Lukács e o cinema

Autores

  • Lívia Cotrim Centro Universitário Fundação Santo André

Palavras-chave:

G. Lukács., Estética., Cinema., Mimese., Meio homogêneo.

Resumo

Este artigo analisa dois textos de G. Lukács sobre o cinema, separados por um intervalo de cinco décadas: o artigo “Reflexões para uma estética do cinema”, escrito em 1913; e o longo capítulo “Filme” de A peculiaridade do estético, escrita na segunda metade dos anos 1950 e publicada 1963. São examinadas as proximidades e distâncias das duas concepções, marcadas por um mesmo interesse na particularidade dessa nova forma de arte, mas distintas tanto pelo desenvolvimento da própria arte cinematográfica, como pela trajetória intelectual de Lukács, que o levou do idealismo subjetivo ao materialismo e ao marxismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHASIN, J. “Rota e Prospectiva de um Projeto Marxista”. In: Ensaios Ad Hominem 1 ”“ Tomo I: Marxismo. Santo André: Ad Hominem, 1999.

__________. Marx ”“ estatuto ontológico e resolução metodológica. São Paulo: Boitempo, 2009.

CHASIN, J. et all. “Tempos de Lukács e Nossos Tempos ”“ socialismo e liberdade. Entrevista com István Mészáros”. In: Ensaio nº 13, São Paulo: Ensaio, 1984.

CHASIN, I. Música Serva d’Alma. Claudio Monteverdi. Ad Voce Umanissima. São Paulo/João Pessoa: Perspectiva/UFPb, 2009.

COTRIM, A. “Reflexos da guinada marxista de Georg Lukács na sua teoria do romance”. In: Projeto História, vol. 43, São Paulo, jul/dez de 2011, p. 575. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/8335/6717

FREDERICO, C. Marx, Lukács: a arte na perspectiva ontológica. Natal: EDUFRN, 2005.

LUKÁCS, G. Pensamento Vivido ”“ autobiografia em diálogo. Santo André/Viçosa: Ad Hominem/ Ed.UFV, 1999.

__________. “Meu Caminho para Marx”. In: J. CHASIN. (org.). Marx Hoje. São Paulo: Ensaio, 1988.

__________. Estética 1 - La peculiaridad de lo estético. Vol. I. Barcelona/México: Grijalbo, 1966.

MARX, K. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

__________. Carta a P. Annenkov, de 28/12/1846. In: K. MARX.; F. ENGELS. Obras escolhidas. São Paulo: Alfa-Ômega, Vol. III

MÉSZÁROS. I. In: J. CHASIN et all. “Tempos de Lukács e Nossos Tempos ”“ Socialismo e Liberdade. Entrevista com István Mészáros”, op. cit., p. 15.

PATRIOTA, R. A relação sujeito-objeto na Estética de Georg Lukács: reformulação e desfecho de um projeto interrompido. Tese de doutorado em Filosofia. UFMG, 2010, pp. 261 e 262. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/ARBz-85KH2z.

TERTULIAN, N. “Lukács e o Stalinismo”. In: Verinotio - Revista On-line de Educação e Ciências Humanas - nº 7, Ano IV, novembro de 2007, pp. 28-29). Disponível em: http://www.verinotio.org/conteudo/0.65943372031621.pdf

__________. Georg Lukács. Etapas de seu pensamento estético. São Paulo: Unesp, 2008.

VAISMAN, E. “O ‘Jovem’ Lukács: Trágico, Utópico e Romântico?”. In: Kriterion, nº 112, dez/2005.
__________. “A obra tardia de Lukács e os revezes de seu itinerário intelectual”. In: Trans/Form/Ação vol.30, nº2, Marília, 2007.

VEDDA, M. “Comunidad y Cultura en el Joven Lukács. A Propósito del ‘Proyecto Dostoievski’”, p. 8. Disponível em http://www.archivochile.com/Ideas_Autores/lukacs_g/sobre/lukacsgsobre00022.

__________. “György Lukács y la fundamentación ontológica de lo estético”. In: La sugestión de lo concreto ”“ estudios sobre teoría literária marxista. Buenos Aires: Gorla, 2006.

Downloads

Publicado

2020-08-19

Como Citar

Cotrim, L. (2020). Lukács e o cinema. Revista Cerrados, 29(52), 21–44. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/cerrados/article/view/29388

Edição

Seção

Dossiê: Realismo e atualidade: horizontes da criação artística em tempos hostis.