Positivismo e a construção de modelos na antropologia

Autores

  • Roberto Cardoso de Oliveira

Palavras-chave:

Antropologia, Crítica, Teoria Geral

Resumo

Barry Hindess, um Lecturer em Sociologia n a Universidade de Liverpool, e au to r de alguns livros de indiscutível interesse, como The Decline o f Working Class Politics (1971), The Use of Official Statístic ín Sociology (1973) e Pre-Capitalist Modes of Production (1975), este último escrito por P. Q. Hirst (e já traduzido p a ra o português ”” Zahar, 1976), incursiona agora, com este seu Philosophy itnã Methodology in the Social Sciences (1977) *, no campo da filosofia e da metodologia em ciências sociais com um objetivo bem delineado: a demolição da epistemologia e dos diferentes racionalismos e empirismcs que lhe dão guarida. Propõe-se, assim, a uma crítica das epistemologias fenomenológicas (Weber, Schutz e Husserl) e positivistas (Mill, Mach, Carnap e Popper) seguindo aproximadamente uma lin h a althusseriana, ou nela se inspirando. Sua crítica recai sobre algumas modalidades de positivismo que se manifestam num conjunto selecionado de autores, especialments filósofos e lógicos, e num ou noutro cientista social. Max Weber é o sociólogo que merece sua maior atenção, cabendo a Parsons e a um antropólogo como Lévi-Strauss referências quase episódicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

.

Downloads

Publicado

2018-01-12

Como Citar

de Oliveira, R. C. (2018). Positivismo e a construção de modelos na antropologia. Anuário Antropológico, 2(1), 173–181. Recuperado de https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6018