formal_Nao_Formal_2005.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2015.

GADOTTI, Moacir. Educação popular, educação social, educação comunitária: conceitos e práticas diversas, cimentadas por uma causa comum.. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 4., 2012, São Paulo. Proceedings...Associação Brasileira de Educadores Sociais. Disponível em: <http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000092012000200013&lng=en&nrm=abn>. Acesso em: 24 mar. 2015

GOHN, Maria da Glória. Educação não formal e o educador social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez, 2010.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do Cárcere. v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

GRINSPUM, Denise. Educação para o patrimônio: museu de arte e escola – Responsabilidade compartilhada na formação de públicos. 148 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), São Paulo, 2000.

HORTA, Maria de Lourdes P. et al. Guia Básico da Educação Patrimonial. Brasília: IPHAN, Museu Imperial, 1999.

MARANDINO, Martha (Org.). Educação em museus: a mediação em foco. São Paulo: Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação Não-Formal e Divulgação em Ciência; FEUSP, 2008. Disponível em: <http://parquecientec.usp.br/wp-content/uploads/2014/03/MediacaoemFoco.pdf>. Acesso em: 24 mar. 2015.

Publicado

2015-12-09

Como Citar

Castro, F. S. R. de. (2015). Há sentido na Educação Não Formal na perspectiva da Formação Integral?. Museologia & Interdisciplinaridade, 4(8), 171 - 184. https://doi.org/10.26512/museologia.v4i8.17166

Edição

Seção

Artigos