As Tarifas Alves Branco: entre o protecionismo e a preocupação fiscal

Autores

  • Pedro Henrique Batista Barbosa

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i24.14826

Palavras-chave:

Tarifas Alves Branco. Livre-cambismo. Protecionismo.

Resumo

Na década de 1840, o vencimento dos tratados comerciais, resgatava antigos anseios da elite política imperial: desenvolver as manufaturas no país e aumentar as receitas do Estado. Após extensos debates, diversas medidas protecionistas foram lançadas, sendo as Tarifas Alves Branco as mais importantes. As tarifas buscaram atender mais a interesses fiscais do que a pretensões industrializantes

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Alvará de 1º de abril de 1808. Permitte o livre estabelecimento de fabricas e manufacturas no Estado do Brazil. Lex: Colecção das Leis do Brazil de 1808. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1891.

BRASIL. Decreto n. 376, 12 de agosto de 1844. Manda executar o Regulamento e Tarifa para as Alfandegas do Imperio. Lex: Colecção das Leis do Imperio do Brasil, Rio de Janeiro, tomo 7º, parte 2ª, seção 26ª, 1844.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Proposta e relatório do anno de 1840 apresentados a Assembléa Geral Legislativa na sessão ordinária de 1841. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1841. 30 p.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Proposta e relatório do anno de 1846 apresentados a Assembléa Geral Legislativa na 4ª sessão da 6ª legislatura. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1847. 48 p.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Proposta e relatório do anno de 1849 apresentados a Assembléa Geral Legislativa na 1ª sessão da 8ª legislatura. Rio de Janeiro: TypographiaNacional, 1850. 38 p.

BRASIL. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Relatório do anno de 1840 apresentado a Assembléa Geral Legislativa na sessão ordinária de 1841. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1841. 21 p.

BRASIL. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Relatório do anno de 1844 apresentado a Assembléa Geral Legislativa a 13 de janeiro de 1845, na 1ª sessão da 6ª legislatura. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1845. 46 p.

BRASIL. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Relatório do anno de 1846 apresentado a Assembléa Geral Legislativa na 4ª sessão da 6ª legislatura. Rio de Janeiro: Typographia Imperial e Constitucional de J. Villeneuve e Comp., 1847. 26 p.

BRASIL. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Relatório do anno de 1847 apresentado a Assembléa Geral Legislativa na 1º sessão da 7ª legislatura. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1848. 23 p.

BRASIL. Ministério dos Negócios Estrangeiros. Relatório do anno de 1849 apresentado a Assembléa Geral Legislativa na 1ª sessão da 8ª legislatura. Rio de Janeiro: Typographia Imperial e Constitucional de J. Villeneuve e Comp., 1850. 17 p.

BRASIL. Senado Federal. Sessão de 25 de abril de 1843. Anais do Senado. Brasília, v.4, 688 p.

BRASIL. Senado Federal. Sessão de 27 de setembro de 1843. Anais do Senado. Brasília, v.8, 713 p.

BRASIL. Senado Federal. Sessão de 28 de setembro de 1843. Anais do Senado. Brasília, v.8. 713 p.

BRASIL. Senado Federal. Sessão de 29 de setembro de 1843. Anais do Senado. Brasília, v.8. 713 p.

BRASIL. Senado Federal. Sessão de 11 de agosto de 1845. Anais do Senado. Brasília, v.3. 811 p.CONSELHO DE ESTADO PLENO. Atas do Conselho de Estado Pleno: Terceiro Conselho de Estado, 1842-1850. Disponível em: <http://www.senado.gov.br/publicacoes/anais/pdf/ACE/ATAS3-Terceiro_Conselho_de_Estado_1842-1850.pdf>. Acesso em: 20 de setembro de 2010.

ALMEIDA, Paulo Roberto. Formação da Diplomacia Econômica no Brasil: as relações econômicas internacionais no Império. Brasília: FUNAG, 2001.

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da política exterior do Brasil. 2. ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002. 525 p.

CERVO, Amado. Política exterior e relações internacionais do Brasil: enfoque paradigmático. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, vol. 46, n. 2, p. 5-25, 2003.

DE MELLO, João Manuel Cardoso. O capitalismo tardio: contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. 9ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1998. 182 p.

DEVEZA, Guilherme. Política tributária no período imperial. In: HOLANDA, Sérgio B. (Org.). História Geral da Civilização Brasileira. 5ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995, v.2, tomo 4, p. 62-91.

FILHO, José Roberto Scandiucci. Hegemonia britânica e o debate entre protecionismo e livre-cambismo no Império brasileiro (1843-1866). Revista Múltipla, Brasília, vol. 9, n. 13, p. 61-90, dez. 2002.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. As tentativas de industrialização do Brasil. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de (Org.). História Geral da Civilização Brasileira. 6ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004. v. 4, p. 38-45.

LUZ, Nícia Vilela. A luta pela industrialização do Brasil (1808 a 1930). 1ª ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1961. 216 p.

VERSIANI, Flávio Rabelo. As Longas Raízes do Protecionismo: 1930 e as Relações entre Indústria e Governo. Revista EconomiA, Brasília, v. 13, n. 3b, p. 867-895, dez, 2012.

Downloads

Publicado

2014-08-30

Como Citar

BARBOSA, Pedro Henrique Batista. As Tarifas Alves Branco: entre o protecionismo e a preocupação fiscal. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 24, 2014. DOI: 10.26512/emtempos.v0i24.14826. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14826. Acesso em: 14 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos