A microtoponímia nas interações indivíduo-mundo e indivíduo-indivíduo

Autores

  • Hildo Honório do Couto Universidade de Brasília

Resumo

Um dos principais objetivos deste artigo é discutir os nomes que os membros de uma pequena comunidade de fala do interior de Minas Gerais dão a aspectos de seu entorno tais como colinas, bosques, árvores, córregos, enfim, todo acidente geográfico que de alguma forma chame a atenção. Seguindo a teoria e a metodologia da Linguística Ecossistêmica, o ensaio mostra que os nomes nascem devido à necessidade que os locais têm de se comunicar sobre esses acidentes. Nesse processo, mostra-se a dupla face das interações ecológicas: interações organismo-mundo e interações organismo-organismo. Linguístico-ecossistemicamente, as primeiras são a referência; as segundas, a comunicação. As pessoas se referem a algo fora da linguagem se comunicando e se comunicam referindo-se a algo fora da linguagem. O artigo mostra adicionalmente o processo onomasiológico de surgimento das palavras e sua confirmação semasiológica, inclusive nos chamados “pronomes” que, na verdade, ontogenética e filogeneticamente são depois substituídos por “nomes”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hildo Honório do Couto, Universidade de Brasília

Graduado em Letras Vernáculas pela Universidade de São Paulo (1969), mestrado em Lingüística pela Universidade de São Paulo (1973) e doutorado em Lingüística pela Universitaet zu Koeln (1978), Alemanha. Atualmente é Pesquisador Associado da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Fonologia, Contato de Línguas, Crioulística e Ecolingüística, atuando principalmente nos seguintes temas: contato de línguas, relações entre língua e meio ambiente (Ecollinguística). Atualmente, está desenvolvendo, juntamente com colaboradores, a versão da Ecolinguística chamada Linguística Ecossistêmica, no âmbito da Escola de Ecolinguística de Brasília. Para detalhes, ver o blog: www.meioambienteelinguagem.blogspot.com.

Referências

ARAÚJO, Gilberto Paulino de. O conhecimento etnobotânico dos kalunga: uma relação entre língua e meio ambiente. Tese de doutorado, UnB, 2014. Disponível em:

http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/16472/1/2014_GilbertoPaulinodeAraújo.pdf

CASTRO, Maria Célia D. O homem, o lugar e a língua: uma investigação da influência antroponímica na toponímia maranhense. In: COUTO, Elza; ALBUQUERQUE, Davi (orgs.), 2015, p. 30-43.

COUTO, Hildo Honório do. O falar capelinhense: uma visão sociolinguística. Londrina: EUL, 1974. Disponível em http://aarvinha.blogspot.com/2018/02/o-falar-capelinhense-uma-visao.html (2018).

_______. Uma introdução à semiótica. Rio de Janeiro: Presença Edições, 1983.

_______. Introdução ao estudo das línguas crioulas e pidgins. Brasília: Editora da UnB, 1996.

_______. Ecolinguística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.

_______. A linguística ecossistêmica. Ecolinguística: revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL) v. 1, n. 1, 2015, p. 47-81. Disponível em:

http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/9967/8800

_______. Comunidade de fala revisitada. Ecolinguístia: revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL), v. 2, n. 2, 2016, p. 59-75. Disponível em:

http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/9690/8558

_______. A metodologia na linguística ecossistêmica. Ecolinguística: revista brasileira de ecologia e linguagem (ECO-REBEL) v. 4, n. 2, 2018, p. 18-33. Disponível em:

http://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/12355/10835

COUTO, Elza; ALBUQUERQUE, Davi (orgs.). Linguística ecossistêmica e análise do discurso ecológica. Brasília: Thesaurus, 2015.

COWLEY, Stephen. Bio-ecology and language: a necessary unity. Language sciences v. 4, 2014, p. 60-70.

DAMÁSIO, António. O mistério da consciência. São Paulo: Companhia das Letras, 4a reimpressão, 2002.

GARNER, Mark. Language: an ecological view. Berna: Peter Lang, 2004.

HOLM, John. Pidgins and creoles I. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

JÄRVILEHTO, Timo. the theory of the organism-environment system: I. Description of the theory. Integrative Physiological and Behavioral Science v. 33, n. 4, 1998, p. 321-334.

KRAVCHENKO, Alexandr V. Prolegomena to a new language science. Актуальные проблемы филологии и педагогической лингвистики, v. 2, 2016. С. 7—14. Владикавказ: Изд. СОГУ им. К.Л.Хетагурова

LAYCOCK, Donald C. Materials in New Guinea Pidgin. Canberra: Pacific Linguistics, 1970.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento. São Paulo: Palas Athena, 1988.

NASH, Joshua. Placenames and Ecolinguistics: Some Considerations for Toponymists. Arbeiten aus Anglistik und Amerikanistik - AAA, Band 40, Heft 1-2, 2015, p. 67-71.

ODUM, Eugene P. 1975. Ecologia. São Paulo: Pioneira/INL/MEC, 2ª. ed.

POTTIER, Bernard. Systématique des éléments de relation: étude de morphosyntaxe structurale romane. Paris: Librairie Klincksieck, 1962.

PREZIOSI, Donald. Towards a relational theory of culture. The third LACUS Forum. Columbia, S.C.: Hornbeam Press, 1977, p. 278-286.

RATZEL, Friedrich. 1923. Politische Geographie. Munique: Oldendurg (original de 1897).

SAPIR, Edward. 2016. Língua e ambiente. In: COUTO, Hildo; COUTO, Elza; ARAÚJO, Gilberto; ALBUQUERQUE, Davi (orgs.). O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Editora da UFG, 2016, p. 35-55.

SEBEOK, Thomas. Estruturas zoo-semióticas. Revista de cultura Vozes 5, 1973, p. 11-22.

SEMPLE, Ellen Churchill. Influences of geographic environment. N. York: Henry Rolt & Company, 1941 (original de 1911).

SIQUEIRA, Kênia Mara F. Do Vai-Vem passando Entre Rios até Ipameri (GO): Considerações acerca da mudança toponímica. In: COUTO, Elza; ALBUQUERQUE, Davi (orgs.), 2015, p. 12-29.

TINBERGEN, N. On aims and methods of ethology. Zeitschrift für Tierpsychologie v. 20, 1963, p. 410-433.

WILSON, Edward Osborne. Sociobiology. Cambridge, Mass.: The Belknap Press, 1980.

Publicado

2020-07-18

Como Citar

Couto, H. H. do. (2020). A microtoponímia nas interações indivíduo-mundo e indivíduo-indivíduo. Ecolinguística: Revista Brasileira De Ecologia E Linguagem (ECO-REBEL), 6(2), 107-125. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/erbel/article/view/32668

Edição

Seção

Artigos

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

1 2 > >>