O FUTURO DO TRABALHO breve revisão teórica do debate entre os contemporâneos

Main Article Content

Cesar Sanson

Resumo

Teóricos do mundo trabalho identificam três mudanças em curso que vem alterando a sociedade do trabalho: a evolução das forças produtivas, a financeirização e o enfraquecimento do Estado como regulador da assimetria entre o capital e o trabalho. Há uma crescente percepção que a sociedade salarial já não consegue incluir todos. Há alternativas ao assalariamento como mecanismo de inclusão social?


Palavras-chave : Trabalho, sociedade salarial, inclusão social

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Sanson, Cesar. 2021. “O FUTURO DO TRABALHO: Breve revisão teórica Do Debate Entre Os contemporâneos”. Abya-Yala: Revista Sobre Acesso à Justiça E Direitos Nas Américas 5 (2):34 a 54. https://doi.org/10.26512/abyayala.v5i2.34313.
Seção
Dossiê
Biografia do Autor

Cesar Sanson, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

cesarsanson@gmail.com

Brasil

Orcid: 0000-003-1275-0418

Referências

ALVES, Giovanni Alves. O Novo (e precário) Mundo do Trabalho. São Paulo: Ed. Boitempo, 2000.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ANTUNES, Ricardo. Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil II. São Paulo: Boitempo, 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BECK, Ulrich. Sociedade do risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Ed. 34, 2010.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis: Vozes, 1998.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COCCO, Giuseppe; GALVÃO, Alexander Patez; SILVA, Gerardo; (Orgs). Capitalismo cognitivo. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2003.

CORSANI, Antonella. “Elementos de uma ruptura: a hipóteses do capitalismo cognitivo”, In: GALVÃO, Alexander Patez; SILVA, Gerardo; COCCO, Giuseppe (Orgs). Capitalismo cognitivo. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2003, p. 15-32.

DRUCK, Graça. Perda da razão social do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2007.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

FUMAGGALI, Andrea. “As finanças no comando bioeconômico do trabalho vivo”. In: Biocapitalismo e trabalho. Novas formas de exploração e novas possibilidades de emancipação. IHU ON-LINE, São Leopoldo, ano X, n. 327, 2010, p.11-13.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

GOLLAIN, Françoise. Une critique du travail: entre écologie et socialismo. Paris: La Découverte, 2000.

GORZ, André. Adeus ao proletariado: para além do socialismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

GORZ, André. Misérias do presente, riqueza do possível. São Paulo: Annablume, 2004.

GORZ, André. O imaterial. São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

KREIN, José Dari. O aprofundamento da flexibilização das relações de trabalho no Brasil nos anos 90. Dissertação (Mestrado em Economia Social e do Trabalho) - Programa de Pós-Graduação em Economia Social e do Trabalho, Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

KREIN, Jose Dari; VERAS, Roberto. Reforma trabalhista no brasil: promessas e realidade. São Paulo: Remir, 2019.

LANGER, André. Pelo êxodo da sociedade salarial: a evolução do conceito de trabalho em André Gorz. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais Aplicadas, Centro de Ciências Humanas, Universidade do Vale do Rio dos Sinos – São Leopoldo, 2003.

LAZZARATO, Maurizio; NEGRI, Antonio. Trabalho imaterial. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2001.

LEITE, Márcia Paula. O futuro do trabalho. São Paulo: Scritta, 1994.

LINHART, Daniele. A desmedida do capital. São Paulo: Boitempo, 2007.

LOJKINE, Jean. A revolução informacional. São Paulo: Cortez, 1999.

LÖWY, Michael. A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARAZZI, Christian. O Lugar das meias. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

MARX, Karl. O capital. vol.I, II e III. São Paulo: Editora Boitempo, 2017.

MARX, Karl. Grundrisse. Manuscritos econômicos de 1857-1858. Esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo, 2011.

MÉDA, Dominique. Le travail: une valeur en voie de disparition. Paris: Aubier, 1995.

MOULIER-BOUTANG, Yann. “O território e as políticas de controle do trabalho no capitalismo cognitivo”. In: GALVÃO, Alexander Patez; SILVA, Gerardo; COCCO, Giuseppe (Orgs). Capitalismo cognitivo. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003, p. 33-61.

NEGRI, Antonio; HARDT, Michael. Império. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2001.

NEGRI, Antonio; HARDT, Michael. Multidão. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2005.

OFFE, Claus. Capitalismo desorganizado. 2. ed., 1. reimpr. São Paulo: Brasiliense, 1995.

POCHMANN, M. A década dos mitos: o novo modelo econômico e a crise do trabalho no Brasil. São Paulo: Contexto, 2001.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens da nossa época. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

RAMALHO, José Ricardo; SANTANA, Marco Aurélio. Sociologia do Trabalho: Ciências Sociais Passo a Passo. São Paulo; Rio de Janeiro, 2009.

RAVENTÓS, D.; Casassas, D.. La renta basicaenla era de las grandes desigualdades. Barcelona: Montesinos, 2014.

RIFKIN, Jeremy. O fim dos empregos: o declínio inevitável dos níveis dos empregos e a redução da força global de trabalho. São Paulo: Makron Books, 1995.

RIFKIN, Jeremy. A era do acesso. São Paulo: Makron Books, 2001.

ROBIN, Jacques. Os caminhos para uma sociedade de ‘plena atividade’ e não mais de ‘pleno emprego’. In: O socialismo do futur. Revista de debate, político Salvador, n. 6, p. 135-145, 1993.

ROGGERO, Gigi. “Capitalismo cognitivo. A financeirização, em crise, é a sua forma econômica real”. In: O capitalismo cognitivo e a financeirização da economia. Crise e horizontes. IHU ON-LINE, São Leopoldo, ano IX, n. 301, 2009, p.05-09.

RULLANI, Enzo. “Dal fordismo realizzato ao postfordismo possible: la difficile transizione » In: RULLANI, Enzo; ROMANO, Luca. Il postfordismo. Milão: Etaslibri, 1998, p. 02-80.

SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho no novo capitalismo. São Paulo: Record, 1999.

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. São Paulo; Rio de Janeiro: Record, 2006.

STANDING, G. Basic Income: And How We Can Make It Happen. Pelican Books: 2017.

SUE, Roger. La richesse des hommes: vers l’économie quaternaire. Paris: Odile Jacob, 1997.

TOURAINE, Alain. Um novo paradigma. Para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.

VAN PARJIS, P.; VANDERBORGHT, Y. Renda básica de cidadania: argumentos éticos e econômicos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

VERCELLONE, Carlo. Capitalismo cognitivo. Buenos Aires: Prometeo, 2011.

VIRNO, Paolo. Grammaire de la multitude. Quebéc: Conjectures & l’éclat, 2002.

WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. Petrópolis: Vozes, 2020.