O que é isso que chamamos de Antropologia brasileira?

Autores

  • Roberto Cardoso de Oliveira

Palavras-chave:

Antropologia, Conferência

Resumo

Gostaria de retomar, nesta oportunidade', uma velha questão ”” aliás, proposta por Heidegger a propósito da Filosofia ”” relativa ao SER da Antropologia Social ou Cultural. Digo retomar porque numa outra ocasião, há cerca de ano e meio, em abril de 84, pude desenvolver esse tema numa conferência proferida na 14.a Reunião Brasileira de Antropologia, realizada em Brasília. Naquela conferência, intitulada “Tempo e Tradição: Interpretando a Antropologia” , detive-me a examinar diferentes rupturas que se processaram na origem da disciplina em seus espaços europeu e norte-americano, numa busca de suas diversa? modalidades cognitivas observadas em sua própria formação, por certo, disciplinada no interior de tradições nítidas do pensamento ocidental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AZEVEDO, Thales. O Catolicismo no Brasil: Um campo para a pesquisa social. Rio de Janeiro: Caderno de Cultura. MEC. Serviço de Documentação, 1955.
BALDUS, Herbert. Ensaios de Etnologia Brasileira. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1937.
------------------------- . Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira. Volume II. Võikerkundliche Abhandlungen. Band IV. Hannover: Kommisionsverlag Münstermann. Druck GMBH, 1968.
-------------------------. Tapirapé: Tribo Tupi no Brasil Central. São Paulo: Cia. Editora Nacional/Editora da Universidade de São Paulo, 1970.
CANDIDO, Antonio. Os Parceiros do Rio Bonito: Estudo Sobre o Caipira Paulista e a Transformação dos Seus Meios de Vida. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio, 1964.
CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O Processo de Assimilação dos Terena. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1960.
------------------------- . o Indio e o Mundo dos Brancos: A situação dos Tükuna do Alto Solimões. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1964.
------------------------- . Urbanização e Tribalismo: A Integração dos Indios Terena numa Sociedade de Classes. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.
------------------------- . Tempo e Tradição: Interpretando a Antropologia. Anuario Antropológico/84, Tempo Brasileiro 1985.
CARNEIRO, Édison. Ladinos e Criolos: Estudos sobre o Negro no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira Editora, 1964.
COLE, Douglas. “The Value of a Person Lies in His Herzensbildung” : Franz Boas’ Baffin Island Letter-Diary, 1883-1884”. In Observers Observed: Essays on Ethnographic Fieldwork (org. George W. Stocking, J r.), Madison: The University of Wisconsin Press, 1983.
CORRÊA, Mariza. As Ilusões da Liberdade: A Escola de Nina Rodrigues & a Antropologia no Brasil. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 1982.
DIÉGUES JUNIOR, Manuel. Regiões Culturais do Brasil. Rio de Janeiro:
Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos. MEC, 1960.
FERNANDES, Florestan. A Organização Social dos Tupinambás. São Paulo: Instituto Progresso Editorial S.A . São Paulo, 1949.
------------------------- . A Fundação Social da Guerra na Sociedade Tupinambá, Revista do Museu Paulista. Nova Série. Volume VI: 7-425. São Paulo, 1952.
------------------------- . Tendências Teóricas da Moderna Investigação Etnológica
no Brasil. Anhcmbi, n.°s 72: 460-469; 73: 18-43; 74 : 262-283, 1956/57. (Reproduzida no livro do mesmo autor A Etnologia e a Sociologia no Brasil. São Paulo: Editora Anhembi, 1958).
