Dos museus e de suas armadilhas

considerações sobre a construção de um memorial da hanseníase no Ceará

Autores

  • Rafael Antunes Almeida

DOI:

https://doi.org/10.4000/aa.7688

Palavras-chave:

Hanseníase, Nova museologia, Memória, Esquecimento, Trauma

Resumo

O presente artigo pretende discutir as complexidades associadas às iniciativas consideradas de vanguarda no campo da museologia que procuram incorporar no processo curatorial grupos frequentemente silenciados. O trabalho avança em uma ampla discussão bibliográfica relativa às transformações nos museus na segunda metade do século XX, de modo a contextualizar o processo curatorial que é trabalhado ao longo do texto. Tomando como esteio para a discussão o papel da universidade na curadoria de uma sala voltada aos ex-portadores de hanseníase nos quadros de um memorial dedicado à doença na Colônia de Antônio Diogo - Ceará, busca-se elaborar algumas questões envolvendo as temáticas dos desajustes entre o tempo da universidade e o tempo do museudo desinteresse e da apatia, além de refletir sobre os temas da memória e do esquecimento entre os que remanesceram da política estatal de internação compulsória perpetrada pelo Estado Brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

2021-01-06

Como Citar

Almeida, R. A. (2021). Dos museus e de suas armadilhas: considerações sobre a construção de um memorial da hanseníase no Ceará. Anuário Antropológico, 46(1), 233–252. https://doi.org/10.4000/aa.7688