Memória e Odores: o debate entre biologia e sociologia em Norbert Elias como inspiração à compreensão dos usos sociais do olfato

Main Article Content

Salete Nery

Resumo


O desenvolvimento de um aparato biológico que possibilita o armazenamento de experiências e a síntese entre elas é fundamental à construção simbólica que especifica o humano. Assim, a memória é base para o conhecimento. Por sua vez, os cheiros são entendidos como fortes acionadores de memórias, ao mesmo tempo em que a acuidade olfativa é remetida aos animais. A construção do mundo humano civilizado teria tido, pois, como contraponto a retração do olfato em favor da visão, segundo argumento de Rousseau, Darwin, Freud, dentre outros. Enfim, qual é o lugar do olfato e dos cheiros em nossa época? A partir do debate entre sociologia e biologia feito por Norbert Elias, busca-se enfrentar interdisciplinarmente a questão da relação entre memória e odores para compreender o potencial orgânico do olfato e seus usos sócio-históricos.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Article Details

Como Citar
Nery, S. (2016). Memória e Odores: o debate entre biologia e sociologia em Norbert Elias como inspiração à compreensão dos usos sociais do olfato. Arquivos Do CMD, 4(1), 14–37. https://doi.org/10.26512/cmd.v4i1.9155
Seção
Artigos de Dossiê
Biografia do Autor

Salete Nery, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Doutora em Ciências Sociais. Pós-doutoranda no Programa Memória: Linguagem e Sociedade (UESB), com bolsa CAPES. Docente no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Líder do Grupo de Pesquisa Corpo, Socialização e Expressões Culturais (ECCOS - UFRB). Pesquisadora do Grupo Cultura, Memória e Desenvolvimento (CMD - UnB). Áreas de atuação: Sociologia da Cultura; Moda; Consumo.

Referências

ACKERMAN, Diane. Uma História Natural dos Sentidos. 2.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

BOURDIEU, Pierre. O Senso Prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. (Coleção Sociologia).

BURENHULT, Niclas, MAJID, Asifa. "Olfaction in Aslian ideology and language". The senses and society, vol. 6, n.1, 2011. p. 19-29. Disponível em:

<http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.2752/174589311X12893982233597>. Acesso em: 14/03/2016.

CASCUDO, Câmara. "Alfazema". Dicionário do folclore brasileiro. 9.ed. Rio de Janeiro: Ediouro publicações, 1998. p. 50. (Coleção terra brasilis).

CLASSEN, Constance, HOWES, David, SYNNOTT, Anthony. Aroma: a história cultural dos odores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1996.

CORBIN, Alain. The Foul and the Fragrant: odor and the French social imagination. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1986.

DAMÁSIO, António. E o Cérebro Criou o Homem. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

DOWNEY, Greg. "Giving names to aromas in Aslian languages", 2014. Disponível em: http://blogs.plos.org/neuroanthropology/2014/03/09/giving-namesto-aromas-in-aslian-languages/. Acesso em 13/03/2014.

ELIAS, Norbert. Os Alemães: a luta pelo poder e a evolução do habitus nos séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1997.

_____________. "A civilização dos pais". LEÃO, A. B., FARIAS, E. (Orgs.). Dossiê Reinventar Norbert Elias. Sociedade & Estado. v.27, n. 3, set/dez 2012, p. 469-493.

_____________. Envolvimento e Alienação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998a.

_____________. Norbert Elias por ele mesmo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

_____________. Processo Civilizador, v.1: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1994a.

_____________. Processo Civilizador, v.2: formação do Estado e civilização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1993.

_____________. Sobre o Tempo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,

b.

_____________. Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 1994b.

_____________. Teoria Simbólica. Oeiras: Celta, 2002.

ENGEN, Trygg. Odor Sensation and Memory. New York: Praeger, 1991.

FERREIRA, Gabriel. "Rota da beleza". Você S/A. n. 183. São Paulo: Abril, Ago 2013, p. 76-77.

FREUD, Sigmund. O Mal-Estar na Civilização. São Paulo: Penguin Classics Companhia das letras, 2011.

Freyre, Gilberto. Ordem e progresso. In: Intérpretes do Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002. v. III. (Biblioteca lusobrasileira; Série brasileira).

HENRICH, Joseph, HEINE, Steven J., NORENZAYAN, Ara. "The weirdest people in the world?" Behavioral and Brain Sciences, 2010. p. 1-23. Disponível em:

<http://www2.psych.ubc.ca/~henrich/pdfs/weirdPeople.pdf>. Acesso em: 14/03/2016.

IBGE. Cidades. Disponível em: < //http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=290490&search=bahia|cachoeira>. Acesso em: 01/07/2014.

KANDEL, Eric R. Em Busca da Memória: o nascimento de uma nova ciência da mente. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

JAQUET, Chantal. Filosofia do Odor. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014.

LAWS, Bill. "Alfazema". 50 Plantas que mudaram o rumo da história. Rio de Janeiro: Sextante, 2013. p. 122-3.

LORIG, Tyler. "On the similarity of odor and languages perception". Neuroscience & biobehavioral reviews. vol. 23, n. 3, janeiro de 1999. p. 391-398. Disponível em:

<http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/s0149763498000414>. Acesso em: 16/03/2016.

MALNIC, Bettina. O Cheiro das Coisas: o sentido do olfato: paladar, emoções e comportamentos. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, 2008. (Ciência no bolso).

MILNER, Matthew. The Senses and the English Reformation. London: Ashgate E-book, 2011. (St Andrews studies in Reformation history).

REINARZ, Jonathan. Past Scents: historical perspectives on smell. Urbana, Chicago, and Springfield: University of Illinois Press, 2014. (Studies in sensory history).

SHEPARD, Gordon M. "The human sense of smell: are we better

than we think?" PLOS Biol. vol. 2, n. 5. 11 Maio de 2004. Disponível em: . Acesso em: 13/03/2016.

VIGARELLO, Georges. O Limpo e o Sujo: a higiene do corpo desde a Idade Média. Lisboa: Fragmentos, 1985.

YOAV, Gilad, WIEBE, Victor, PRZEWORSKI, Molly, LANCET, Doron, PÄÄBO, Svante. "Loss of olfactory receptor genes coincides with the acquisition of full trichomatic vision in primates". PLOS Biol. vol. 2, n. 1, 20 janeiro 2004. Disponível em: <http://journals.plos.org/plosbiology/article?id=10.1371/jounal.pbio.0020005>. Acesso em: 13/03/2016.

Fontes:

CHERNOVIZ, Pedro Luiz Napoleão. "Verbete Alfazema". Diccionario de medicina popular e das sciencias accessórias para uso das familias. 6.ed. consideravelmente aumentada, posta a par da ciência. Paris: A. Roger & F. Chernoviz, 1890. v.1, p. 99. Disponível em: <http://www.brasiliana.usp.br/sites/default/files.>. Acesso em: 15/08/2014.

FRÓES, Heitor P. Noções eschematicas de pathologia da olfacção. Gazeta Médica da Bahia. Novembro 1921. p. 267-273. Disponível em:

<http://www.gmbahia.ufba.br/index.php/gmbahia/issue/view/725>. Acesso em: 11/03/2016.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)