------------------------ . Current Theoretical Trends of Ethnological Research in Brazil. Revista do Museu Paulista. Nova Série. Volume X I: 7-69, 1959.
FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala: Formação da Família Brasileira sob o Regime de Economia Patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt Ltda, 1933.
â– ---------------””------ . Sobrados e Mucambos. São Paulo: Editora Nacional, 1936.
------------------ ------- . Novos Estudos Afro-Brasileiros. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1937.
------------------ ””â– ””â– . Como e Porque Sou e Não Sou Sociólogo. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1968.
FUKUI, Lia F .G . Estudos e Pesquisa sobre Família no Brasil. BIB n.° 10: 13-23. ANPOCS, 1980.
GALVAO, Eduardo. Cultura e Sistema de Parentesco das Tribos do Alto Xingu. Boletim do Museu Nacional. Nova Série. Antropologia n.° 14, 1953.
------------------------- . Santos e Visagens: Um Estwdo da Vida Religiosa de Itá, Amazonas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1955.
------------------------- . Aculturação Indígena no Rio Negro. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Nova Série Antropologia n.° 7, 1959.
GNACCARINI, José Cezar & Margarida Maria MOURA. Estrutura Agrária Brasileira: Permanência e Diversificação de um Debate. BIB, n.° 15: 5-52, ANPOCS, 1983.
HARTMAN, Thekla. Bibliografia Crítica da Etnologia Brasileira. Volume III. Võlkerkundliche Abhandlungen. and IX. Berlim: Dietrich Reimer Verlag, 1984.
IANNI, Octávio. Estudo de Comunidade e Conhecimento Científico. Revista de Antropologia, vol. 9. n.°s 1 e 2, 1961.
KUHN, Thomas. The Structure of Scientific Revolutions. Chicago: University of Chicago Press. Chicago, 1962.
LARAIA, Roque. Relações entre Negros e Brancos no Brasil. BIB, n.° 7: 11-21. ANPOCS, 1979.
------------------ -------. “Antropologia (1950-1974)”. In Manual Bibliográfico de Estudos Brasileiros. Tomo “Ciências Sociais”,vol. 1 (Organização e Introdução de Roberto Cardoso de Oliveira), no prelo.
LARAIA, Roque & Roberto DA MATTA. indios e Castanheiros: A Empresa Extrativa e os Índios no Médio Tocantins. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1967.
LOWIE, Robert. Robert H. Lowie Ethnologist: A personal record. Berkeley e Los Angeles: University of California Press, 1959.
MAGNANI, José Guiherme C. Cultura: Controvérsias e Perspectivas. B/B, n° 12: 23-39. ANPOCS, 1981.
MAYBURY-LEWlS, David. Akwen Shavante Society. Oxford: Claredon Press, 1967.
MAYBURY-LKWIS, David (org.) Dialectical Societies: The Gê and Bororo of Central Brasil. Cambridge, MA: Harvard University Press, 1979.
MELATTI, Julio C. Índios e Criadores: A Situação dos Krahó na Área Pastoril do Tocantis. Rio de Janeiro: Monografias do Instituto de Ciências Sociais, 1967.
------------------------- . A Etnologia das Populações Indígenas do Brasil, nas duas últimas décadas. Anuário Antropológico/80 : 253-257. Tempo Brasileiro, 1982.
â– -------------------------. A Antropologia no Brasil: Um Roteiro, in BIB, n.° 17, ANPOCS, 1984.
NIMUENDAJU, Curt. The Apinayé. Washington: The Catholic University of America. Anthropological Series n.° 8, 1939.
------------------------- . The Serente. Los Angeles: Southwest Museum, 1942
------------------------- . The Eastern Timbira. Berkeley e Los Angeles: University of California Publications in American Archaeology and Ethnology, volume 41, 1946.
------------------------- . The Tukuna. Berkeley e Los Angeles: University of California Publications in American Archaeology and Ethnology, XLV, 1952.
