Ser mulher-artista-engajada: Violeta Parra, Mercedes Sosa e Elis Regina na década de 60

Autores

  • Andrea Beatriz Wozniak Giménez Universidade Estadual Paulista 'Júlio de Mesquita Filho' - campus Franca

DOI:

https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i25.14812

Palavras-chave:

música popular. engajamento. sensibilidades.

Resumo

Violeta Parra (1917-1967), Mercedes Sosa (1935-2009) e Elis Regina (1945-1982) eternizaram-se enquanto vozes femininas paradigmáticas da música popular latino-americana da segunda metade do século XX. Envolveram-se com a ideia de engajamento, advinda da crença nas possibilidades de transformação, aspecto que mobilizou intelectuais e artistas durante os anos 60. Suas obras encontram-se impregnadas por partilhas do sensível, expressando sensibilidades de uma época e ofertando visibilidade e inteligibilidade para aspectos em evidência em suas paisagens de cotidiano: realidades contraditórias e desiguais, utopias sociais e políticas, identidades plurais, desafios e expectativas do ser feminino. O presente artigo tem como objetivo desenvolver uma reflexão sobre ser mulher, artista e engajada na música popular da década de 60, buscando analisar alguns embates enfrentados pelas artistas e possibilidades abertas a partir de suas experiências artísticas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo[1949]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BERND, Zilá. (Org.). Americanidade e transferências culturais.Porto Alegre: Movimento, 2003.

CANCLINI, Nestor García. Culturas Híbridas.São Paulo: Edusp, 1998.

COBOS, Carla Pinochet. Violeta Parra: hacia un imaginario del mundo subalterno.Monografia em Antropologia Social. Faculdade de Ciências Sociais, Universidade de Chile, 2007.

FLAX, Jane. Thinking Fragments: Psychoanalysis, Feminism, and Postmodernism n the Contemporary West. University of California Press, 1990.

GARCIA, T. da C. Tradição e modernidade: reconfigurações identitárias na música folclórica chilena dos anos 1950 e 1960. História Revista.Goiânia,v.13, n.2, p.483-495, jul.-dez.2008.

DEL PRIORE, Mary. “História das Mulheres: As vozes do silêncio.”In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.). Historiografia Brasileira em Perspectiva.São Paulo: Contexto, 1998.

DÃAZ, Claudio F. Una vanguardia en el folklore argentino: canciones populares, intelectuales y política em la emergencia del “Nuevo Cancionero”. Atas do II Congresso Internacional de Literatura Argentina/Latinoamericana/Española,Mar del Plata, 2004. Disponível em: www.freewebs.com/celehis/actas2004/.../2_Diaz.doc, acesso em 10 mar. 2014.GONÇALVES, Andréa Lisly. História & Gênero.Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

GONZÁLEZ, Juan Pablo; OHLSEN, Oscar; ROLLE, Cláudio. Historia social de la música popular en Chile. 1950-1970.Santiago, Chile: Ediciones Universidad Católica de Chile, 2009.

GONZÁLEZ, Juan Pablo. Pensar la música desde América Latina ”“Problemas interdisciplinares.Santiago de Chile: Ediciones Alberto Hurtado, 2013.

NAPOLITANO, Marcos. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969).São Paulo: Fapesp/Annablume, 2001.

NAPOLITANO, Marcos. A síncope das ideias ”“a questão da tradição na Música Popular Brasileira.São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2007.

MIRANDA, P. Décimas autobiografiadas de Vileta Parra: tejiendo diferencias. Mapocho, n.46, p.49-63, 1999. Disponível em: http://web.uchile.cl/publicaciones/cyber/13/tx7.html, acesso em 14/01/2014.

RAGO, Margareth. Descobrindo historicamente o gênero. Cadernos Pagu, n.11, Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, 1998.SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia dasLetras, 1995.SCOTT, Joan. “História das mulheres.” In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da história: novas perspectivas.4 ed. São Paulo: Editora UNESP, 1992.

SCOTT, Joan; TILLY, Louise Tilly; VERIKAS, Eleni. Debate. Cadernos Pagu, n.3, Desacordos, desamores e diferenças. Núcleo de Estudos de Gênero/UNICAMP, 1994.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo meu(1929). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004.

Downloads

Publicado

2015-02-23

Como Citar

WOZNIAK GIMÉNEZ, A. B. Ser mulher-artista-engajada: Violeta Parra, Mercedes Sosa e Elis Regina na década de 60. Em Tempo de Histórias, [S. l.], n. 25, 2015. DOI: 10.26512/emtempos.v0i25.14812. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/emtempos/article/view/14812. Acesso em: 8 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê