Mobilidade urbana, transporte e saúde na cidade do Rio de Janeiro

Autores

  • Daniele Batista Brandt Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA/MS) Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS/UERJ)

DOI:

https://doi.org/10.26512/ser_social.v19i41.14950

Palavras-chave:

Mobilidade urbana, Saúde, Transporte

Resumo

Este trabalho busca refletir sobre a política de mobilidade urbana e transporte na cidade do Rio de Janeiro, quanto ao acesso amplo e democrático ao espaço urbano e aos serviços para pessoas com restrição de mobilidade por doença crônica. Realizou-se levantamento de legislação e documentos do Governo Federal e da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e bibliografia sobre o tema, analisados com base materialismo histórico-dialético. Considera-se que a política e a legislação carioca apresentam limites ao exercício do direito à cidade, à saúde e à cidadania. Para mudança desse quadro é premente a participação da sociedade civil na definição da política municipal e metropolitana no setor. Além disso, é necessário manter viva a utopia do direito à cidade evocada pelas “Jornadas de Junho” (ROLNIK, 2013), que colocou na ordem do dia o debate sobre mobilidade urbana enquanto direito fundamental para a efetivação de outros tantos direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Batista Brandt, Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA/MS) Programa de Pós-Graduação em Serviço Social (PPGSS/UERJ)

Tecnologista Assistente Social - INCA/MS

Especialista em Política e Planejamento Urbano e Regional - IPPUR/UFRJ

Especialista em Gênero e Sexualidade - IMS/UERJ

Mestre em Serviço Social - PPGSS/UERJ

Doutoranda em Serviço Social - PPGSS/UERJ

Referências

ANTP. Associação Nacional de Transportes Públicos. Sistema de Informações da Mobilidade Urbana: Relatório 2013. São Paulo: ANTP, 2015.

BRASIL. Lei Federal nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 (Lei Orgânica da Saúde). Dispõe sobre as condições para a promoção proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, 1990.

______. Ministério das Cidades. Política Nacional de Mobilidade Urbana Sustentável. Cadernos MCidades. Brasília, n. 6, nov. 2004a.

______. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde, 2004b.

______. Ministério das Cidades. Brasil Acessível: Programa Brasileiro de Acessibilidade Urbana. Cadernos 1 ao 6. Brasília, 2006.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. Série B. Textos Básicos de Saúde. 4ª ed.

Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRANDT, D. B. Mobilidade Urbana para quem? Considerações sobre a política de mobilidade urbana e transporte para pessoas com restrição de mobilidade e doença crônica na cidade do Rio de Janeiro. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Política e Planejamento Urbano e Regional). Rio de Janeiro: UFRJ, 2013.

CARDOSO, A. L.; ESTEVES, R. Concessão em transporte público rodoviário: uma breve discussão conceitual sobre o caso do Rio de Janeiro em 2009. Augustus, v. 14, n. 28, ago./2009.

CARLOS, A. F. A. A condição espacial. São Paulo: Contexto, 2011.

DIEHL, D. A.; ROSA, G.; MAZURA, V. A. Direito à cidade: Mobilidade Urbana e Tarifa Zero. Página do Núcleo de Estudos e Práticas Emancipatórias da Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: <http://www.nepe.ufsc.br/controle/artigos/artigo97>. Acesso em: 12/05/2012.

HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Um panorama da Saúde no Brasil: acesso e utilização dos serviços, condições de saúde e fatores de risco e proteção à saúde (PNAD 2008). Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

______. Censo Demográfico 2010: características da população e dos domicílios. Resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

KLEIMAN, M. Transportes e mobilidade e seu contexto na America Latina. Texto para fins didáticos. Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011 (mimeo).

MARICATO, E. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

______ et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

PIRES, F. L. Deficiência e mobilidade: uma análise da legislação brasileira sobre gratuidade o transporte público. Textos & Contextos, v. 8, n. 2, p. 391-408, jul.-dez./2009.

RIO DE JANEIRO. Lei Municipal nº 3.167, de 27 de dezembro de 2000. Assegura o exercício das gratuidades previstas no art. 401 da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, mediante a instituição do Sistema de Bilhetagem Eletrônica nos serviços de transporte público de passageiros por ônibus do Município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2000.

______. Lei Orgânica (1990). Rio Lei Orgânica do Município. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Centro de Estudos da Procuradoria-Geral do Município, 2010a.

______. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Decreto nº 32.842, de 01 de outubro de 2010. Regulamenta a Lei nº 5.211 que institui o Bilhete Único no Município do Rio de Janeiro, bem como a Lei nº 3.167 que disciplina a Bilhetagem Eletrônica nos serviços de Transporte Público de Passageiros no Município do Rio de Janeiro, incluído o exercício das gratuidades legalmente instituídas. Rio de Janeiro, 2010b.

______. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Decreto nº 41.575, de 18 de abril de 2016. Dá nova redação ao Decreto nº 32.843, de 01 de outubro de 2010. Rio de Janeiro, 2016a.

______. Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Decreto nº 42.296, de 23 de setembro de 2016. Altera a redação do art. 10 do Decreto nº 41.575, de 18 de abril de 2016b.

______. Secretaria Municipal de Transportes. Ônibus Online. Disponível em: <http://www.rio.rj.gov.br/web/smtr/onibus-online>. Acesso em: 25/09/2013. Rio de Janeiro, 2013[?].

ROLNIK, R. As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações. In: MARICATO et al. (Orgs.) Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo / Carta Maior, 2013.

Downloads

Publicado

02/06/2018

Como Citar

BRANDT, Daniele Batista. Mobilidade urbana, transporte e saúde na cidade do Rio de Janeiro. SER Social, [S. l.], v. 19, n. 41, p. 439–458, 2018. DOI: 10.26512/ser_social.v19i41.14950. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/SER_Social/article/view/14950. Acesso em: 27 fev. 2024.