NOGUEIRA, Oracy. Família e Comunidade: Um Estudo Sociológico de Itapetininga, São Paulo. Rio de Janeiro: Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais/INEP. MEC, 1962.
PEIRANO, Mariza G. S. The Anthropology of Anthropology: The Brazilian Case. Tese de Doutorado, Departamento de Antropologia, Harvard University, .1981.
PIERSON, Donald. Cruz das Almas: A Brazilian Village. Washington Smithsonian Institution. Institute of Social Anthropology. Publication n.° 12, 1951.
RIBEIRO, Darcy. Religião e Mitologia Kadiuéu. Rio de Janeiro: Conselho Nacional de Proteção aos índios. Publicação n.° 106, 1950.
------------------------- . Arte dos Índios Kadiuéu. Rio de Janeiro: Cultura, IV 1951.
------------------------- . Culturas e Línguas Indígenas do Brasil. Educação e Ciências Sociais, II, n.° 6: 1-112, 1957.
RIBEIRO, René. Cultos Afro-Brasileiros do Recife-. Um estudo de Ajustamento Social. Recife: Boletim do Instituto Joaquim Nabuco, 1952.
------------------------- . Religião e Relações Raciais. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação, MEC, 1956.
RICOEUR, Paul “Structure et Herméneutique”. In Le Conflit des Interprétations: Essais d’herméneutique. Paris: Editions du Seuil, 1969.
SCHADEN, Egon. Ehsaio Etno-Sociológico Sobre a Mitologia Heróica de Algumas Tribos Indígenas do Brasil. Sociologia, VII, n.° 4: 1-172, 1945.
------------------------- . Aspectos Fundamentais da Cultura Guarani. São Paulo: Boletim n.° 188, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, n.° 4, 1954.
------------------------- . Aculturação Indígena. Ensaio Sobre Fatores e Tendências da Mudança Cultural de Tribos Índias em Contacto com o Mundo dos Brancos. Tese apresentada ao concurso da cátedra de Antropologia, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1964.
SEEGER, Anthony & Eduardo VIVEIROS DE CASTRO. Pontos de Vista sobre os Índios Brasileiros: Um Ensaio Bibliográfico, BIB, n.° 2: 11-35. IUPERJ, 1977.
SINGER, Milton. Man’s Glassy Essence: Explorations in Semiotic Anthropology. Bloomington: Indiana University Press, 1984.
VELHO, Otávio. Antropologia para Sueco Ver. Dados, n.° 23, 1980.
WAGLEY, Charles. Amazon Town: A Study of Man in the Tropics. Nova Iorque: The Macmillan Co., 1953.
-------------------1------ . Welcome of Tears: The Tapirapé Indians of Central Brazil. Nova Iorque: Oxford University Press, 1977.
WAGLEY, Charles & Eduardo GALVAO. The Tenetehara Indians of Brazil: A Culture in Transition. Nova Iorque: Columbia University Press, 1949.
WILLEMS, Emilio. A Aculturação dos Alemães no Brasil: Estudo Antropológico dos Imigrantes Alemães e seus Descendentes no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1946.
------------------------- . Aspectos da Aculturação dos Japoneses no Estado de São Paulo. São Paulo: Boletim n.° 3. Cadeira de Antropologia. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de S. Paulo, 1948a.
CUNHA: Tradição e Transcrição em Uma Cultura Rural do Brasil. São Paulo. 1948b.
WILLEMS, Emilio & Gioconda MUSSOLINI. Buzios Island: A Caiçara Communiti/ in Southern Brazil. Nova Iorque: J. J. Augustin Publisher, 1952
WOORTMANN, Klaas. A Antropologia Brasileira e os Estudos de Comunidade. Universitas, n.° 11,: 103-140. Universidade Federal da Bahia, 1972.
ZALUAR GUIMARÃES, Alba. Os Movimentos ‘Messiânicos’ Brasileiros: Uma Leitura. BIB, n.° 6: 9-21. ANPOCS, 1979.

Downloads

Publicado

2018-01-25

Como Citar

de Oliveira, R. C. (2018). O que é isso que chamamos de Antropologia brasileira?. Anuário Antropológico, 10(1), 227–246. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6365

Edição

Seção

Conferência